segunda-feira, fevereiro 13, 2006

Ânimo

Foi melhor (muito melhor) o resultado do que a exibição. Regressámos às vitórias vencendo sem grande dificuldade o último classificado, mas parece-me que o resultado se deve mais à fragilidade do adversário e à forma como abordou o jogo do que à qualidade do nosso futebol.

Mais uma vez houve mudanças na nossa equipa. É raro apresentarmos o mesmo onze em dois jogos seguidos. Desta vez foi dada uma oportunidade ao Karagounis, enquanto que o Geovanni voltou à posição de ponta-de-lança, com o apoio do Manduca, poupando-se o Nuno Gomes. Na defesa o Nélson ficou no banco, jogando o Alcides. Koeman lá poderá explicar a sua paixão por este brasileiro voluntarioso mas trapalhão. Eu pessoalmente não gosto de o ver jogar a lateral-direito, e as asneiradas que fez no derby fazem com que eu agora esteja sempre com receio quando vejo a bola na sua zona de acção. E custa-me ainda mais vê-lo no lugar do Nélson, mas enfim. Quanto ao Penafiel, foi o adversário ideal para encontrarmos nesta altura, e tentarmos recuperar o ânimo. Nada melhor do que defrontar o último classificado em casa, e para ajudar ainda mais, um adversário que assume a descida como um facto consumado, e portanto joga de uma forma 'simpática', ou seja, joga aberto e sem especiais preocupações defensivas.

De qualquer forma a primeira parte do Benfica foi fraca. Mesmo sem autocarros em frente à baliza, o Penafiel foi anulando facilmente as nossas iniciativas atacantes, e quando atacava aparecia com bastantes unidades na frente. Até jogadas de verdadeiro perigo houve muito poucas até ao golo: estou-me a lembrar de um remate do Geovanni que passou perto da barra, e de uma defesa muito boa do Moretto a um remate de cabeça na sequência de um canto. Depois houve um pontapé na monotonia que foi uma recuperação de bola do Petit, seguida de um passe estupendo que colocou o Geovanni na cara do guarda-redes, tendo este marcado com naturalidade. Geovanni a ponta-de-lança igual a golo parece ser uma constante quando o brasileiro tem a sorte de actuar nessa posição. Pena que ele muitas vezes passe quase despercebido quando é desviado para a direita. Até ao intervalo, mais uma defesa espectacular do Moretto, uma vez mais após um cabeceamento na sequência de um canto.

As coisas não estavam a correr bem na primeira parte, por isso o nosso treinador mudou de imediato dois jogadores ao intervalo, saindo Karagounis e Manduca para as entradas do Nuno Gomes e do Manuel Fernandes. Eu sinceramente gostava de ver o grego jogar um pouco mais avançado, com a cobertura de dois médios nas costas, e não como um dos dois médios recuperadores. Pareceu-me que durante o primeiro tempo ele estava a emperrar o jogo da equipa. Quanto ao Manduca, tinha mesmo que sair. Não me parece que tenha qualidade para ser titular do Benfica, porque é demasiado lento a movimentar-se, a pensar, e a executar. Será útil como suplente, mas não gosto de o ver a titular. A segunda parte iniciou-se sem que me parecesse que as coisas tivessem melhorado muito, apesar das alterações. Aliás parecia que o Penafiel estava mais decidido a levar o jogo para as imediações da nossa área. Mas após um primeiro quarto de hora assim, o Benfica cresceu um pouco e passou a causar mais perigo.

E o jogo ficou decidido quando chegámos ao 2-0, num auto-golo do ponta-de-lança do Penafiel. A partir daqui abriram-se muitos buracos na defesa penafidelense, já que o Penafiel abandonou as poucas preocupações defensivas que já tinha, e pareceu apostar em marcar pelo menos o golo de honra na Luz. Já com o Marcel em campo (o Geovanni foi substituido imediatamente a seguir ao 2-0), o Benfica chegou ao 3-0 através do Nuno Gomes, que correspondeu a um centro do Léo. Este golo teve a particularidade de ter sido obtido quando um adversário estava caído na zona lateral da área do Penafiel, de onde o Léo fez o centro. Não gostei, porque achei que o Benfica poderia ter posto a bola para fora. Mas por outro lado, parte da culpa está também no Penafiel. O jogador deles ficou caído num lance de ataque do Benfica em que ele desarma o Léo. O Penafiel, que podia ter posto a bola fora, prosseguiu o lance, tendo a bola sido recuperada pelo Benfica quase à entrada da nossa área, onde se iniciou o lance de ataque que culminou no golo. Ou seja, também não me parece correcto que para o Penafiel apenas se deva ter em atenção o jogador caído quando a bola não está na posse deles. De qualquer forma preferia que o Benfica tivesse posto a bola fora. Até final ainda houve tempo para, já em período de descontos, o Simão marcar o 4-0, e receber a ovação que significou uma espécie de reconciliação com os adeptos. Ele já tinha estado perto de marcar minutos antes, quando atirou a bola ao poste. Desta vez, e após um bom passe do Manuel Fernandes, marcou mesmo.

Hoje gostei do jogo que fizeram o Léo, Luisão e Petit. O Manuel Fernandes também fez uma boa segunda parte, particularmente na última meia-hora do jogo. Mal estiveram o já mencionado Manduca e o Robert (que literalmente se ausentou do jogo na segunda parte). O Anderson também esteve estranhamente inseguro e complicativo. Perdeu alguns lances de cabeça para o Roberto, e houve ocasiões em que complicou demasiado, o que é estranho dado que ele prima sempre por simplificar (às vezes até demais) os lances. Continuo também muito desconfiado do Marcel - não gosto muito da movimentação dele em campo, que faz com que ele pareça estar muitas vezes fora dos lances de ataque da equipa, o que não tem muita lógica dado ser ele o jogador mais adiantado. Fiquei também contente com o facto de estarem 37.000 espectadores na Luz, para um jogo às nove e meia da noite de um Domingo, contra o último classificado, e após uma série de resultados decepcionantes. Nada mau.

Para a semana vamos ter um período muito complicado, com a viagem a Guimarães e recepções ao Liverpool e ao FC Porto. Vamos jogar muito do nosso futuro em duas das competições em que estamos envolvidos, e é fundamental ganharmos estes jogos. Espero que a vitória de hoje motive os jogadores, para que voltem ao seu melhor nesta altura crucial da época.

18 Comments:

At 2/13/2006 5:36 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Boa analise ao jogo...acho que o fundamental foi mesmo termos apanhado o Penafiel "simpatico", graças a Deus que o presidente do Penafiel é o Antonio Oliveira senão ainda podia haver uns totós a virem para aqui conspurcar este espaço a dizer que estamos "feitos" com eles.
Sobre o golo do Leo, não fiz grande festa pela sitaução em que o lance ocorreu, contudo, tambem acho que deve ser referido um lance ridiculo ainda na primeira parte em que um jogador do Penafiel cai junto á linha lateral(oposta ao sitio onde costumam ficar os carros maca) fala com o arbitro, o arbitro afasta-se e ele deixa-se ali ficar até o arbitro mandar entrar a maca para depois, cumulo do anti-jogo, sair do campo pelo proprio pé.
Embora o Penafiel nem tenha sido um efusivo praticante de anti-jogo, acho que estes lances se devem pagar caro, e o golo do Nuno Gomes acaba por ser um bom castigo para quem usa dessas tacticas.
De resto, se as boas exibições(com vitrórias) forem só nos grandes jogos e as más exibições acabarem todas em 4-0 pra nós......eu até que nem fico chateado

 
At 2/13/2006 9:35 da manhã, Blogger Harry Lime said...

muito boa análise. E concordo que o problema do Karagounis no Benfica é que ele tem de jogar como trinco, dado que o 4-4-2 do Koeman exige dois médios nas alas (quase como extremos). o Karagounis é mais homem para jogar como nº10 num losango "à Mourinho".´No entanto parce-me óbvio que os médios defensivos do Benfica são demasiado limitados (não digo que são maus, atenção!) para jogar tamb´«em pelas alas. Por outro lado, as "estrelas" Simão e Robert não estão dispostas a jogar num losango que lhes exigiria muito trabalho defensivo...

O sporting lá venceu. Parece.me que a discussão do titulo se está areduzir cada vez mais aos "suspeitos do costume".

 
At 2/13/2006 9:54 da manhã, Anonymous Anónimo said...

D'arcy

Boa análise ao jogo. No entanto permite-me que faça a minha leitura do lance do terceiro golo:
Caindo no erro de "meter todos no mesmo saco", na opinião comum e perigosa de "eu quero é ganhar a todo o custo" ou de "azar", parece-me que esse lance foi o reflexo do que se passa todas as semanas contra o Benfica: simulações de lesões, percas de tempo. Como disse o Bogalho, aquele lance na 1ª parte é ridiculo!!!!!Não tem cabimento. Quem de direito tem que criar regras para estes casos.É inadmissivel. E no lance do 3º golo, nem os próprios colegas pararam. O Benfica é sempre "simpático" nestes anti-jogos manhos, os, desta vez foi esperto! Um pouco à imagem do Mourinho, penso que à 3 semanas, quando o Chelsea ia marcando um golo, por não por a bola fora quando um jogador adversário estava no chão. JM simplesmente disse qualquer coisa do género: temos fair-play, mas percebi que era fita e eu memso disse para não por a bola fora! Por vezes dá vontade. Nunca mais me esqueço do Paulinho Santos a sair de maca na Luz, de braço no ar e sinal de Ok para a sua claque, isto depois de rebolanços e gritos de dor na relva. Enfim, talvez a solução seja a proposta por um colega de bancada: nestes casos, 5 minutos para entrar. De certeza que o Anti-jogo acabava. Pelo menos na LUZ

Tiago Xunga

 
At 2/13/2006 10:02 da manhã, Blogger Mr. Shankly said...

Harry Lime, estou plenamente de acordo com o que escreves. Gostava de ver o benfica num losango à Mourinho (e à Peseiro, também), mas com dois extremos não dá. Uma solução seria colocar Petit, Manuel Fernandes, Karagounis e Simão, sendo um dos avançados o Geovanni. Mas à excepção do jogo das Antas e do jogo em Setúbal, o Koeman nunca arriscou nada deste género. É pena, porque eu gosto de ver 2 avançados.

 
At 2/13/2006 11:35 da manhã, Blogger tma said...

Totalmente de acordo com a tua análise. O Benfica ganhou pq o Penafiel é fraquíssimo.
Gostei da oportunidade do Geovanni para jogar a ponta-de-lanca, à qual correspondeu com a excelente movimentação que lhe permitiu inaugurar o marcador.
Apesar de gostar mto mais de ver o Nélson a lateral direito (nem há comparação possível), ele ultimamente tem revelado algum cansaço, pelo que entendo que num jogo contra uma equipa tão fraca o Koeman tenha preferido dar-lhe descanso, optando pelo Alcides.
O Karagounis acabou por ser a maior desilusão deste jogo, não pq ele tenha jogado propriamente mal (mas esteve longe de estar bem), mas depois do jogo com o Nacional, esperava mais dele, mesmo apesar de jogar a "falso" trinco.

Também estou acordo com a apreciação do golo do Léo. No entanto, a atitude do jogador do Penafiel da 1ª parte (descrita pelo Bogalho) e o facto de o próprio Penafiel não ter feito por colocar a bola fora, levam-me a pensar que o Penafiel não tem razões para se queixar da atitude do Benfica, sobretudo pela 1ª situação (anti-jogo descarado).
Ainda assim, também estou de acordo que teria ficado bem ao Benfica ter parado a jogada, embora também tenha de compreender que nestas situações não se pode ser "ingénuo" quando o adversário adopta atitudes manhosas.

Melhor em campo: Léo.

 
At 2/13/2006 12:07 da tarde, Blogger Superman Torras said...

Não gostei nada do jogo de ontem e estas ultimas 3 jornadas fizeram-me descer à terra.

Embalado por aquela série de vitórias, com vários jogos sem sofrer golos pelo meio, e inebriado pelo potencial de algumas das contratações feitas em Dezembro/Janeiro às quais se juntou a permanência do Simão, dei por mim a creditar a este plantel um valor que, ou pecava por excesso, ou está nitidamente alguns patamares acima do que o Koeman consegue gerir.

Parece que começamos novamente a pré-época, a equipa inicial varia imenso de semana para semana e, estupidamente, parece que caímos num erro semelhante ao que o FCP tinha feito quando se viu com os milhões da Champions e das vendas de jogadores: investimentos a torto e direito e escassa capacidade de perceber que um plantel de futebol tem que ser construído (e mantido!) sob pinças.

Estou desconfiando de que nas próximas 2/3 semanas iremos perder tudo aquilo que neste momento ainda podemos ganhar e que faz com que, em abstrato, sejamos neste momento o clube que está a fazer a melhor época de todos os clubes portugueses. Espero estar enganado mas os indícios estão todos lá, é só observarmos com cuidado...

 
At 2/13/2006 1:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

É compreensivel esta "confusão".
Koeman está a tentar gerir o plantel de forma que ele considera equilibrada e que consiga dar minutos de jogo a todos os jogadores, daí esta rotatividade.Sem querer ser bruxo, penso que na cabeça dele o jogo que lhe interessa seja o do Liverpool.
Na minha análise (muito, mas muito subjectiva) ele está a tentar baralhar os calculos do Rafa(eiro).
Por outro lado, ele tem escolhas complicadas depois dos ultimos reforços. E só quem não conhece a escola holandesa poderá ficar surpreendido com as constantes mudanças no plantel. A mentalidade é outra, o que interessa é o sistema de jogo, e não quem o interpreta. Não existe aquele nosso ditado " em equipa que ganha não se mexe".
Mas, apesar de as ultimas exibições não serem brilhantes, estou convencido que iremos "dobrar" os bifes e os "morcons".
Et Pluribus Unum

 
At 2/13/2006 3:11 da tarde, Blogger antitripa said...

Também não gostei da forma como se comportaram no 3º golo, aquilo não é para nós...
Bom, acho que já era tempo do senhor koeman fazer as experiências com vista ao futuro. Que melhor jogo para dar tempo e moral ao marcel do que o de ontem? Para quando marco ferreira em vez da insistencia no robert? Que faça descansar sim,mas com nexo!saudações

 
At 2/13/2006 4:21 da tarde, Blogger Harry Lime said...

Pá, eu não acredito que o Koeman esteja com alguma "intenção escondida". Eu acredito sinceramente que o homem está à nora a inventar (aliás, como aconteceu nas tácticas de troca dos centrais que levaram ao descalabro contra o SCP).

Isto o gajo deveria ser um bocado como Paulo Bento. O PB pode ser básico, pode ser simplório e pode ser parecido com o Shrek (não é!). Mas a verdade é que o gajo não complica: põe a jogar os melhores jogadores para cada posição. Eu até concordo que a equipa do sporting não é grande coisa mas se o PB se mantiver nesta linha de "não inventar" até pode ser que a gente ganhe qualquer coisa esta época.

Os nossos adversários directos pelo contrário, inventam todas as semanas e isso pode muito bem lixá-los!

 
At 2/13/2006 10:58 da tarde, Blogger tma said...

Não sei se o Koeman está a esconder o jogo ou simplesmente à nora, mas o facto é que, contra o ManUtd, o Queirós deve ter ficado baralhado com o Geovanni a ponta de lança, o que foi determinante.

 
At 2/14/2006 9:31 da manhã, Blogger Harry Lime said...

O Geovanni a ponta de lança foi mais uma invenção do Koeman que, por acaso, resultou. Estatisticamente, é possivel que um inventor que invente ao acaso consiga que uma das suas invenções dê certo.

De qualquer forma, um treinador inventor deixa-me sempre com os cabelos em pé... mas voces, benfiquistas, são diferentes: ainda acreditam no Pai Natal.

 
At 2/14/2006 10:31 da manhã, Blogger tma said...

O Geovanni jogava a ponta-de-lança no Brasil, pelo que não foi propriamente uma invenção em cima da hora... Claro que se não fosse a onda de lesões, provavelmente o Koeman não ter-se-ia lembrado de o fazer.
De resto, no Pai Natal não acredito, mas que o Benfica será campeão, isso sim, acredito!

 
At 2/14/2006 11:00 da manhã, Blogger Harry Lime said...

O koeman é um inventor. O Benfica só será campeão por acaso. Ao contrário do campeonato do ano passado vencido devio à manha das Velha Raposa.

 
At 2/14/2006 11:39 da manhã, Blogger tma said...

Se for por acaso, seja!
Claro que prefiro mais certezas, mas prefiro pensar que o Benfica pode (por acaso) ser campeão do que pensar que (de certeza) não o pode ser.

 
At 2/14/2006 8:50 da tarde, Blogger Harry Lime said...

O maior anarca de todos é o Co adriaanse. Nas mãos de um treinador minimante decente o Porto seria campeão com as duas pernas às costas e nem sequer falo de um Mourinho, um Quinito ou um Manuel José faziam perfeitamante o trabalho.

No entanto, o Co Adriaanse veio trazer alguma excitação e algum suspense ao campeonato deste ano. Acho que a tendência para a fantasia é um traço comum na personalidade dos treinadores holandeses!

 
At 2/14/2006 11:28 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Sejamos justos, quando o Alcides apareceu a jogar naquele lugar, fez uns bons jogos surpreendendo tudo e todos (eu incluído). Daí que continuo a gostar dele por ser um jogador útil. Tem de melhorar certos aspectos. Prefiro no entanto o Nélson que de facto atravessa uma fase fraca.
Quanto ao Marcel, ainda acredito que nos vai dar alegrias. É preciso dar-lhe mais algum tempo.

 
At 2/14/2006 11:48 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Relativamente ao Koeman e como já venho dizendo, não me parece um treinador capaz de gerir um plantel onde existem várias soluções de valor muito semelhante. Parece-me o tipo de treinador que fomenta mais divisões no plantel do que união. Veja-se os exemplos do Quim/Moretto, Nuno Assis, Dos Santos. Koeman é do tipo que quando gosta põe a jogar quer jogue bem quer não, quando não gosta não joga e ponto final. Um treinador para ser bom, tem de saber motivar os jogadores e isso consegue-se com justiça. Enfim, apesar de tudo, lá vai conseguindo alguns resultados. Esperemos agora que a fase difícil que se avizinha seja bem ultrapassada e que a união entre os jogadores saia reforçada.
VIVA O BENFICA!!!

 
At 2/15/2006 12:27 da tarde, Blogger tma said...

Tal como referiu o bem litrado, espero que esta fase difícil seja factor de união entre os jogadores, tal como aconteceu no período em que vários jogadores, incluindo o Simão, estiveram lesionados.
Falando em lesões, e a propósito de Geovanni, já temos uma baixa importante para os jogos difíceis que se seguem...

 

Enviar um comentário

<< Home