sábado, julho 01, 2006

Recordação

Nem de propósito. Andava aqui a fazer uma limpeza ao disco do meu computador, e em dia de jogo contra os ingleses encontrei esta pequena memória daquele jogo incrível de há dois anos, na voz do saudoso Jorge Perestrello. Emocionei-me ao ouvir a enorme alegria que se sente na sua voz, e ao recordar-me daquele golo do Rui Costa, que merecia ter sido o ponto final naquele jogo, em vez de ainda termos sido obrigados à lotaria dos penalties.



Que daqui a umas horas possamos sentir-nos mais uma vez eufóricos, tal como há dois anos.

4 Comments:

At 7/01/2006 12:46 da tarde, Blogger Ahab said...

O golo do rui costa encheu-me de esperança e alegria, algo que não deve acontecer enquanto ele for jogador do Benfica.

No entanto, a lotaria dos penalties nesse jogo foi acima de tudo uma aprendizagem brutal que eu dispensava. Acho que foi a primeira vez que uma selecção portuguesa se viu em tais assados. E é terrivel.

Ontem, enquanto via os penslatis do alemanh-Argentina, pensei no que estaria na cabeça de cada adepto alemão e argentino e tive respeito por eles.

O pior nos penalties é o momento em que o nosso jogador se prepara para marcar o nosso penalti. Aquele momento em que as TVs dão um plano da cara do jogador e nós tentamos adivinhar se ele está confiante ou inseguro. A maior parte das vezes as nossas deduções em relação a esses estados de espirito não passam de "wishfull thinking".

Ontem, eu conseguia jurar que o Neuville, pela sua cara, ia falhar o seu penalti. E o penalti dele foi irrepreensivel. No entanto, toda a atitude e postura do Ballack mostravam claramente que ele não ia falhar... mas, e se tivesse falhado?

Palo contrário, nada na expressão do Ayala ou do Cambiasso garantia que eles fossem falhar.

Os desempate por penalties são engraçados porque sintetizam todas as sensações que um ser humano pode sentir em poucos segundos. Euforia, frustração, perprlexidade, fúria podem-se suceder em poucos segundos.

E é exactamtne opor isso é que são um modo dedesempatae particularmente cruel. Não consigo imaginar o que vai na cabeça dos jogadores que são seleccionados para os marcarem.

Neste particular estou com o `D Arcy (com quem, aliás, vi o jogo de Inglaterra há 2 anos) esperemos que contra aInglaterra não seja preciso chegar a esse extremo para os vencer. Mas se tiver de ser...

 
At 7/01/2006 3:27 da tarde, Blogger Pedro said...

Emocionante.O golo, o jogo, o relato. O Perestrelo era o maior. Gritava golo da mesma forma caso fosse o seu Benfica ou o scp ou fcp. Era igual.

Revolta-me qd vejo o anuncio da Betandwin com a sua voz.
Merecia mais respeito.

 
At 7/02/2006 3:55 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Quando o homem estava vivo mudavam de sintonia escandalizados com as suas "ripas-nas-rapakekas". Agora que morreu é o maior. Já o Ricardo estava morto e era uma churrascaria com duas pernas. Hoje é o maior e então retira-se os famigerados epitáfios. Hipocrisia será suficiente para definir esta tão habitual postura "desportiva"?

 
At 7/03/2006 3:06 da tarde, Blogger Pedro said...

Bates na porta errada..eu fidelizei-me na TSF por causa do Perestrelo...

 

Enviar um comentário

<< Home