sábado, janeiro 14, 2017

Disparates

Pagámos com dois pontos os disparates cometidos sobretudo na fase inicial de um jogo que mesmo assim poderíamos (e deveríamos) ter ganho. Vendo as coisas pelo lado positivo, ainda conseguimos salvar um ponto num jogo em que cedo nos apanhámos com uma enorme desvantagem.


É sempre fácil falar depois das coisas acontecerem, mas comecei logo a ficar com uma ligeira irritação ao ouvir a constituição inicial da nossa equipa. Iniciar um jogo em casa, contra uma equipa que previsivelmente se iria fechar atrás, sem um ponta de lança de raiz pareceu-me logo uma má ideia. Mas a opção foi fazer alinhar a dupla Jonas/Gonçalo Guedes, provavelmente como recompensa pela boa exibição do Guedes em Guimarães. A outra opção algo surpreendente foi a presença do Rafa no lugar do Cervi, na esquerda do ataque. Não é que os jogadores em questão tenham falta de qualidade ou que fosse impossível vencer com eles no onze, simplesmente pareceu-me uma estratégia errada. Depois, sabem aqueles jogos em que ao fim de cinco ou dez minutos ficamos logo com receio de que as coisas corram mal? Este para mim foi um desses jogos. Por causa da velocidade e forma de jogar da nossa equipa. Não quero chamar-lhe sobranceria, mas achei que estávamos a jogar de forma demasiado lenta, e muito pouco como equipa, com vários jogadores a agarrarem-se demasiado à bola e a insistirem em iniciativa individuais. Ainda construímos uma grande ocasião de golo nos primeiros minutos, na qual o Guedes, isolado, atirou ao lado. Mas aos catorze minutos, num livre directo muito bem marcado pelo Iuri Medeiros, o Boavista colocou-se em vantagem, naquele que terá sido o primeiro remate que fez. O Benfica não pareceu abanar e pelo contrário, reagiu bem e começou a jogar com maior velocidade, começando a criar ocasiões, às quais o guarda-redes do Boavista se foi opondo bem. Mas aos vinte minutos o Boavista, de forma muito fria, voltou a ir à frente e a marcar. Livre apontado do lado direito da nossa área, e no poste oposto surgiu um adversário a ganhar nas alturas para o cabeceamento vitorioso. E cinco minutos depois, novo ataque do Boavista e novo golo. Mais um cruzamento do lado direito, onde os nossos jogadores ficaram a marcar os adversários com os olhos e lhes deram o espaço e tempo mais do que necessário para construir a jogada, e do lado oposto surgiu uma jogador do Boavista completamente à vontade para receber e assistir um companheiro no meio, que marcou à vontade. Vinte e cinco minutos decorridos, e desvantagem de três golos. O Boavista praticamente em três subidas à nossa área foi mortífero e colocava-se numa posição extremamente vantajosa no jogo e no marcador. Era difícil conseguirmos pior, e não sei se alguma vez tinha assistido a um início de jogo tão desastroso da nossa equipa em casa.


Desde o momento que o Benfica ficou em desvantagem que tinha alterado a sua forma de jogar, impondo maior velocidade no jogo e as ocasiões de golo começaram naturalmente a surgir, mas a concretização não foi a melhor, para além de ter apanhado pela frente um guarda-redes inspirado. Notava-se também alguma falta de presença na área, e como não havia propriamente muito mais para esperar, ainda antes de chegar o intervalo o nosso treinador fez a alteração que se impunha, enviando o Mitroglou para dentro do campo. Foi aos trinta e oito minutos, e o sacrificado foi o Rafa, passando o Gonçalo Guedes para a esquerda. O resultado foi quase imediato, pois a quatro minutos do intervalo o Mitroglou fazia o nosso primeiro golo. Depois de um remate do Pizzi, em posição frontal, que o guarda-redes conseguiu defender com pé, a bola subiu e foi recuperada pelo Salvio ainda dentro da área, assistindo depois o Mitroglou para um golo fácil, já que apenas teve que empurrar a bola para a baliza. Este golo reforçava a crença de toda a Luz - e nunca me pareceu que se tivesse sequer deixado de acreditar - de que ainda era perfeitamente possível conquistar os três pontos neste jogo. E podíamos até ter saído para intervalo com apenas um golo de desvantagem e o jogo completamente relançado. Uma bola alta, aparentemente perdida, foi na direcção da área do Boavista. Houve uma hesitação entre um defesa do Boavista e o seu guarda-redes, o André Almeida acreditou, e de repente viu-se completamente sozinho na área, com a bola controlada. Só que em vez de fazer o que o Salvio tinha feito no primeiro golo - um simples passe para o meio, onde o Mitroglou estava completamente sozinho - tomou a péssima decisão de tentar ele concretizar de ângulo mais apertado, quando tinha o guarda-redes quase em cima. Não sei se o facto dele nunca ter marcado um golo oficial pelo Benfica o terá influenciado, mas o caso é que foi a pior decisão possível, já que a concretização era difícil e o guarda-redes, como era mais provável, defendeu o remate. Pelos vistos o André estava distraído no lance do terceiro golo do Boavista, ou no do nosso primeiro golo. Se tivesse feito o que o Iuri e o Salvio fizeram nos referidos lances, muito provavelmente teria sido golo.


A entrada do Benfica para a segunda parte foi de risco total. O Luisão não regressou, e no seu lugar veio o Cervi, com a função teórica de falso lateral-esquerdo. Na prática o Benfica alinhava com três defesas apenas, o Lindelöf a cair para a direita, o André Almeida a fazer o mesmo do lado oposto, e o Samaris recuar para o meio, permitindo que o Cervi e o Semedo se aventurassem mais no ataque. Era naturalmente importantíssimo, para que conseguíssemos reentrar no jogo, reduzir a desvantagem logo nos minutos iniciais, e o Benfica conseguiu-o mesmo. Um slalom individual do Cervi pela esquerda só terminou numa grande penalidade, que o Jonas se encarregou de concretizar facilmente. Tinham decorrido apenas oito minutos na segunda parte, e portanto havia tempo de sobra para ir em busca do empate e a seguir da vitória. Mas sinceramente, não achei que o Benfica tivesse jogado particularmente bem na segunda parte. Aliás, paradoxalmente, apesar de termos chegado ao intervalo a perder por dois golos, achei que mostrámos mais qualidade no nosso jogo ofensivo durante esse período do que na segunda parte. Houve muito coração da parte dos nossos jogadores, mas as coisas nunca foram feitas com muita cabeça, por isso, apesar de uma maior pressão, isso não se reflectia no número de ocasiões criadas. O Boavista, aliás, depois do segundo golo do Benfica tomou a opção inteligente de não se enfiar todo dentro da área, e tentou de alguma forma que os seus jogadores mais adiantados pressionassem logo a primeira fase da nossa construção de jogo. Obviamente que, tendo em conta a forma como o Benfica se dispunha em campo e se lançava para o ataque, qualquer bola recuperada pelo adversário numa zona mais adiantada poderia resultar em mais um golo que dificultaria ainda mais a nossa tarefa. Já com o Zivkovic no lugar do Gonçalo Guedes, a sorte acabou finalmente por nos favorecer, e um cruzamento do sérvio, a partir da esquerda, resultou num autogolo depois de um jogador do Boavista ter cabeceado, de costas, para a sua própria baliza. O empate surgia assim aos sessenta e oito minutos de jogo, o que significava que, contando com as eventuais compensações, o Benfica dispunha ainda de uns bons vinte e cinco minutos para ir à procura da vitória. Infelizmente todo esse tempo não foi suficiente para que a nossa equipa se dedicasse a essa tarefa com relativa calma. Na minha opinião, aliás, o período que se seguiu ao golo do empate foi mesmo o pior, em termos de qualidade de jogo, da nossa equipa. Durante todo esse tempo não me consigo recordar de uma única grande oportunidade de golo que tenhamos criado, enquanto que o Ederson foi obrigado a empenhar-se para evitar que o Boavista marcasse num par de ocasiões quando o Benfica já jogava praticamente sem táctica, com os jogadores a correrem pelo campo todo sem grandes preocupações posicionais. Por outro lado, os jogadores do Boavista foram fazendo o seu trabalho e se já desde o início do jogo que usavam e abusavam de uma 'excessiva calma', a seguir ao empate dedicaram-se de forma afincada ao antijogo, e assim conseguiram segurar um empate que foi celebrado como se uma vitória no campeonato se tratasse.


Não tenho grandes destaques individuais a fazer neste jogo, já que achei que a equipa esteve quase toda abaixo do exigível. O Pizzi em particular teve um jogo desastroso. Raramente acertou um passe, tomou frequentemente as piores decisões, esteve desastrado no remate, e foi em geral lento a executar toda e qualquer jogada. E quando o Pizzi joga mal, a nossa equipa ressente-se. O Salvio também esteve particularmente irritante, tendo como única nota positiva a assistência para o golo do Mitroglou. De resto, os habituais disparates individualistas, onde agarra na bola, baixa a cabeça e não vê mais nada à frente. A nossa defesa em geral esteve muito abaixo do normal - ou não fossem três golos sofridos do Boavista prova evidente disso. Nem o Ederson esteve ao seu nível, com várias erros nas reposições, e pareceu-me também que no lance do segundo golo talvez pudesse ter feito melhor, já que estava à espera que tivesse saído ao cruzamento em vez de ficar sobre a linha de golo. O Samaris não é o Fejsa, isso já sabemos, e talvez também por aí tenha passado uma boa parte da insegurança na defesa. Por último, o nosso treinador: começar um jogo destes, em casa contra uma equipa que vem jogar à defesa, sem uma presença na área parece-me à partida uma decisão pelo menos discutível.

Foram dois pontos muito mal perdidos, e um ponto muito bem recuperado quando tudo indicava que seria quase impossível ir buscar alguma coisa deste jogo. Mas o que me causou maior frustração acabou mesmo por ser o mau futebol que apresentámos depois de ter conseguido o mais difícil, que foi recuperar dos três golos de desvantagem. Vinte e cinco minutos deveriam ter sido suficientes para conseguirmos chegar à vitória, ou pelo menos jogar com calma suficiente de forma a criarmos condições para isso. Pelo contrário, jogámos o nosso pior futebol durante esse período. Perdemos discernimento, jogámos de uma forma desorganizada e desgarrada, e com vários os nossos jogadores a parecerem ter dado um estoiro físico. Deitámos dois pontos fora, é passado, agora temos que focar-nos em vencer o Leixões e assegurar a passagem às meias-finais da Taça de Portugal. E para isso convém entrar no jogo de forma bem mais decidida do que o que fizemos hoje.

quarta-feira, janeiro 11, 2017

Confirmação

E o Benfica neste momento é isto. Três dias depois de uma vitória numa das deslocações mais difíceis da nossa Liga, voltamos ao mesmo estádio, trocamos oito jogadores no onze titular, e vencemos novamente pela mesma margem, e de forma ainda mais convincente. Uma espécie de confirmação da nossa superioridade, especialmente dedicada aos mais cegos que insistem em não querer ver.


Os três 'sobreviventes' do jogo do passado sábado foram o Nélson Semedo, o André Almeida e o Pizzi. De resto, tudo novo, a começar na baliza, onde esteve o Júlio César. À sua frente uma dupla de centrais em quem confio tanto ou mais do que aquela que tem sido titular, Lisandro e Jardel. Samaris como médio defensivo, Carrillo e Zivkovic nas alas, e uma dupla de avançados rápida e móvel no Gonçalo Guedes e o Rafa. Depois o jogo foi completamente dominado por nós na primeira parte. Bastava-nos um empate para prosseguir na prova, mas isto é o Benfica e por isso jogámos para ganhar. Devido à enorme mobilidade e velocidade dos nossos jogadores o Vitória não conseguiu fazer a pressão alta que fez no primeiro jogo, e o Benfica aproveitou o espaço que teve para lançar vários ataques rápidos e causar perigo frequentemente. Resolvemos o jogo na primeira parte com dois golos de rajada no espaço de seis minutos (aos trinta e quatro e aos quarenta) muito parecidos, ambos da autoria do Gonçalo Guedes. No primeiro o Nélson Semedo ganhou a linha de fundo pela direita a passe do Pizzi e fez o passe atrasado para o remate, e no segundo foi o Carrillo, solicitado pelo próprio Gonçalo, a fazer o passe. Mas se calhar o resultado mais ajustado ao intervalo seriam cinco ou seis golos de diferença, tantas foram as ocasiões claras de golo criadas, que incluíram um penálti falhado pelo Pizzi logo aos dez minutos. Quem foi mantendo o Vitória no jogo foi o seu guarda-redes Miguel Silva - para mim continua a ser surpreendente que depois da época anterior fantástica que fez tenha perdido a titularidade esta época. Na segunda parte o Vitória foi fiel à sua personalidade e nunca baixou os braços, mas o Benfica limitou-se a gerir tranquilamente o resultado. Não houve uma única ocasião de perigo criada pelo Vitória, e tínhamos a sensação que a qualquer momento o Benfica poderia acelerar um pouco mais e voltar a marcar.

O destaque maior no jogo é o Gonçalo Guedes, acima de tudo pelos dois golos que marcou, mas também por toda a sua produção no jogo. O próprio segundo golo que marca nasce de uma iniciativa individual sua, em que transporta a bola quase metade do campo. O Zivkovic voltou a aproveitar a oportunidade que lhe foi dada, como o tem feito sempre que é chamado, e o Carrillo até conseguiu fazer um jogo menos mau. O Nélson Semedo fez mais um grande jogo, indiferente aos insultos que passou grande parte do jogo a ter que ouvir vindos da bancada, tal como o Pizzi. O Rafa tem imensas qualidades e foi outro dos jogadores em destaque, mas é provavelmente um dos piores finalizadores que vi no Benfica nos últimos tempos (não é um defeito de agora, já no Braga falhava imensos golos).

Estamos na Final Four e na disputa por mais uma Taça da Liga. Aquela competição para equipas pequenas, que não interessa para nada, mas que quando algumas equipas são eliminadas dela montam um circo do melhor e mais espalhafatoso que se pode ver, com palhaços do mais alto calibre. Foi mais uma demonstração da enorme qualidade que existe no nosso plantel, e da grande equipa que o nosso treinador construiu e continua a aperfeiçoar. Uma máquina bem oleada, à qual se podem trocar peças sem que o rendimento sofra. E por falar em sofrer, este foi o sétimo jogo consecutivo sem sofrer golos, o que diz muito da forma como a nossa equipa sabe defender. Segue-se agora um ciclo teoricamente favorável, com seis dos próximos sete jogos a ser disputados em casa (não estou a contar com os jogos da Final Four). Muitas oportunidades para encher a Luz consecutivamente. Esta equipa merece.

domingo, janeiro 08, 2017

Cirúrgica

Foi uma exibição quase cirúrgica da nossa equipa e uma vitória importantíssima nesta caminhada, num dos campos mais difíceis da nossa Liga, contra um dos adversários mais complicados de defrontar. 


No onze inicial a principal nota de destaque foi a inclusão do Jonas e do Salvio no onze inicial. Não muita surpresa pela escolha do Jonas, porque já está recuperado há algum tempo e tem vindo a somar minutos e a ganhar ritmo, mas o Salvio já foi mais surpreendente, tendo em conta que já não jogava há algumas semanas (desde o jogo contra o Sporting). Mas ambas as escolhas acabaram por se revelar acertadas. Logo desde o apito inicial que foi fácil ver porque motivo o Vitória está a fazer um bom campeonato e é uma equipa difícil de defrontar. Tentam pressionar alto e em todo o campo, jogam com muita agressividade (no bom sentido) e os seus jogadores lutam por cada bola como se fosse a última. E por isso mesmo os minutos iniciais deixaram a ideia de que teríamos pela frente uma tarefa muito complicada. Só que a nossa equipa, em jogos nos quais é mais pressionada, costuma ter a capacidade para jogar de uma forma muito organizada, mantendo sempre a calma e sabendo esperar pelas ocasiões para ferir o adversário. E por isso mesmo, apesar da tentativa constante de pressão por parte do Vitória, nunca, em qualquer momento do jogo, fiquei com a sensação de que o mesmo estava sequer perto de fugir ao nosso controlo. Mesmo quando tivemos a infelicidade de perder o Fejsa, por lesão, ainda na fase inicial do jogo. É que quase de seguida, na primeira verdadeira ocasião de golo que construiu, o Benfica foi letal e colocou-se em vantagem. O lance começa numa bola ganha pelo Mitroglou no meio campo adversário, que esperou pela corrida do Salvio para lhe endossar a bola. O argentino correu pela direita, entrou na área, ultrapassou o adversário directo e fez o passe atrasado para o Jonas marcar, com a bola a tocar ainda na trave. O golo aconteceu aos dezanove minutos, e a reacção do Vitória resumiu-se praticamente a um remate à malha lateral da nossa baliza, quase imediatamente a seguir ao golo, na sequência de um par de maus alívios da nossa defesa. O Benfica continuou completamente tranquilo no jogo, e à beira do intervalo ampliou a vantagem, num contra-ataque conduzido pelo Jonas, que na altura certa passou a bola para o Mitroglou. À entrada da área o grego fez uma recepção perfeita e depois colocou a bola na baliza com um remate rasteiro e colocado, que nem saiu com muita força. E aparentemente quase sem grande esforço, o Benfica saía para intervalo com uma vantagem importante.


Esperava uma entrada forte do Vitória na segunda parte, na procura do golo que relançasse o jogo. E a segunda parte teve de facto sinal mais do Vitória em termos de posse de bola e domínio territorial. Pressionaram ainda mais alto e conseguiram de forma eficaz atrapalhar a nossa saída de bola. Mas o sinal mais do Vitória foi mesmo basicamente isso, porque depois não o conseguiram traduzir em muitas ocasiões de golo, pelo que o Benfica nunca passou por qualquer tipo de sufoco. Na retina ficaram-me apenas dois lances de maior perigo por parte do nosso adversário: um remate de primeira desferido já no interior da área, que passou muito por alto, e um cruzamento/remate que obrigou o Ederson a uma boa intervenção (a bola seguramente entraria na baliza). O Benfica, mesmo saindo poucas vezes para o ataque, quando o fazia era com muita segurança, e conseguiu assim criar até mais e melhores ocasiões para marcar do que o Vitória. Por três vezes conseguimos colocar um jogador em frente ao guarda-redes e em condições de marcar. Mas o Douglas opôs-se com eficácia às tentativas do Mitroglou, Pizzi e Salvio. Nas situações do Mitroglou e do Salvio, em particular, se os nossos jogadores tivessem sido um pouco menos egoístas talvez tivéssemos marcado mesmo - o Mitroglou tinha o Jonas sozinho no meio, e o Salvio tinha o Mitroglou solto na mesma posição. A pressão que o Vitória tentou exercer teve os seus custos, e à medida que o jogo se foi aproximando do final o nosso adversário foi progressivamente recuando a linha de pressão, até que nos minutos finais o Benfica já era capaz de controlar sem grandes problemas a posse da bola, rodando-a pelos pés dos nossos jogadores enquanto o tempo se escoava. No final, ficou mesmo a sensação (talvez um pouco enganadora) de que a vitória tinha sido relativamente fácil de conquistar.


Destaque maior para o Jonas no seu regresso à titularidade na Liga. O melhor jogador da Liga Portuguesa está de regresso. Um golo, uma assistência, e o reeditar da dupla letal com o Mitroglou. Tal como disse no jogo contra o Vizela, o rendimento do grego muda completamente com a presença do Jonas. Mas também, tendo em conta a classe do Jonas, acho que qualquer jogador beneficia por jogar ao lado dele. Foi também um jogo enorme do Luisão. O nosso capitão esteve simplesmente insuperável a liderar a nossa defesa. E o Samaris entrou bem no jogo, não nos deixando a lamentar a saída do Fejsa.

Confesso que encarava este jogo com alguma apreensão. Parecia-me ser daqueles jogos em que, a bem da Nação, o Benfica deveria perder pontos. É que a Nação tem andado bastante abespinhada nos últimos dias, e uns pontitos perdidos pelo Benfica seriam remédio santo para acalmar as hostes. Mas este Benfica é demasiado competente para se deixar afectar por todo o ruído que tentam criar, e vai seguindo o seu caminho rumo aos objectivos traçados. E cumprida a primeira parte da 'missão' Vitória, há que preparar a segunda com cuidado, porque normalmente dois jogos seguidos contra um mesmo adversário significam complicações adicionais no segundo jogo. E este Vitória não é um adversário qualquer.

quarta-feira, janeiro 04, 2017

Treino

O Benfica confirmou as expectativas e teve um jogo muito fácil frente a uma frágil equipa do Vizela, que se mostrou sempre completamente incapaz de montar qualquer tipo de oposição séria à nossa equipa. A superioridade do Benfica foi tal que quase se podia classificar este jogo como um treino um pouquinho mais puxado.


Muitas alterações, esperadas, na equipa titular, sendo de realçar a segunda oportunidade dada ao Yuri Ribeiro como titular, assim como a presença no onze do Zivkovic e ainda o regresso do Jonas à equipa inicial. O Carrillo também teve mais uma hipótese, a juntar às inúmeras que já teve, para tentar mostrar que vale mais do que aquilo que mostrou até agora. Dos mais habituais titulares nos últimos tempos, apenas o Ederson, o Pizzi, o André Almeida e o Mitroglou jogaram de início. O jogo foi de sentido único, disputado apenas em metade do campo, com o Benfica a cair em cima do adversário desde o apito inicial, jogando um futebol solto e agradável de ver, mesmo sem forçar muito. Rematámos muito, mas com alguma falta de pontaria, e por isso o nulo ainda se manteve durante mais alguns minutos do que a nossa superioridade justificaria. O golo chegou aos vinte e sete minutos, num cabeceamento fulgurante do Mitroglou após cruzamento do Zivkovic. A segunda parte foi de maior acerto na finalização, até porque começou praticamente com o segundo golo. Canto apontado pelo Zivkovic e cabeceamento do Lisandro quase em cima da linha de golo. Mas aquilo que toda a gente que estava no estádio esperava mesmo era o regresso do Jonas aos golos. A pontaria dele esteve desafinada na primeira parte, mas corrigiu isso na segunda e o regresso deu-se da melhor forma possível, com um livre exemplarmente marcado a levar a bola ao ângulo superior da baliza do Vizela. Foi aos cinquenta e sete minutos de jogo, e três minutos depois voltou a marcar, num cabeceamento colocadíssimo depois de mais um cruzamento do Zivkovic. O resto do jogo foi mais do mesmo, de domínio completo do Benfica, poupanças do Pizzi, Jonas e Mitroglou (estreia parao Jovic esta época) e o quinto golo sempre em vias de acontecer. O Vizela, durante todo o jogo, fez um único remate, de fora da área e que foi quase mais um passe para as mãos do Ederson do que outra coisa qualquer.


Os maiores destaques deste jogo foram o Jonas e o Zivkovic. A importância e influência do Jonas, quando em forma, na nossa forma de jogar é por demais conhecida e evidente. Toda a equipa se movimenta e articula de forma diferente no ataque, e mesmo tendo em conta que o adversário era uma equipa da segunda liga, creio que isto foi bem visível hoje. Outra faceta bastante visível da presença do Jonas no onze é a prestação do Mitroglou, que beneficia e muito dos espaços criados pelas movimentações do colega de ataque. Quanto ao Zivkovic, já o escrevi por diversas vezes, deposito enormes esperanças no valor dele. Tem uma técnica apuradíssima, e tal como o Cervi, uma atitude exemplar em campo, jogando sempre com a preocupação de servir a equipa. Hoje fez um hat trick de assistências, que espero sinceramente sirva para que passem a ser-lhe concedidos mais minutos de jogo e oportunidades para jogar, mesmo que seja a partir do banco. Uma palavra final para o Yuri, que voltou a cumprir a sua função sem quaisquer problemas e até se mostrou mais solto e confiante do que no jogo contra o Real.


Depois do resultado entre o Paços e o Guimarães bastaria uma vitória neste jogo para ficarmos a necessitar apenas de um empate no próximo jogo para passar à Final Four. Fizemos mais do que isso, e fomos presenteados com um jogo muito agradável da nossa equipa, mesmo com vários jogadores menos utilizados no onze, e com o bónus do regresso do Jonas aos golos. Era difícil pedir mais. Mas agora o importante mesmo é derrotar o Guimarães no jogo para o campeonato. Depois podemos então pensar no embate contra o mesmo adversário para a Taça da Liga.

P.S.- Não costumo fazê-lo, mas hoje vou mencionar a arbitragem, até porque este árbitro não costuma ser particularmente feliz nos nossos jogos. O golo anulado ao Mitroglou por suposto fora de jogo ainda passa, porque o lance foi muito rápido e seria sempre de dúvida. No estádio não me pareceu, e revendo o lance em casa parece-me que ele está claramente em linha, embora a simpática SportTV tenha optado por mostrar uma única repetição do lance, obviamente sem traçar a linha do fora de jogo, não fosse esta mostrar que o Benfica tinha sido prejudicado (a linha já apareceu quando na segunda parte um lance de ataque do Vizela foi interrompido por fora de jogo). Já o penálti sobre o Zivkovic é um pouco mais difícil de aceitar, porque ele sofre duas faltas na mesma jogada, ambas cometidas dentro da área, e acabámos com um livre assinalado fora da mesma.

sexta-feira, dezembro 30, 2016

Monotonia

Num jogo marcado pela monotonia, o Benfica apresentou pouco mais do que os serviços mínimos e isso foi mais do que suficiente para vencer o Paços de Ferreira e somar os três pontos na estreia nesta edição da Taça da Liga.


Quase que me vejo obrigado a pedir desculpa por ter tão pouco para escrever sobre este jogo, mas para além do baixo ritmo a que foi jogado, fui mais uma vez ludibriado pelo Benfica, como me acontece diversas vezes desde que sou detentor de Red Pass Total. Antes do jogo informam-me que a bancada onde fica o meu lugar estará fechada, eu vejo-me obrigado a trocar para outro lugar, e depois acabam sempre por abrir mesmo a bancada (o piso 3 da bancada BTV hoje estava praticamente cheio, por isso a decisão de informar as pessoas que a bancada estaria fechada pareceu-me um rotundo falhanço nas previsões do número de espectadores). O resultado disto é que acabei a ver o jogo quase atrás de uma baliza e praticamente ao nível do relvado. Para mim, que sempre fui 'sócio do Terceiro Anel', isto causa uma confusão enorme e desta perspectiva à qual não estou habituado parece-me sempre mais que estou a assistir a uma peladinha do que a um jogo de futebol (embora tenha a leve suspeita de que hoje não terá sido apenas o meu ponto de vista sobre o relvado o responsável por ficar com essa sensação).


O que é que posso dizer sobre o jogo? Houve pouco espaço para poupanças, já que da equipa habitual apenas ficaram de fora o Pizzi (suspenso) e o Lindelöf, jogando o Celis e o Jardel nos seus lugares. O Benfica ainda entrou relativamente bem no jogo, o Celis teve um remate perigoso e a seguir o Rafa falhou o golo de uma forma algo escandalosa, depois de ficar isolado por um belo passe do Jiménez, mas a seguir o jogo foi reduzindo a intensidade até se tornar francamente aborrecido. O golo que o resolveu surgiu a cinco minutos do intervalo, numa recarga do Cervi a um primeiro remate do Gonçalo guedes, salvo sobre a linha de golo por um defesa do Paços. Na segunda parte ficaram-me na retina apenas um bom trabalho do Jiménez que terminou com um remate ligeiramente ao lado, um bom remate do Gonçalo Guedes que obrigou o guarda-redes a uma defesa apertada, e um cruzamento no qual o Jardel ficou a centímetros de conseguir fazer o desvio para o golo. De assinalar também mais uns minutos a somar à recuperação do Jonas, o regresso do André Horta à competição, um remate do Paços de Ferreira à figura do Ederson (acho que deve ter sido o único que fizeram na direcção da baliza em todo o jogo, e mesmo para fora não devem ter sido muitos mais) e um grande desarme do Jardel, que me parece estar mais do que pronto para voltar a assumir a titularidade caso a novela jornaleira do Lindelöf acabe com a saída do sueco.


Quanto a apreciações individuais, o Celis fez um jogo certinho (se calhar foi do melhor que o vi fazer, com o bónus de não ter oferecido nenhum golo ao adversário desta vez), o Gonçalo Guedes parece estar outra vez a entrar numa daquelas fases em que a bola atrapalha um bocado e portanto temos que contar com dois ou três tropeções na mesma durante um jogo, e o André Almeida, como operário competente que é, vai-se adaptando à posição que o mandaram tapar desta vez - teve uma participação importante no lance do golo. O Fejsa, o Jardel e o Ederson mostraram a competência a que já nos habituaram, e o Cervi trabalhou como sempre e lá marcou o golo da ordem.

Se a monotonia foi o tom dominante do jogo, o melhor de tudo foi mesmo a monotonia de mais uma vitória. Foram tantas durante este ano que felizmente podemos pensar assim. Agora é esperar que o próximo ano continue a alinhar nesta tendência.

quinta-feira, dezembro 22, 2016

Gestão

Um jogo que o Benfica começou a resolver cedo e depois limitou-se a manter controlado no ritmo que mais lhe convinha, fazendo uma gestão bastante sóbria do esforço sem que alguma vez tivesse deixado a ideia de que a conquista dos três pontos pudesse estar em causa.


O Rio Ave entrava neste jogo apresentando as credenciais de estar 100% vitorioso desde que o Luís Castro assumiu o comando da equipa. Quatro vitórias noutros tantos jogos eram um sinal bastante claro que este jogo teria que ser encarado com toda a seriedade pelo Benfica. E foi isso mesmo que fizemos, desde o apito inicial. Com o Mitroglou a ser desta vez o escolhido para ocupar a posição mais avançada da equipa, o Benfica tomou imediatamente conta do jogo e remeteu o Rio Ave para a defesa, procurando chegar ao golo o mais cedo possível. Tirando partido sobretudo da grande mobilidade e constantes trocas de posição do Gonçalo Guedes, Rafa e Cervi, sempre com o apoio do Pizzi, o cerco à baliza adversária foi-se apertando e o golo chegou, com toda a naturalidade, com catorze minutos decorridos. O Mitroglou, que no início da jogada tinha demorado um pouco mais a concluir e acabou por tentar finalizar de calcanhar, acabou por ficar com a bola nos pés bem no centro da área depois de um remate enrolado do Gonçalo Guedes, e enquanto os defesas do Rio Ave pediam um fora de jogo inexistente finalizou com toda a calma. Conseguido o golo, o Benfica imediatamente levantou um pouco o pé. Não passou a defender o resultado, simplesmente começou a querer sair de forma mais organizada e estruturada para o ataque, privilegiando a posse de bola, e recuou também a linha de pressão. O Rio Ave aproveitou então para ter mais alguma bola, mas foi incapaz de construir qualquer lance de perigo, e pelo menos de memória digo que nem sequer um remate conseguiu fazer. O melhor que conseguiu foram alguns cruzamentos para a nossa área, que morreram quase todos nas mãos do Ederson. O Benfica, mesmo neste ritmo mais pausado, dava ideia de poder marcar um segundo golo sem precisar de forçar muito mais, pois as iniciativas individuais dos nossos jogadores eram suficientes para semear a atrapalhação na defesa adversária. Já quase sobre o intervalo veio a confirmação disto, quando o Pizzi arrancou com a bola, tabelou com o Rafa à entrada da área, e depois picou a bola sobre o guarda-redes à saída deste. Tudo aparentemente simples, a resultar num golo muito bonito.


Sobre a segunda parte, não tenho praticamente nada a dizer. Se com um golo de vantagem o Benfica já parecia estar tranquilo e sem grande vontade de forçar muito, então com dois isso foi ainda mais notório. Acho que as notas de maior destaque foram a entrada do Jonas, para somar mais alguns minutos à tarefa de ganhar ritmo de jogo, e uma grande defesa do Ederson, lá para o meio desta segunda parte, naquele que terá sido o primeiro (ou na melhor das hipóteses o segundo) remate do Rio Ave no jogo. Mais uma vez o Ederson a confirmar a sua qualidade e aptidão para guarda-redes de equipa grande: quase todo um jogo sem ter que fazer uma defesa, tendo tido mais acção a jogar com os pés para os colegas do que a tocar na bola com as mãos, e quando finalmente foi chamado, correspondeu de forma brilhante. O outro facto a realçar é a expulsão do Pizzi, forçada pelo próprio. O amarelo que tinha visto a meio da segunda parte (não percebi bem qual o motivo, só se foi por palavras e foi o único amarelo mostrado pelo árbitro em todo um jogo no qual teve um critério disciplinar larguíssimo, optando por deixar jogar sempre que era possível - e às vezes até quando isso não parecia ser a opção correcta) deixava-o suspenso para o próximo jogo do campeonato, em Guimarães. Por isso nos instantes finais ele retardou a marcação de um livre até ser admoestado com o segundo amarelo e consequente expulsão, o que faz com que se mantenha à beira da suspensão por amarelos, mas cumpra o jogo de castigo no próximo compromisso do Benfica, contra o Paços de Ferreira para a taça da liga. Parece estúpido, mas os regulamentos estão redigidos assim, e recordo-me perfeitamente de há uns anos o Fucile, então no Porto, ter feito a mesma coisa num jogo contra o Belenenses, de forma a estar disponível para jogar contra nós. Quanto ao jogo jogado, o Rio Ave ainda tentou durante alguns minutos chegar a um golo que relançasse o resultado, mas mostrou demasiada incapacidade para o fazer, e na fase final do jogo já nem sequer conseguia ter bola para tentar o que quer que fosse.


Destaques no Benfica, para mim, o Fejsa por mais uma exibição sólida e sóbria, a dobrar sempre bem os colegas da defesa e a cobrir com eficácia a sua zona, o Cervi e, a espaços, o Pizzi. Não foi jogo para grandes destaques individuais mesmo.

Gosto destes jogos. Não é necessária grande nota artística nem números de circo. Temos uma tarefa a cumprir, e fazemo-la de forma eficaz e segura. Quem tiver assistido ao jogo viu que em nenhuma altura do mesmo a vitória do Benfica pareceu ser algo menos do que uma certeza. E é assim que se somam três pontos em cima de três pontos, e que no final se conseguem somar mais pontos do que todos os outros adversários. É esta competência que nos permite passar o ano confortavelmente instalados no topo.

segunda-feira, dezembro 19, 2016

Complicado

Uma vitória sofrida num jogo que se foi tornando complicado pelo mau aproveitamento das ocasiões criadas, em particular na fase inicial do jogo. Depois aconteceu o cenário habitual em que se vê o final do jogo aproximar-se com uma margem mínima no marcador e a equipa que está em vantagem tem tendência para se encolher, enquanto que a outra começa a acreditar ser possível chegar ao empate. Muitas vezes acontecem dissabores nestas ocasiões, e ontem isto esteve perto de acontecer.


Com o Salvio no estaleiro, o Cervi regressou ao onze e o Rafa manteve a titularidade conquistada no encontro frente ao Sporting. O Benfica teve uma entrada muito forte no jogo, e nos minutos iniciais teve três ocasiões soberanas para inaugurar o marcador. Foi particularmente gritante a sequência de duas ocasiões, primeiro um grande remate do Jiménez ao qual o Moreira correspondeu com uma grande defesa para canto, e na sequência do mesmo um falhanço inacreditável do Luisão, que apareceu completamente sozinho junto à baliza e acabou por cabecear por cima. Continuámos sempre por cima na primeira parte - apenas um susto, numa situação em que o Estoril acertou no poste - mas o Estoril conseguiu reajustar-se, movendo uma marcação cerrada ao Pizzi, e nós mostrámos menor capacidade para criar situações de golo. Na segunda parte o Benfica continuou por cima no jogo, mantendo o Estoril remetido à sua área, e acabámos por chegar ao golo à passagem da hora de jogo, num penálti convertido pelo Jiménez. O penálti foi para mim mais do que evidente, após uma mão claríssima de um jogador do Estoril, que em carrinho tentou desarmar o Cervi - só mesmo num país pejado de antis raivosos é que se conseguiria questionar o acerto da decisão. Logo a seguir ao golo o Benfica tentou acalmar um pouco o ritmo de jogo, isto apesar de termos reforçado a presença na área com a entrada do Mitroglou para o lugar do Cervi. Mas a vinte minutos do final o Estoril pregou-nos um enorme susto, após um escorregão do Luisão (isto anda a acontecer demasiadas vezes ultimamente) e o empate só não aconteceu porque o Ederson fez uma enorme defesa quando tinha o adversário sozinho à sua frente. 


O Benfica pareceu assustar-se com este lance e o Estoril começou a ser mais perigosos. No ataque, o Pizzi conseguiu uma sequência atroz de maus passes e bolas perdidas, que o Estoril aproveitava quase sempre para sair rapidamente no contra-ataque. Mais uma escorregadela do Luisão voltou a dar uma situação de perigo para o Estoril, desta vez salva pela intervenção do André Almeida. E logo a seguir, o Ederson teve que se mostrar atento a mais um remate perigoso, de fora da área. O Benfica só voltou a estabilizar um pouco mais o seu jogo quando a dez minutos do final Assistimos ao regresso do Jonas. Apesar da longa ausência, foi evidente que o Benfica continua a ser uma equipa completamente com a presença dele em campo, devido à inteligência e classe com que joga. E o regresso do Jonas esteve muito perto de ser perfeito, pois em dois cabeceamentos esteve muito perto de marcar. O primeiro fez a bola passar a centímetros do poste, e segundo obrigou o Moreira a uma defesa apertada. Tivemos nova oportunidade para matar o jogo ao minuto noventa, quando o Moreira evitou no limite que a bola chegasse aos pés do Mitroglou e depois, com o Moreira ainda no chão, o Pizzi fez a recarga directamente para as mãos dele. E como um resultado tão magro é sempre perigosíssimo, apanhámos um enorme susto já no período de descontos, quando na sequência de um canto e posterior desvio de cabeça na zona do primeiro poste (não pode acontecer...) vimos um adversário aparecer completamente sozinho ao segundo, mas felizmente um centésimo de segundo atrasado em relação ao lance, o que fez com que não conseguisse cabecear a bola na direcção da baliza.


Para mim o maior destaque do jogo é mesmo o regresso do Jonas à competição. Tudo o resto acabou por ficar mais ou menos ofuscado pela alegria que senti com isto, alegria que foi reforçada ao ver um efeito imediato da entrada dele no nosso jogo, mesmo depois de todo este tempo de ausência. Vou também elogiar o Ederson. Que ele é um enorme guarda-redes, isso já estamos fartos de saber. Mas ele é também um guarda-redes de equipa grande. Pode passar um jogo quase todo sem ter nada que fazer, e depois fazer uma enorme intervenção quando finalmente é chamado, como aconteceu neste jogo a vinte minutos do fim. Abrindo uma excepção, uma menção para um jogador do adversário. Tenho um respeito muito especial pelo Moreira, pelo seu benfiquismo e pelo percurso que tem no nosso clube, e fico satisfeito com o regresso dele à primeira liga. Neste jogo esteve a um nível muito bom, e confesso que já por várias vezes pensei que seria uma escolha perfeita para ocupar a vaga que eventualmente acabaremos por ter no plantel quando o Paulo Lopes terminar a carreira.

Já não há jogos fáceis, e os três pontos trazidos da Amoreira sabem-me tão bem quanto os três conquistados contra o Sporting na última jornada. E valem exactamente o mesmo, garantindo-nos desde já a passagem de ano no topo da tabela. Agora é começar já a trabalhar na recepção ao Rio Ave, para encerrarmos o ano, no que ao campeonato diz respeito, em beleza.