quinta-feira, fevereiro 20, 2020

Lisonjeiro

Face ao que jogámos, a derrota por 2-1 na Ucrânia acaba por ser um bom resultado, que permite trazer a discussão da eliminatória para a Luz na próxima quinta-feira. Mas será necessário melhorar muito se queremos ter qualquer possibilidade de passar.


Para este jogo as mudanças passaram pelas entradas do Seferovic e do Chiquinho no onze para os lugares do Vinícius e do Rafa. Uma pequena novidade táctica na colocação do Chiquinho sobre a direita, com o Pizzi no apoio directo ao avançado - o que na prática significou não termos ataque, porque à ineficácia e indiferença do Seferovic juntou-se um Pizzi que vem jogando quase sempre a passo e a complicar tudo. O Florentino também regressou, mas isso era uma inevitabilidade face à suspensão do Weigl. De uma forma geral, as melhorias exibicionais que se viram no jogo contra o Braga (apesar da derrota) desapareceram todas neste jogo. Estamos no meio de um ciclo pobre em termos de futebol jogado, e o jogo de hoje esteve ao nível dos piores que temos feito. Defendemos pessimamente e atacámos ainda pior. Ainda mantivemos uma certa solidez durante a primeira meia hora de jogo, mas depois começámos a meter água por todos os lados. Um fora de jogo no limite evitou o golo do Shakthar ainda na primeira parte, depois de um erro clamoroso do Florentino, mas nessa altura já o Shakhtar ia conseguindo criar diversas ocasiões de perigo. E a tendência não só se confirmou como ainda se acentuou no regresso para a segunda parte. Até ao ponto em que nem o Vlachodimos ou o poste conseguiram impedir o inevitável golo ucraniano, num remate rasteiro muito colocado ainda de fora da área. Tivemos a felicidade de pouco depois chegar ao empate e ao importante golo fora de casa, porque a reacção ao golo sofrido até foi positiva. Uma boa iniciativa do Tomás Tavares permitiu-lhe marcar à boca da baliza depois de uma insistência do Cervi, mas o VAR anulou o golo para assinalar penálti sobre o Cervi, que o Pizzi converteu. Era um resultado muito bom e muito lisonjeiro também. Mas depressa voltámos a entregar o ouro ao bandido com mais um erro defensivo inacreditável. O Rúben Dias, quando tentava proteger a saída de bola pela linha final, deixou-se desarmar e o passe atrasado que se seguiu permitiu uma finalização fácil. Na fase final, já com o Vinícius e o Rafa em campo, ainda tentámos acelerar um pouco o jogo e pressionar mais, mas sem quaisquer efeitos práticos.

Para não variar, em termos individuais safa-se o Vlachodimos. Não fosse ele e regressaríamos a Lisboa com muito poucas hipóteses de discutir a passagem. O Taarabt voltou também a ser dos poucos a conseguir dar alguns safanões no jogo ofensivo da equipa, mas em contraponto cometeu diversas falhas no aspecto defensivo. A defesa no geral esteve péssima. Pela direita o Ismaily passou vezes sem conta pelo Tomás Tavares, o Rúben ofereceu um golo, o Ferro voltou a cometer vários erros e o Florentino esteve pavoroso. Na frente, já não há palavras para classificar o Seferovic. É um jogador completamente descrente, que não ataca uma bola, não tenta antecipar um lance e simplesmente limita-se a esconder-se atrás dos defesas na esperança que de alguma forma ele deixe passar a bola. O Pizzi está claramente muito abaixo de forma e complica mais do que ajuda - por mais de uma vez tivemos lances de ataque que morreram nos seus pés quando se exigia dar muito melhor continuidade aos mesmos.

Não consigo prever qual o nosso futuro nesta eliminatória. Se jogarmos aquilo que sabemos e já mostrámos esta época, passamos facilmente. Se mantivermos o mesmo registo dos últimos jogos, seremos inevitavelmente eliminados. O que me preocupa mais é que este jogo não mostrou grande evolução ou sinais de que podemos deitar para trás das costas a fase menos positiva. É urgente regressar às vitórias o quanto antes.

domingo, fevereiro 16, 2020

Incompetência

Continuamos a sequência de exibições menos conseguidas e perdemos pela segunda vez consecutiva na liga, algo que não acontecia há largos meses. Foi uma derrota algo absurda, apenas possível pela conjugação de muita incompetência em diversos aspectos.


Nada de assinalável no onze apresentado: foi o esperado, no qual o Weigl regressou à titularidade e o Florentino regressou à bancada. Jogámos no esquema táctico habitual frente a um Braga que se apresentou com três defesas centrais e dois laterais projectados para o ataque,  que se dispunha em 3-4-3 quando em posse. Com excepção do guarda-redes e de um dos centrais, o execrável Raúl Silva (não é de ontem, detesto este tipo desde os tempos do Marítimo) que se dedicaram a perder tempo desde o apito inicial, a atitude do Braga foi tentar jogar o jogo pelo jogo. Tentavam sempre sair a jogar, o que acabou por lhes provocar vários calafrios sempre que o Benfica conseguia fazer a pressão de forma exigida. Infelizmente, cedo se começou também a perceber que estávamos em dia não no que à finalização diz respeito. O Rafa deu o sinal inicial quando, depois de recuperar bem uma bola depois de pressionar um defesa, ficou isolado e nem sequer conseguiu acertar na baliza. Foi só uma situação, à qual se seguiram outras do Cervi, do Pizzi, e sobretudo do Vinícius, que ontem esteve absolutamente desastrado na finalização - e não só isso, como parece andar a aprender com o Seferovic a deixar-se apanhar quase sempre em posição irregular. O golo que ele falha quando depois de um centro do Pizzi apareceu completamente sozinho em frente à baliza, nem sendo necessário tirar os pés do chão para cabecear, é inacreditável. O Braga, pese a tentativa de jogar e atacar, na verdade só conseguia chegar perto da baliza do Benfica de uma forma: qualquer livre conquistado no meio campo do Benfica era despejado para a área. Em bola corrida o Benfica até conseguiu controlar de forma bastante eficaz o Braga, inclusivamente quando tentavam entrar pelo nosso lado esquerdo - e foram diversas as tentativas de solicitação de entradas do Esgaio por aquele lado. Infelizmente para nós, já em tempo de descontos, lá arrancaram mais um livre ameio do nosso meio campo e depois do Vlachodimos ter salvo o golo com uma grande defesa, no canto que se seguiu nada conseguiu fazer perante um cabeceamento à queima-roupa do Palhinha, que surgiu solto entre os nossos centrais. Uma falha de marcação imperdoável.


Neste momento o meu raciocínio quando o Benfica chega ao intervalo de um jogo em desvantagem é sempre o mesmo: que consigamos marcar antes que o Seferovic entre. Nem é só pelo Seferovic em si - embora o absoluto desastre que ele tem sido esta época já seja suficientemente desmotivante - é sobretudo pelas mudanças tácticas que essa substituição acarreta. E normalmente, quando nada resulta dessa substituição (o que é o mais normal) depois vamo-nos enterrando cada vez mais à medida que novas alterações vão sendo feitas. O Benfica até começou bem a segunda parte, com o Vinícius a acertar no poste logo nos primeiros minutos. O jogo foi decorrendo com o Benfica naturalmente mais em cima do Braga, e poucos minutos depois vimos o Rafa a isolar-se em direcção à baliza, descaído sobre a direita. Com imenso tempo para decidir o que fazer, hesitou, hesitou, e acabou por preferir tentar um passe para o Vinícius no meio, que foi facilmente interceptado. Parece-me que o facto de não ter tentado finalizar será um reflexo da falta de confianção. Depois disto, começou o disparate que eu temia. Entrada do Seferovic, saída do Cervi, o nosso lado esquerdo desapareceu e a partir daqui foi sempre a descer. A única ocasião de real perigo que conseguimos criar foi uma iniciativa individual do Pizzi, que foi ultrapassando vários adversários pela zona frontal da área até rematar de pé esquerdo para um grande defesa do guarda-redes. Houve ainda outra situação em que o Pizzi se isolou pelo meio, e pressionado por um defesa tentou ultrapassar o guarda-redes em vez de rematar, acabando o lance por se perder. O Braga também criou uma grande ocasião, mas felizmente o remate do Ricardo Horta saiu quase à figura do Vlachodimos, que defendeu por instinto. Depois fizemos entrar o Chiquinho para o lugar do Weigl, o que na prática significou fazer o único jogador que estava a ser capaz de acelerar e causar desequilíbrios (Taarabt) recuar para junto dos centrais e assim afastá-lo da zona de decisão. Finalmente, para os minutos finais, o golpe fatal, que foi exactamente igual ao do Dragão: fazer entrar o Dyego Sousa. Gosto muito do Lage, acho que percebe de futebol a rodos e certamente muito mais do que eu, mas por mais voltas que dê à cabeça não consigo perceber esta opção dos três avançados. Ainda por cima duas vezes seguidas. É que depois não só deixamos de construir o que quer que seja como nem sequer conseguimos fazer a bola chegar à área através de futebol directo - tenho sérias dúvidas que o Dyego tenha sequer chegado a tocar na bola. Por isso o apito final chegou sem sobressaltos e voaram três pontos, dando oportunidade para o Raúl Silva ter mais uma atitude de desrespeito para com o Benfica, acabando expulso já depois do fim do jogo.


No Benfica acho que posso destacar o Vlachodimos, que não teve quase trabalho nenhum, mas no pouco que teve fez duas grandes defesas e nada podia fazer no golo. Também o Taarabt voltou a ser dos jogadores com nota positiva. O Tomás Tavares estava em crescendo quando saiu da equipa, e neste jogo pareceu ter revertido ao estado inicial, quase incapaz de ter qualquer tipo de contribuição na manobra ofensiva da equipa. O Pizzi claramente precisa de descanso. Está num momento muito mau - basta atentar que das primeiras três ou quatro vezes em que tocou na bola no jogo acabou por perdê-la para o adversário - mas como num momento fugaz pode sempre decidir, acaba por ter lugar cativo. O Rafa também está claramente longe do melhor. E agora até o Vinícius parece estar longe do ideal em termos físicos, para além de ter desperdiçado ocasiões que não são nada habituais nele. Basta ver que de cada vez que perdíamos uma bola no ataque este trio (Rafa, Pizzi e Vinícius) deixavam-se lá ficar e recuavam a passo, o que era logo meio caminho andado para que algum deles voltasse a ser apanhado em posição irregular.

Estamos a atravessar a pior fase da era Lage. Parece-me que a equipa está em défice físico e também numa crise de confiança. A exibição na primeira parte até nem foi das piores, mas quem falha tanto no ataque num jogo destes acaba inevitavelmente por sofrer as consequências, e uma vez em desvantagem a falta de confiança vem ao de cima e torna tudo pior. Uma vez mais voltamos a fazer aquilo em que parecemos ser especialistas: dar vida e confiança a um adversário que estava quase de rastos. Fazer as coisas da maneira mais fácil não é para nós. Espero bem que saibam dar a volta a esta situação rapidamente, porque agora a margem de manobra acabou.

quarta-feira, fevereiro 12, 2020

Sofrimento

E pronto, lá conseguimos chegar à final da Taça de Portugal. Foi à custa de transpiração e mais uma exibição pouco conseguida, que nos obrigou a todos ao sofrimento enquanto esperávamos pelo apito final.


Algumas alterações num regresso a um onze mais rotinado, com o Cervi de volta e apenas com a surpresa da titularidade do Florentino em vez do Weigl - a presença do Tomás Tavares era uma certeza face à lesão do André Almeida. A primeira parte nem foi má de todo. Achei que jogámos como era necessário jogar. Estávamos em vantagem e não havia necessidade de nos lançarmos numa correria desenfreada à procura do golo, mas tivemos quase sempre maior iniciativa no jogo e conseguimos gerir aceitavelmente a posse da bola. O Famalicão ameaçava em contra-ataques, sem surpresa nenhuma quase sempre pelo nosso lado esquerdo, onde o nosso Diogo Gonçalves fazia a cabeça em água à nossa defesa. O Ferro jogou vários anos ao lado dele, o Grimaldo treinou com ele no ano em que o Diogo fez parte do plantel principal, e já deveriam conhecê-lo o suficiente para não serem sistematicamente ultrapassados. O Benfica por mais de uma vez desperdiçou lances de contra-ataque de dois para dois ou até mesmo de dois para um porque o passe final foi sempre mal feito: ou saía demasiado curto, ou demasiado longo. Mas aos vinte e quatro minutos fizemos o mais importante, que era marcar primeiro - se tivesse sido o Famalicão a fazê-lo ficariam imediatamente em vantagem na eliminatória e não sei se o Benfica teria capacidade para inverter a situação. Mérito maior para o Cervi, que acreditou num cruzamento de recurso feito pelo Vinícius na esquerda, já quase sobre a linha final. O Cervi conseguiu, quase em cima do guarda-redes, tocar a bola de calcanhar para trás e o Pizzi atirou para a baliza desprotegida. Parabéns também à magnífica realização da SportTV, que conseguiu repetir o lance várias vezes a partir de uma câmara que insinuava que poderia ter havido falta do Vinícius no início da jogada (só mostrava o Vinícius a meter o pé e depois cortava o resto) - aliás, a realização foi notoriamente tendenciosa, não se cansando de repetir lances inócuos na esperança de inventar polémica. Em vantagem, foi tempo para o Vlachodimos brilhar, impedindo por duas vezes o empate. Sempre pelo lado esquerdo. Primeiro foi o Martínez que roubou a bola ao Ferro, isolou-se, e o Vlachodimos fez uma defesa milagrosa com o pé. Depois foi o Diogo Gonçalves que pegou na bola, passou por todos os que lhe saíram ao caminho (Grimaldo, Ferro, Florentino), foi por ali fora isolado, e mais uma vez o nosso guarda-redes levou a melhor. Já no período de descontos o Famalicão introduziu mesmo a bola na baliza no seguimento de um livre indirecto. O lance acabou anulado por posição irregular e ainda bem, porque duvido que quer a queda do Rúben, quer o choque com o Vlachodimos nesse lance tivessem sido considerados falta. A anulação do golo levou ao desespero muito morcão que claramente infestava as bancadas em Famalicão.


O pior deste jogo foi mesmo a nossa segunda parte. É difícil explicar o que aconteceu. Nós simplesmente recuámos as linhas para junto da área e literalmente desaparecemos no ataque. Entregámos completamente a iniciativa de jogo ao Famalicão, e dedicámo-nos a defender a vantagem, mesmo sabendo perfeitamente que um golo do Famalicão relançaria completamente a eliminatória. É que isto foi assim praticamente desde o apito para o recomeço, com o Vlachodimos a ser novamente obrigado a negar o golo ao inevitável Diogo Gonçalves. O mal menor era que, à excepção das entradas do Diogo Gonçalves pela esquerda, o Famalicão raramente conseguia submeter-nos a uma pressão intensa: jogávamos com as linhas mais encostadas à área mas o ritmo de jogo nem era particularmente intenso e o Famalicão não conseguia penetrar, e assim era obrigado a recorrer aos remates de fora da área. Felizmente que esses nunca levaram a direcção da baliza, mas foram vários aqueles que não passaram muito longe. A meio da segunda parte o Chiquinho rendeu o apagadíssimo Rafa e trouxe um bocadinho mais de animação. A única resposta digna desse nome do Benfica foi um contra-ataque conduzido pelo Vinícius, uma vez mais na situação de dois para um. A bola foi passada para o Pizzi, que à entrada da área se atrapalhou com ela e o lance perdeu-se. Depois aconteceu o que se temia: a doze minutos do final o Famalicão chegou mesmo ao empate. Já não será surpresa nenhuma dizer que o lance surgiu pela esquerda. Passe para o Diogo Gonçalves, que passou pelo Grimaldo como se ele nem lá estivesse e depois fez o cruzamento rasteiro para o Martínez se antecipar aos nossos centrais e marcar já dentro da pequena área. Esperava agora um sofrimento ainda maior, mas felizmente para nós o Famalicão não conseguiu criar mais nenhuma ocasião de perigo e continuou apenas a recorrer às tentativas de remates de fora da área para chegar à nossa baliza. O Benfica já tinha feito o Samaris entrar para o lugar do Cervi nos minutos finais, e já nos descontos trocou o Vinícius pelo Seferovic. Uma substituição para queimar tempo, mas mesmo assim o suíço ainda conseguiu dar mais uma demonstração do momento deplorável que atravessa, ao desperdiçar uma ocasião flagrante para acabar de vez com as dúvidas. Depois de uma jogada de insistência do Chiquinho, este deixou a bola para o Seferovic ficar completamente sozinho em frente ao guarda-redes. O Seferovic rematou de pé direito ao lado da baliza, numa atitude que quase pareceu displicente. Não sei se ele anda amuado por ter perdido a titularidade, mas não é assim que a vai conseguir reconquistar. Acabou por ser um ponto final a condizer com a qualidade de jogo que apresentámos na segunda parte.


Melhor do Benfica, obviamente o Vlachodimos. E tal como na primeira mão, o nosso melhor jogador de campo foi o Diogo Gonçalves, que estava do outro lado. Depois daquilo que o vi fazer nos dois jogos contra nós terei alguma dificuldade em perceber se não lhe for dada uma oportunidade para pelo menos fazer a próxima pré-época. Sobretudo quando sabemos que nos faltam alternativas ao Pizzi na direita. Uma menção também para o Rúben Dias, que devia servir sempre de exemplo pela atitude com que se entrega a cada jogo. Pode não ter braçadeira, mas tem a atitude de um líder. E falta de atitude também é algo de que o Cervi não pode ser acusado. Quanto ao resto, há jogadores que neste momento estão a atravessar o pior momento da época. Pouca inspiração, e nalguns casos parece até que estão visivelmente fatigados. Há os casos flagrantes do Grimaldo e do Ferro, mas também o Rafa esteve apagadíssimo e o Pizzi está no mesmo registo há alguns jogos - e é por demais evidente que quando não há Pizzi, há muito pouco Benfica. O próprio Vinícius parece estar muito cansado.

Estamos a atravessar o período mais complicado da época. É imperioso dar a volta a esta situação o mais depressa possível, para que não coloquemos em causa sobretudo o objectivo principal, que é a renovação do título de campeão. Vai ser necessário jogar muito, mas mesmo muito mais do que isto para levarmos de vencida o Braga já no próximo jogo. Quanto à Taça, e um previsível encontro com o Porto na final, prevejo já o habitual circo para que a final não se jogue lá, e depois um novo embate contra o Artur Pasteleiro ou então, como prémio especial de fim de carreira, uma despedida em grande do Xistra.

domingo, fevereiro 09, 2020

Douradinho

Um clássico com um cheiro douradinho a anos noventa. Como aliás é normal por aqueles lados. Aliás, a minha experiência até me diz que eles gostam mais de ganhar assim, talvez porque lhes traga uma pontinha de nostalgia pelos tempos em que punham e dispunham disto tudo.

Não querendo centrar tudo na actuação de Artur 'Pasteleiro' e Tiago 'cinco cêntimos' Martins (que já tão boa conta tinha dado de si no jogo da Taça contra o Rio Ave, e cuja nomeação para este jogo foi uma clara provocação ao Benfica) obviamente que também temos culpas próprias numa derrota que nos deixou com uma margem de manobra mais pequena no topo da tabela. Como treinador de bancada, custou-me compreender a saída do Cervi da equipa precisamente neste jogo. A opção foi pelo Rafa na ala com o Chiquinho no apoio ao Vinícius. Acho que o Cervi dá mais solidez defensiva, que seria importante num jogo destes. O Porto entrou mais forte, a jogar da sua forma típica, com muita intimidação física e perante um Benfica encolhido chegou cedo ao golo. A resposta do Benfica foi a melhor possível, chegando ao empate pelo Vinícius pouco tempo depois, numa recarga oportuna a um cabeceamento do Chiquinho (mais uma vez ficámos com a sensação de que o VAR andou a esforçar-se ao máximo para tentar encontrar um motivo para anular o golo). O Porto foi melhor na primeira parte, mas onde acabámos por deitar tudo a perder foi nos minutos imediatamente antes do intervalo. Primeiro veio o penálti absurdo, assinalado pelo VAR Tiago 'cinco cêntimos', e que depois o Artur Pasteleiro não teve coragem para contrariar. Não só o Ferro é claramente empurrado pelo Soares, como ainda vê um penálti assinalado depois de lhe cabecearem a bola contra o braço, quando está de costas. So para comparação de critérios: este mesmo VAR, há um par de épocas atrás, foi aquele que conseguiu não assinalar qualquer penálti a favor do Benfica num jogo em que três jogadores do Sporting (Coentrão, Piccini e William) jogaram a bola com a mão dentro da sua área. Aqui considerou o lance de tal forma evidente que contrariou a decisão do árbitro de campo e o obrigou a ir ver as imagens. Mas pronto, penáltis destes contra o Benfica quando vamos ao Porto já é um hábito e não seria por isto que tínhamos o jogo perdido. O pior foi que pouco depois demos um enorme tiro no pé, quando o Marega entrou pela esquerda e o corte do Rúben Dias ao cruzamento foi ainda desviado pelo Vlachodimos para dentro da própria baliza. Segundo golo que surgiu pela esquerda, a reforçar a minha insatisfação pela ausência do Cervi (se calhar não teria feito diferença nenhuma). A entrada na segunda parte foi forte e teve o melhor desfecho possível, com novo golo do Vinícius a reduzir a diferença. O Porto dedicou-se muito a queimar tempo e a segurar a vantagem, e o Benfica melhorou bastante da primeira para a segunda parte. Mas não conseguimos chegar ao empate, até porque as substituições operadas pelo Bruno Lage não resultaram. Em especial a entrada do Dyego Sousa - jogar com três pontas de lança não fez qualquer sentido e deixámos de jogar tanto com a bola no pé, sendo incapazes de criar uma ocasião de real perigo.

Enfim, há que reagir já no próximo jogo. Falhámos uma oportunidade para praticamente matar este campeonato, mas outras surgirão. A vantagem ficou mais reduzida mas ainda nos permite margem de manobra. O Porto ganhou mais crença (deu direito a volta olímpica e tudo) mas continua a depender de terceiros e nós dependemos apenas de nós. Uma derrota não pode comprometer a nossa forma de trabalhar nem desviar-nos do nosso caminho.

quarta-feira, fevereiro 05, 2020

Desleixada

Foi uma exibição algo desleixada da nossa parte perante uma equipa suficientemente boa para tirar partido disso, e só não digo que fizemos os mínimos para sair em vantagem para a segunda mão das meias finais porque ainda foi preciso correr bastante nos minutos finais para inverter o marcador.


Bruno Lage promoveu quatro alterações em relação ao último onze, que tinha derrotado o Belenenses com alguma dificuldade: Jardel, Gabriel, Chiquinho e Seferovic entraram para os lugares de Ferro, Weigl, Rafa e Vinícius. Sobre a primeira parte do jogo, nem sequer vou falar grande coisa. Foi demasiado lenta e desinteressante, com poucas ocasiões de golo (ainda que as poucas que aconteceram, uma para cada equipa, tenham sido flagrantes). Na segunda parte o Benfica entrou um pouco mais decidido, com o Ferro no lugar do Jardel (imagino que a troca tenha sido por problemas físicos) e chegou ao golo cedo. Aos oito minutos, um penálti marcado pelo Pizzi a castigar um corte com a mão colocou-nos em vantagem no marcador. A nossa equipa pareceu ficar motivada com o golo e um segundo parecia ser o cenário mais provável. Mas foi precisamente durante aquele que estava a ser o melhor período da nossa equipa que sofremos o golo do empate, apenas sete minutos depois. Um lance em que ficou exposto de forma evidente o risco que é jogarmos com a dupla Gabriel/Taarabt no meio campo e consequentemente sem um médio defensivo como o Weigl ou o Florentino. A bola entrou no espaço entre a nossa defesa e o meio campo e deixou o Ferro exposto, tendo depois uma troca de bola rápida pela esquerda permitido uma finalização fácil ao jogador do Famalicão. A reacção do Benfica foi fazer entrar o Rafa e o Vinícius, por troca com o Chiquinho e o Cervi. Estas alterações fizeram-nos mais perigosos no ataque, mas também acabaram por ter uma consequência negativa. Sem o Cervi na esquerda para compensar as subidas do Grimaldo (ou um médio defensivo que o fizesse) um mau cruzamento do espanhol no ataque resultou numa bola perdida e um contra-ataque por esse lado, onde mais uma vez o Ferro se apanhou sozinho para dois adversários e inevitavelmente um deles ficou isolado para colocar o Famalicão em vantagem. 



O Ferro tem sido frequentemente criticado, mas o que eu vejo é que ele é muitas vezes o jogador mais exposto da equipa quando as frequentes subidas do Grimaldo não são devidamente compensadas, e ele não faz milagres - pouco antes do primeiro golo do Famalicão houve uma jogada quase igual pela esquerda que só não terminou em golo porque o Ferro conseguiu interceptar o passe do Diogo Gonçalves. A dezassete minutos do final o Benfica via-se agora em desvantagem em casa. Felizmente demorámos apenas cinco minutos a restabelecer a igualdade, numa recarga do Rafa a um remate do Vinícius (um lance que mostrou de forma evidente porque motivo o Seferovic não tem a menor possibilidade de se assumir como alternativa válida ao brasileiro). O jogo nesta fase estava partido, com o Benfica a procurar o golo quase sem ter preocupações defensivas, e dava a sensação que podia acontecer mais um golo para qualquer uma das equipas - o Vlachodimos evitou o terceiro do Famalicão pouco depois de termos chegado ao empate. Mas para os minutos finais o Famalicão fez entrar mais um defesa central, tornou-se ainda mais defensivo e cedeu à tentação de recorrer ao antijogo, com os seus jogadores a tentar queimar tempo com simulações e demoras na reposição de bola. Isto resultou numa maior pressão ainda por parte do Benfica, que acabou por chegar ao golo no penúltimo minuto da compensação. Um cabeceamento do Gabriel na zona do primeiro poste, após pontapé de canto do Grimaldo.


O melhor jogador do Benfica em campo é capaz de ter sido o Diogo Gonçalves. Pena foi que na ocasião ele estivesse com a camisola do Famalicão vestida. Com a nossa camisola, o melhor foi novamente o Taarabt. E talvez o Rúben também tenha estado um pouco melhor do que a generalidade. O Pizzi está a atravessar um momento de menor fulgor, tal como o Grimaldo, que está a falhar quase todos os cruzamentos (felizmente acertou com o último que fez). O André Almeida faz o mesmo do outro lado, diga-se. O Seferovic está numa forma lamentável e deixa-se apanhar em posição irregular na maioria dos lances.

Não foi a exibição mais desejável para nos reforçar a confiança em vésperas de um jogo decisivo, mas pelo menos conseguimos partir para a segunda mão em vantagem. Agora é prepararmo-nos o melhor possível para o caldinho que nos espera no Porto.

sábado, fevereiro 01, 2020

Preguiçoso

Uma exibição a meio gás de um Benfica algo preguiçoso acabou por ser suficiente para somar mais três pontos, mas o B SAD ainda conseguiu assustar e foi preciso acabar o jogo a segurar a vantagem.


O André Almeida estava em risco de suspensão mas jogou mesmo, sendo a única alteração no onze a entrada do Taarabt para o lugar do Gabriel. Quanto ao jogo, não gostei. O Benfica entrou nele sem grande intensidade, com uma atitude que quase parecia sobranceira, como se tivesse a certeza que mais cedo ou mais tarde os golos acabariam por aparecer. Ritmo muito baixo por parte da nossa equipa, com alguns jogadores quase alheados do jogo, e foi até o Belenenses quem esteve melhor durante a primeira fase. O Benfica até teve o primeiro remate perigoso, num livre do Grimaldo, mas a resposta do Belenenses, também de livre, foi ainda mais perigosa e obrigou o Vlachodimos à defesa da noite. A partir dos vinte e cinco minutos o Benfica finalmente pareceu acordar e acelerou um pouco, e bastou isso para começar a desatar o nó. O André Almeida deu o primeiro aviso na sequência de um pontapé de canto, e pouco depois da meia hora o golo chegou mesmo. Tudo nasceu numa iniciativa individual do Taarabt, que progrediu pelo meio com a bola controlada e deixou para trás metade da equipa adversária. Perto da área soltou para o Cervi na esquerda, que cruzou para o cabeceamento do Vinícius à barra. O B SAD não conseguiu afastar a bola e foi o mesmo Vinícius quem a foi recuperar, para depois marcar num remate rasteiro e cruzado que fez a bola passar pelo meio de uma floresta de pernas. O Benfica continuou a carregar e o Rafa obrigou, com um remate de longe, o guarda-redes adversário a uma grande defesa. E aos trinta e oito minutos, chegou o segundo golo. No segundo pontapé de canto consecutivo a bola seguiu da esquerda para o segundo poste, onde o André Almeida a devolveu de cabeça para o meio da área para um remate fulminante de primeira do Taarabt. Finalmente o primeiro golo do marroquino pelo Benfica. Parecia que vinte minutos de alguma velocidade seriam suficientes para ganhar o jogo.


O pior é que a segunda parte do Benfica foi muito má. Simplesmente o Benfica quase que abdicou de atacar e não havia qualquer tipo de pressão sobre os adversários; as marcações eram feitas à distância com os olhos. Deixámos o B SAD ter bola e ir ganhando confiança, e apesar do jogo parecer estar controlado tinha a sensação que um golo do adversário poderia mudar tudo. Já a época passada tínhamos conseguido desperdiçar uma vantagem de dois golos frente a esta equipa e convinha não deixarmos que a história se repetisse. Só que não havia maneira da nossa equipa acordar, e então a partir da hora de jogo o B SAD começou a dar sérios avisos que poderia chegar ao golo, com situações a serem salvas no limite pelo Vlachodimos ou a nossa defesa. Nem mesmo assim acordámos, e a vinte minutos do final o golo apareceu mesmo - um autogolo do Ferro, na sequência de um contra-ataque, quando tentava interceptar um cruzamento. Nesta altura já o Chiquinho tinha rendido um completamente inoperante Pizzi, e foi mesmo ele quem, oito minutos depois, fez o terceiro do Benfica. Um passe vertical do Rúben Dias para o Vinícius, que com um excelente toque de primeira deixou o Chiquinho isolado. Depois foi só contornar o guarda-redes e colocar a bola na baliza deserta, apesar de pressionado por um defesa. Agora sim, parecia que estava tudo terminado. Mas mais um lance displicente da nossa equipa permitiu ao B SAD regressar ao jogo. Displicência sobretudo por parte do Rafa, que acabou por perder a bola para um adversário e depois agarrou-o até que este caísse na área. Sinceramente, pareceu-me que a falta foi feita fora da área e que o penálti assinalado foi manhosíssimo, mas de alguma forma o VAR conseguiu confirmar o penálti e assim voltámos a ficar apenas com um golo de vantagem a cinco minutos do final. Foram penosos os minutos que decorreram até ao apito final, não porque o B SAD tenha causado grande perigo (não me lembro sequer de um remate ou ocasião mais perigosa) mas sim porque nós jogámos muito mal. Fomos incapazes de acalmar o jogo ou manter a posse de bola, e em vez disso os nossos jogadores chutavam para onde estavam virados ou entregavam rapidamente a bola ao adversário com maus passes.


Melhor em campo claramente o Taarabt. Fez a jogada do primeiro golo, marcou o segundo, e quando perdeu gás a produção do Benfica no jogo caiu a pique. Quem melhor o acompanhou foram o Vinícius e também o Cervi. Pelo oposto, jogadores importantes como o Pizzi e o Rafa estiveram francamente desinspirados esta noite.

O mais importante foi conseguido: os três pontos, que asseguram que iremos jogar ao Porto com pelo menos sete pontos de vantagem. Mas este foi dos jogos com menor intensidade que vi o Benfica de Bruno Lage fazer, e isso podia ter-nos custado bem caro. O jogo na próxima terça não pode servir de justificação para termos desligado tão cedo.

domingo, janeiro 26, 2020

Consolidação

Mais uma vitória fora de casa obtida de forma inquestionável e alicerçada sobretudo numa primeira parte de grande qualidade, e de grande importância na consolidação da liderança. Não houve qualquer tipo de relaxamento e voltámos a encarar o jogo e o adversário com a máxima seriedade, o que tem sido uma das chaves para a sequência de bons resultados.


É de assinalar que, apesar do jogo ser disputado longe da Luz, o Benfica jogou literalmente em casa pois as bancadas estavam preenchidas de vermelho. Houve uma mudança no onze, não muito surpreendente, com o Rafa a entrar para o lugar do Chiquinho. O Benfica entrou a todo o gás, apostado em marcar cedo, contra um Paços extremamente aguerrido que tentava pressionar alto e disputar cada bola como se fosse a última. Mas cedo as ocasiões de golo se começaram a acumular para o lado do Benfica, enquanto que o Paços só conseguia ter posse de bola em zonas mais recuadas e quase nunca conseguia incomodar o Vlachodimos. Um livre do Grimaldo deu início às hostilidades, obrigando o guarda-redes do Paços a uma defesa apertada para canto. Na sequência do mesmo, o Vinícius cabeceou à barra. A pressão do Benfica inevitavelmente acabou com o Pizzi a introduzir a bola dentro da baliza do Paços, aos dezoito minutos, mas o lance acabou por ser anulado após revisão do VAR. Percebemos depois que foi por uma suposta posição irregular do Vinícius, que fez o passe para o golo, de 4 centímetros. É simplesmente absurdo, porque uma margem destas torna a coisa aleatória. Basta parar a imagem um centésimo antes ou depois para ser posição irregular ou não. Este tipo de lances vai completamente contra o que deveria ser o espírito do VAR, e só ajuda a matar o futebol. Enfim, o Benfica não abanou e continuou a procurar o golo que já justificava. O Rafa ia conseguindo encontrar espaço entre a defesa e o meio campo do Paços e era uma ameaça constante, e foi mesmo ele quem começou a desatar o nó. A cinco minutos do intervalo, um bom passe do Rúben Dias lançou-o em direcção à baliza e depois ele com o pé direito tirou um defesa do lance e com o esquerdo rematou para o golo. Um pormenor muito interessante no lance é a movimentação do Pizzi, a fugir para a linha e a arrastar o lateral com ele de forma a abrir o espaço entre este e o central por onde o Rafa entrou. Antes do intervalo ainda poderíamos ter chegado ao segundo golo, que só foi evitado por uma excelente defesa do guarda-redes a um remate do Pizzi.


Entrada na segunda parte a matar, para chegarmos cedo ao segundo golo. Canto conquistado logo no primeiro minuto, e quando o Paços tentou sair para o ataque na sequência deste a bola foi recuperada e o Ferro fez um lançamento longo para as costas da defesa, para o inevitável Rafa. Progressão pela direita e cruzamento rasteiro para o Vinícius encostar para o golo. Tudo simples e eficaz. Minutos depois o Benfica voltou a introduzir a bola na baliza do Paços, pelo Vinícius depois de um excelente passe do Weigl, mas o golo foi novamente anulado por posição irregular do nosso avançado. Depois disto fiquei com a sensação que o Benfica optou claramente por gerir a vantagem e o jogo. O Paços nunca baixou os braços e continuou a ser uma equipa aguerrida na procura de um golo que lhes permitisse voltar à discussão pelo resultado, mas o Benfica controlou o jogo com relativa facilidade. Apesar da maior posse de bola, creio que não estarei enganado se disser que não só o Paços não conseguiu criar uma única ocasião de perigo como nem sequer terá chegado a rematar à nossa baliza até ao final do jogo - só me recordo de um único remate do Paços na segunda parte, na sequência de um canto, por volta dos cinco minutos. Para o quarto de hora final o Benfica optou por colocar um terceiro médio em campo (Taarabt) por troca com o Pizzi, o que nos permitiu ter um pouco mais de posse e também reaproximar-nos na baliza adversária. Pouco depois fizemos uma troca directa de avançados, entrando o Seferovic para o lugar do Vinícius. Isto na prática resultou num momento Bryan Ruiz por parte do Seferovic, que depois de um cruzamento do Grimaldo na esquerda (desmarcado por um grande passe do Gabriel), completamente sozinho e a um par de metros da linha de golo, enviou a bola para a bancada.


Melhor do Benfica, outra vez o Rafa. Marcou o golo que inaugurou o marcador e fez a assistência para o segundo, o que já seria mais do que suficiente. Mostrou ser a opção certa para a posição de segundo avançado, e a sua velocidade e mobilidade permitem-lhe explorar os espaços que se vão abrindo nas costas dos médios mais recuados. Vinícius também muito bem, a fazer o tipo de movimentações que víamos o Seferovic fazer a época passada, com mais um golo para a conta pessoal e uma assistência que lhe foi retirada por quatro centímetros. Mas no geral acho que toda a equipa fez uma exibição sólida, confiante e equilibrada.

O Paços é uma equipa que luta pela permanência e o Benfica entrava neste jogo confortavelmente instalado no topo da tabela. Mas este jogo era particularmente importante. Primeiro, porque não queríamos desperdiçar logo na jornada seguinte a vantagem que alcançámos na anterior. E depois porque, face à situação conturbada que o Porto atravessa neste momento, a última coisa que interessava era perder pontos e assim dar um novo fôlego ao nosso perseguidor mais directo. Assim sendo, missão totalmente cumprida.