quarta-feira, fevereiro 16, 2005

João Santos

Faleceu ontem João Santos, para mim um dos grandes presidentes do Benfica dos últimos anos. Sempre o considerei um grande presidente, porventura devido ao facto de ser ele o presidente na altura em que comecei a acompanhar o Benfica mais de perto (ou seja, a ir ver os jogos todos em vez de ficar em casa a sofrer colado ao pequeno transístor vermelho a pilhas). Lembro-me de ter ficado surpreendido quando os sócios lhe recusaram a Águia de Ouro, porque quando comecei a ouvir o seu nome eu era um miúdo e não fazia ideia do que de mal ele podia ter feito ao Benfica para justificar esta decisão dos sócios.

Do que me recordo bem é de ele ter ganho umas eleições muito renhidas contra o Fernando Martins em 1987 (e por acaso na altura, apesar de não perceber muito bem o que é que se passava, lembro-me que até queria que o Fernando Martins ganhasse), tendo como slogan "Um Benfica Europeu". E a verdade é que ele fez os possíveis para que isso acontecesse. Durante os seus mandatos, os benfiquistas assistiram à chegada de jogadores como Magnusson, Thern, Schwarz, Mozer, Ricardo Gomes, Aldair, Vítor Paneira e Valdo, entre outros, e ainda vimos uma aposta forte na formação, de onde vieram por exemplo Paulo Sousa e Rui Costa. Vimos também o regresso à Luz do desejado Eriksson. Acabámos por atingir mais duas finais da Taça dos Campeões Europeus, que infelizmente não vencemos (e com particular infelicidade a primeira, que continuo convencido que teríamos ganho não fosse a lesão do Diamantino no fim-de-semana anterior à final).

Durante os anos com João Santos na presidência, tive o privilégio de ver jogar com a camisola do Benfica muitos dos melhores jogadores que eu já vi passarem pelo clube desde que vejo futebol, e vi-os fazerem grandes e memoráveis jogos. Pelo orgulho que senti na minha equipa durante esses anos, e a alegria que era vê-la jogar, João Santos merecerá sempre um cantinho nas minhas memórias benfiquistas.

3 Comments:

At 2/17/2005 2:35 da tarde, Blogger Quetzal Guzman said...

A célebre lesão de Guimarães... Se bem me lembro, a fractura foi provocada por uma entrada violenta e completamente desnecessária a meio do meio-campo vimaranense... Chegámos a Estugarda claramente inferiorizados já que a dupla Diamantino-Águas era fundamental naquela equipa. Jogou o Shéu, que tinha sido um excelente jogador mas a quem já faltava ritmo... Olhando para trás, julgo que aquele foi o plantel mais fraco do Benfica durante a década de 80, o que valoriza ainda mais a chegada à final.

 
At 2/17/2005 3:01 da tarde, Blogger PF said...

Naquela época ninguém gostava muito do presidente... estávamos mal habituados. Quanto à entrada foi feita por um sarrafeiro que por aí andava, era o Adão... que também jogou no Belenenses. O pior é que esse bicharoco nunca se desculpou pelo que fez. Naquela época o Glorioso era o Diamantino e mais dez. Lembro que o Toni dizia antes da final que as armas com que lutaria eram muito inferiores às do PSV. O PSV, na altura, tinha uma equipa muito forte... se não fosse o azar do "capitão" Veloso...

 
At 2/17/2005 3:02 da tarde, Blogger D'Arcy said...

Foi de facto contra o Guimarães que o Diamantino se lesionou, mas acho que o jogo foi na Luz. O autor da entrada violenta foi um jogador que se chamava Adão (chegou a ser internacional no período pós-Saltillo).

Aquela equipa era de facto fraca, mas tinha alguns jogadores com valor, como o Mozer, o Elzo, ou o Magnusson. Mas o jogo passava todo pelo Diamantino. Ele era o cérebro da equipa, e estava numa forma fenomenal. Assim que ele se lesionou, começámos a perder a final. Lembro-me do Águas, na altura em que o Diamantino se lesionou, se agarrar a ele a chorar. Aquilo deitou muito a equipa abaixo. Não sei se terá sido grande ideia colocar a equipa titular a jogar no fim-de-semana antes da final.

 

Enviar um comentário

<< Home