domingo, dezembro 13, 2009

Horrível

Esperávamos esta noite uma exibição categórica do Benfica e uma vitória, de forma a passarmos a pressão para o lado dos adversários e garantirmos pelo menos três pontos de avanço na recepção aos andrades para a semana. Em vez disso o Benfica 'presenteou-nos' com aquela que terá sido talvez a pior exibição da época, que terminou com um empate arrancado a ferros e, pior ainda, como um mal nunca vem só nos deixou perante um cenário muito complicado no que diz respeito a ausências de jogadores-chave para a referida recepção aos andrades.

O pormenor mais importante na equipa que alinhou de início esta noite foi, obviamente, a ausência do Aimar. E as opções que foram tomadas para o substituir. No onze, entrou o Fábio Coentrão. No campo, a primeira aposta para aquelas funções foi o Di María, e depois o Ramires. Ambas falhadas. No caso do Ramires, com os resultados que já se viram anteriormente, porque ele não parece sair-se bem em funções que lhe exijam maior creatividade. Quanto ao Di María, tentou fazer ali aquilo que está habituado a fazer nas alas, ou seja, transportar a bola rapidamente para a frente, através de acções individuais. Não funcionou, porque no meio apanha muitos mais adversários pela frente, e por isso acabou por perder inúmeras bolas, precisamente por se agarrar demasiado à bola e não a fazer circular. Passou depois para a direita, onde também esteve mal - aliás, nos últimos jogos ele tem passado por ali em diversas ocasiões, e em quase todas elas tem-se saído mal. Quanto ao jogo em si, iniciou-se mostrando um mau futebol. Alguma velocidade, mas muitos passes falhados, e muita luta por bolas divididas. Depois, para complicar o cenário, o Olhanense colocou-se na frente logo aos nove minutos, naquele que foi o primeiro remate à nossa baliza. Livre do lado direito da nossa defesa, e o Maxi Pereira a fazer um corte de cabeça defeituoso e perigosíssimo para o segundo poste, onde apareceu um adversário completamente à vontade a cabecear para o golo, perante a passividade do César Peixoto. Sabemos que, esta época, o Benfica ainda não conseguiu vencer nenhum dos jogos em que o seu adversário se colocou em vantagem. A reacção ao golo, no entanto, não foi má de todo. Conseguimos organizar-nos, começar a exercer algum controlo, e a construir, finalmente, algumas boas jogadas de ataque.

As perspectivas melhoraram quando, cerca dos vinte e cinco minutos de jogo, o Olhanense ficou reduzido a dez. Como sempre, num jogo contra o Benfica, os nossos adversários pareceram estar demasiado nervosos e alterados, interessadíssimos em arranjar discussões e confusão. Desta saiu um amarelo para o Cardozo, e um vermelho para o jogador que estupidamente agrediu o Coentrão quando este estava no chão. E quase de seguida, ainda antes da meia hora de jogo, as perspectivas tornaram-se ainda mais animadoras quando o Saviola, no sítio do costume (ao segundo poste), aproveitou um canto para empatar o jogo. Com vantagem numérica, o jogo empatado, e ainda tanto tempo para jogar, era legítimo aspirarmos a uma vitória. Puro engano. Não contava com tiros no próprio pé. Cinco minutos depois conseguimos dar o primeiro, consentindo o segundo golo do Olhanense. Depois do César Peixoto ter cometido uma falta escusada na esquerda, o cruzamento foi encontrar um jogador do Olhanense escandalosamente à vontade, entre o Javi e o David Luiz, que cabeceou para fazer o segundo golo do Olhanense noutros tantos remates à nossa baliza. Sinceramente, confesso que este lance me convenceu que hoje não venceríamos o jogo. Sei que ainda faltava muito tempo, mas conceder dois golos daquela forma, especialmente o segundo, era prova mais do que suficiente de que havia algo horrivelmente errado com a nossa equipa. E como que para confirmar isto, antes do intervalo o Di María juntou a uma exibição perfeitamente inconsequente um vermelho que só posso classificar de perfeitamente parvo (entretanto já o Saviola tinha falhado uma oportunidade que normalmente não desperdiçaria). E se isto não era já suficiente, o Ramires ainda se lesionou com aparente gravidade, tendo que abandonar o jogo.

Para a segunda parte, já com Felipe Menezes no lugar do Ramires, o Olhanense pareceu pura e simplesmente abdicar do ataque. Isto justifica que, apesar da exibição horrível, o Benfica tenha conseguido passar o tempo quase todo no último terço do campo, onde se acantonavam os dez jogadores adversários. Mas apesar de toda a posse de bola e do domínio territorial, a desinspiração era quase total, e as únicas jogadas em que os nossos jogadores insistiam era fazerem cruzamentos sucessivos para a área, invariavelmente condenados ao insucesso. Quase não se viam tabelas entre jogadores, não havia movimentações para fugir às marcações, e a bola andava ali a rondar de um lado para o outro do campo sem que criássemos oportunidades para marcar. Perante tamanho domínio territorial, a opção táctica foi óbvia, ou seja, retirar um jogador da defesa - ficámos apenas com três defesas - para lançar o Weldon no ataque. Não resultou, e a falta de ideias continuava a revelar-se de forma extremamente irritante. O Menezes, que supostamente terá entrado para trazer alguma clarividência e criatividade na organização de jogadas de ataque, rapidamente se afundou na mediania colectiva. Nos últimos minutos ainda entrou mais um avançado (Nuno Gomes) para o tudo por tudo. E só no período de compensação, quando o Olhanense já estava reduzido a nove e o Luisão já actuava a ponta-de-lança, chegámos ao empate, com o Nuno Gomes a aproveitar uma assistência de cabeça (precisamente do Luisão) para marcar. Mesmo assim, e como que para nos dar uma derradeira demonstração do quão má foi a noite, o Olhanense, no único remate que acabou por fazer em toda a segunda parte, ainda poderia ter chegado à vitória mesmo a fechar o jogo.

Pela positiva hoje não destaco ninguém. Hoje foi a equipa num todo a desiludir-me e a irritar-me. Não sei como foi possível consentir um golo como aquele segundo do Olhanense. E não sei o que foi feito de toda a criatividade e alegria no ataque com que esta equipa já nos presenteou diversas vezes esta época. Mas se não consigo escolher alguém para destacar positivamente, já no plano oposto, e apesar da mediania geral da equipa, não tenho qualquer dificuldade em apontar o dedo à exibição do Di María. Enquanto esteve em campo, produziu muito pouco. E depois borrou tudo com uma expulsão perfeitamente estúpida, que não só anulou a vantagem numérica da sua equipa neste jogo, como ainda o deixa de fora para o importante jogo da próxima jornada. Não há qualquer justificação para aquela atitude.

Face aos números puros e duros, podemos dizer que o empate não é um resultado injusto para o Benfica. Mas olhando à qualidade do futebol que apresentámos, julgo que podemos considerarmo-nos felizes por o termos obtido nos instantes finais do jogo. Porque julgo que não será necessário puxarmos muito pela memória para nos lembrarmos de jogos em que, jogando desta forma, chegámos ao final com uma derrota. E para além dos dois pontos deixados hoje em Olhão, temos agora a preocupação acrescida da verdadeira razia que o nosso meio campo sofreu para o jogo da próxima jornada. Afigura-se o cenário de termos os nossos três médios mais ofensivos (Ramires, Di María e Aimar) indisponíveis, ao que acresce a indisponibilidade de dois dos que seriam os seus substitutos naturais (Coentrão e Amorim). Mesmo perante estas contrariedades, a minha confiança mantem-se. Mas também preciso que a nossa equipa me ajude a manter esta confiança. Porque não é com exibições como a desta noite que conseguiremos chegar ao final no primeiro lugar.

11 Comments:

At 12/13/2009 2:43 da manhã, Blogger Bruno Venâncio said...

O árbitro não teve influência no resultado, na minha opinião. O jogo acabou com 5 amarelos para cada lado e 2 vermelhos para o Olhanense e um para nós. O livre que dá o primeiro golo do Olhanense nasce de falta inexistente de Ramires, mas um minuto antes tinha havido um livre igual para nós (mal assinalado). Portanto, por aí estamos quites. Deixam-me algumas dúvidas o golo do Toy, mas é muito semelhante ao do Nuno Gomes. E na expulsão do Djalmir, até podemos estar agradecidos, pois Cardozo, que é muito burro, podia perfeitamente também ter sido expulso. Di María é o que venho a dizer há muito tempo: muito potencial, muito talento para ser explorado, mas ainda lhe falta tanto, tanto, para ser um bom jogador. É um miúdo burro e imaturo. Não tem ponta de inteligência. O árbitro fez o que podia e devia. Aliás, Carlos Fernandes nem lhe fez nada naquele lance que justificasse uma atitude daquelas. Indescritível. Só o amarelo a Coentrão é que acho forçado, mas sinceramente, foi na linha de toda a arbitragem, que considerei boa. Esteve coerente com o que vinha a fazer até então. Burro foi o Jesus em pôr o Coentrão mais a defender quando sabia que já nem ia ter o Di María no jogo com o Porto. Isto sim é ter falta de visão. E se quisermos ser imparciais a sério, David Luiz também deveria ter sido expulso, ou amarelado, no mínimo. E não foi. E o Miguel Garcia acabou por ser por tirar de esforço. Portanto, na minha óptica, não temos de nos queixar do árbitro. Temos antes de criticar a atitude com que a equipa entrou no jogo, na minha óptica totalmente incorrecta. JJ não soube galvanizar a equipa para aguentar psicologicamente este jogo. Viu-se desde o 1º minuto que os jogadores estavam todos condicionados a pensar no jogo com o Porto, e como cada um se aguenta psicologicamente de formas diferentes, tivemos a resposta sobre quem é maduro e quem não é. Cardozo mostrou que não é (e já tem 26 anos). Di María é um puto estúpido. E David Luiz teve sorte porque conseguiu dissimular uma agressão. É nisto que temos de ponderar. A culpa dos insucessos é sempre do treinador, sempre defendi isto. E hoje foi de novo. Apenas e só. Esta é a minha opinião. Curiosamente, os meus comentários iguais a este foram banidos do blog Anti-Tripa, e acusaram-me de ser... portista e que só criticava o Benfica. Acham normal? Eu não. Estou a defender os interesses do meu clube, os verdadeiros interesses, que não se baseiam só em pensar que os árbitros estão todos contra nós. Eu tenho outra filosofia de estar na vida, e de estar no desporto.

 
At 12/13/2009 3:18 da manhã, Blogger joão said...

O treinador errou na equipa mas até aceito a sua escolha embora não concorde com ela, mas pior que isso para mim é não ter feito uma alteração que podia ter mudado o jogou sem fazer nenhuma substituição punha o César Peixoto na posição do Aimar (a única grande jogada foi precisamente a triangulação entre o Peixoto e o Saviola) o Di Maria na esquerda e o Coentrão a defesa esquerdo.
Depois também é discutível a substituição do Peixoto é verdade que não jogou nada esteve nos dois golos e já tinha amarelo mas parece que foi para o poupar de levar o segundo amarelo e não jogar para a semana não devia ter feito o mesmo ao Coentrão já que é a única opção ao Di Maria.

A verdade é que continuamos sem conseguir virar o resultado e penso que desta vez a equipa não consegui porque depois do empate facilitou demasiado porque acreditou que já tinha ganho o jogo, só assim se compreende a falta escusada do Peixoto e a falta de concentração na marcação da falta. Depois já se esperava aquelas quezílias e provocações mas mais uma vez acho que o treinador não preparou e não defendeu o Di Maria tal como em Braga deixou-o do lado do banco do adversário, com isto que afirmei não quero desculpar de modo nenhum o Di Maria.

Infelizmente devido a lesão do Ramirez o Menezes entrou para o lado direito e não para a posição do Aimar, o Menezes ainda não tem a estaleca para estas contrariedades especialmente quando teve de fazer duas posições a do Ramirez e a do Aimar.

Mesmo em termos de oportunidades tivemos mais, seis 3 do Saviola 1 do Cardozo 1 do Nuno e 1 do David Luiz, que eles e não acho que o resultado seja justo, a verdade é que eles tiveram menos oportunidades só por quatro vezes criaram perigo e duas delas precisamente as que deram golo a primeira resulta de uma falta que não existe e parece (eu não me apercebi disseram-me) que existe fora de jogo, milimétrico, no segundo.
Continuamos a não conseguir lutar contra os erros dos árbitros quando estes são cometidos quando não estamos a vencer.

Bruno Venâncio
1- O Cardozo para ser expulso também devia ser o defesa central deles que fez o mesmo que o Cardozo e não levou amarelo.
2- O facto do árbitro ter marcado o falta inexistente a favor do Benfica não desculpa o facto de a falta não ter existido.
3-o cartão amarelo sobre o Coentrão e forçado.
4- o David Luiz devia ter visto amarelo no referido lance, a verdade é que o pisão foi fora do campo e nenhum arbitro actua, já em Braga o João Pereira tem uma entrada sobre o Coentrão fora do campo e o arbitro também não fez nada.

Uma coisa é o árbitro não ter influência no jogo, o que este teve de facto influencia, outra é mesmo tendo influencia o Benfica ter tido a determinada altura do jogo tudo para mesmo assim ter ganho o que de facto teve. Agora dizer que foi uma boa arbitragem não foi, alias na segunda parte existiram duas ou três faltas perto da nossa área que mais uma vez não existiram.

 
At 12/13/2009 3:30 da manhã, Blogger Bruno Venâncio said...

João,

1 - o Cardozo poderia muito bem ter sido expulso. Pôs-se a jeito para isso. Sim, o Anselmo foi lá depois malhar no Cardozo, mas ele, depois do que se passou em Braga nunca devia lá ter ido feito parvo dar uma palmada no Djalmir. Para quê fazer aquilo? É preciso ser burro. Esteve por um fio de falhar o jogo com o Porto.

2 - Claro que não desculpa, mas é a verdade. O que quis dizer com isso é que o árbitro manteve a coerência e não houve dualidade de critérios nesses 2 lances. Por azar (e porque defendemos mal), o livre para eles deu golo.

3 - Concordo plenamente, mas era muito forçado não marcar a falta, e a marcar, tinha de haver cartão. Acho que o Jesus se pôs totalmente a jeito ao deixar em campo o Coentrão (para mim o nosso melhor jogador hoje), sabendo que já não ia poder contar com o Di María pa semana, e tirar o Peixoto. Mas ok.

4 - Mais uma vez digo o mesmo que disse do Cardozo. Se o árbitro tivesse visto, fosse amarelo ou vermelho, o David Luiz tinha sido um burro.

Eu não considero que tenha tido influência no jogo. E não considero que tenha feito uma má arbitragem. É a minha opinião. Acho que os jogadores fizeram tudo para lhe complicar a vida, e ele até esteve à altura do desafio, salvo um ou outro erro que, porra, tem de acontecer sempre. Eu defendo que os árbitros também erram como qualquer ser humano. Apenas há vezes que de tão evidentes serem os erros, percebemos claramente a parcialidade/corruptabilidade dos árbitros. Hoje este não me pareceu nada parcial. Como disse, não lhe custava nada ter expulso o Cardozo, que se pôs a jeito. E não o fez.

 
At 12/13/2009 7:18 da tarde, Blogger joão said...

Bruno Venâncio desculpa mas respondes não respondendo

1-não esta em causa se o Cardozo foi burro ou não (eu até acho que foi muito imprudente) o que esta em causa é que o arbitro perante duas atitudes iguais a do Cardozo e a do Anselmo só penalizou o Cardozo, logo Benfica prejudicado aqui o arbitro não foi coerente.

2- Existe mérito na coerência do árbitro não só nestes dois lances como outros dois na segunda parte um do David Luiz outro do Javi Garcia, agora não impede de eu achar que os quatro lances foram mal apitados com claro prejuízo do Benfica não só na sua quantidade como no resultado final, pese embora a coerência do árbitro.

3-Quando eu digo que foi forçado foi porque foi a pedido e na minha opinião o arbitro só o mostrou por causa da pressão dos jogadores para o mostrar, e para os erros do arbitro não vem ao caso o erro ou não do treinador cuja opinião eu já expressei no post anterior.

Eu não disse que tinha sido a pior arbitragem até hoje que não foi existiram piores, eu não disse que os erros foram premeditados acho que neste caso não foram, eu também não disse que os árbitros não podem errar, tanto podem que errou, e foi isso que eu disse foi uma má arbitragem porque errou em demasia com influencia no resultado e claramente em prejuízo do Benfica. E com isto não deixar de ser verdade que o Benfica teve em determinada altura do jogo tudo para, pese embora os erros do árbitro, ter ganho o jogo.

 
At 12/13/2009 7:40 da tarde, Blogger Bruno Venâncio said...

1 - Desculpa, mas eu acho que é e só pode ser a burrice do Cardozo a estar em causa. E o árbitro pode simplesmente não ter visto a acção do Anselmo. Aliás, até me parece difícil que tenha visto a do Djalmir. Terá mostrado vermelho por indicação do auxiliar. Mas a mim o que me interessa é que o Cardozo não pode ser assim tão burro que, depois de estar marcado pelo que aconteceu em Braga, corra metade do campo para ir dar uma chapada num adversário. É um burro.

2 - Não concordo, mas aqui cada um fica com a sua.

3 - Eu acho que a falta foi forçada, mas naquela posição, a assinalar falta, o árbitro tem de mostrar cartão. Aliás, a falta que o mesmo Coentrão faz em Braga é muito parecida, e quase no mesmo sítio desta. Deu amarelo para Coentrão e deu golo, lembram-se?

Não considero que tenha tido influência no resultado. São opiniões.

 
At 12/14/2009 5:24 da tarde, Blogger Passaralho said...

Só tiros nos pés...

Por mim, sinceramente, cagava para o jogo como os corruptos, punha a canalha toda a jogar, equipa B total, e concentrava-me nos que vão ajudar a decidir o campeonato: Vila do Conde e Madeira.

Ganhando esses, o resultado dos corruptos é irrelevante.

O calendário passa a jogar, muito, a nosso favor, e aprendendo com a merda toda que fizemos este fim-de-semana e não tornando a disparar para os pés, o campeonato não fugia.

Ideias...

Cumprimentos,
Benfica Sempre!

 
At 12/14/2009 5:47 da tarde, Anonymous Anónimo said...

João, concordo com as tuas referências.


Falta de estofo.
Foi isto que a equipa revelou em Olhão.
Um grupo que quer chegar à 30ª Jornada em primeiro lugar faz tudo diferente do que o Benfica fez neste encontro.

Joga concentrado.
Aborda o encontro com clareza.
Tem serenidade competitiva e disciplinar.
Vem organizada desde o 1º minuto de estágio.

Os jogadores tremiam e o treinador, em vésperas de receber o Porto, não soube prepará-los para a correcta abordagem competitiva contra o penultimo classificado.

Sofremos dois golos de cabeça na pequena área. Os nosso jogadores estavam onde ? O GR estava onde ?
Elucidativo da abordagem que a equipa empreendeu neste jogo.

Até os cantos e livres a nosso favor, passaram a ser marcados de forma aleatória (e mal).

Tremeram, tremeram muito e não é encorajador para o que falta.

Até a gestão dos 5 pontos de avanço que tinhamos muito recentemente para o FCPorto, estão dizimados.

O Jorge Jesus continua a gerir mal a questão do defesa esquerdo. Chegámos ao Natal e continuamos ser ter nem saber quem é o defesa esquerdo.
A alta competição não se aborda com "embirragões" e o Jorge Jesus embirrou com o Shaffer.
Vimso então mais um mau jogo (como é hábito) do César Peixoto.

Di Maria,... tem que ser castigado.

Um GR a sério também falta.

O Grupo falhou em Olhão (em várias vertentes) e o cenário não é animador para Domingo.

 
At 12/14/2009 10:44 da tarde, Anonymous Anónimo said...

CORRECÇÃO,... queria dizer

Bruno Venâncio, concordo com as tuas referências.

 
At 12/15/2009 12:01 da manhã, Anonymous JFilipe said...

Sei que são benfiquistas mas essa conversa toda de castigos ao Di Maria que se pede pelas caixas de comentários dos blogs benfiquistas, é de bradar aos céus. Até parece que o jogador se farta de agredir adversários sem razão. Há uma multa contemplada nos regulamentos do clube e será aplicada.

Se o Di Maria jogar contra os gregos vou aplaudi-lo. O rapaz sabe que errou, e é importante que os sócios mostrem que continuam a apoiá-lo.

Agora toca a ganhar ao clube das putas. A pressão continua do lado deles, estão atrás de nós.

 
At 12/15/2009 9:56 da manhã, Blogger D'Arcy said...

Nós somos sempre muito bons a fazer o trabalho dos nossos inimigos.

 
At 12/15/2009 3:18 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Não pode amigos Benfiquistas, não pode.

Em alta competição, que em caso de 1º lugar no campeonato estamos a falar de largos milhões de €, não pode,... O Di Maria prejudicou de forma severa os seus colegas e o clube.

A forma de abordagem competitiva quando se veste aquela camisola, tem que ser a antítese do que o Di Maria fez.

Em vésperas de jogos cruciais a estruturs do futebol e o treinador da equipa não podem ester a gerir a imaturidade de alguns elementos,... existem outros aspectos cruciais a abordar,...

 

Enviar um comentário

<< Home