segunda-feira, novembro 09, 2009

Coração

Foi uma vitória arrancada a ferros. Foi preciso um enorme coração, muito sofrimento, e acreditar até ao fim. A merecidíssima recompensa que chegou no final, da cabeça do Javi García, reforça ainda mais (se possível for) a nossa crença em sermos campeões. Hoje todos, equipa e público (42.000 pessoas na Luz), sentiram o quão importante era esta vitória, e também por isso se justifica a forma como foi festejada. São jogos destes que fazem campeões.


A principal curiosidade para este jogo era ver quem ocuparia os lugares do lesionado Ramires e do castigado Cardozo. No caso do primeiro, foi o Rúben Amorim, e do segundo, a escolha caiu no Nuno Gomes. E confesso que mal soube desta escolha, torci o nariz, porque não me pareceu que fosse a escolha mais acertada para um jogo com o cariz que se adivinhava que este teria. E não foi preciso esperar muito tempo para vermos confirmadas as expectativas sobre como decorreria o jogo. Ou seja, teve sentido único, sempre para a baliza da Naval, já que os nossos adversários desta noite limitaram-se a defender durante praticamente todo o jogo, concentrando os seus onze jogadores nos últimos trinta metros do campo. E desde cedo foi possível ver que teríamos no guarda-redes da Naval uma adversário de respeito. O francês Peiser defendeu tudo aquilo que havia a defender, e levou os benfiquistas quase ao desespero. O Benfica na primeira parte, apesar do domínio total, não fez um futebol tão bonito como o habitual. A Naval dispôs-se bem tacticamente, e as investidas do Benfica, maioritariamente pelo centro e pela direita, esbarravam sempre num pé, numa perna, ou na cabeça de um jogador adversário. O Aimar estava quase sempre marcado em cima, e tinha pouco espaço e tempo para fazer o nosso jogo fluir da melhor maneira.

E depois notava-se, e bastante, a falta do Cardozo. Era necessária uma referência no ataque, e o Nuno Gomes não era capaz de ser esse jogador, já que optava por esconder-se do jogo, encostando-se ao último defesa à espera de uma oportunidade. O Cardozo é por vezes acusado de ser demasiado estático, mas julgo que foi evidente que o Nuno Gomes teve uma participação muito reduzida nas nossas jogadas de ataque, ao contrário das várias jogadas em que o Cardozo costuma aparecer a segurar a bola na frente e a soltá-la para os colegas, ou até mesmo em tabelas ao primeiro toque. Os primeiros momentos de maior perigo acabaram por surgir de bola parada, mas o guarda-redes da Naval estava lá para defender os livres do Di María e do Javi García. O Benfica nunca deixou de insistir - tendo em conta que a Naval quase nem conseguia ter a bola durante mais do que alguns segundos, era difícil que tal não sucedesse - mas o golo estava difícil de surgir. Já era difícil furar a muralha defensiva da Naval, mas quando tal acontecia ainda surgia o guarda-redes como uma última barreira quase intransponível. Após uma boa jogada do Di María, conseguimos uma rara ocasião em que Nuno Gomes ficou em boa posição para marcar, mas demorou algum tempo a rematar e foi desarmado. Já quase sobre o intervalo foi o Saviola, no sítio do costume (ao segundo poste) a acertar no ferro após um canto, e a aumentar a preocupação de que estivessemos perante um daqueles jogos em que a bola não entrava mesmo que lá ficássemos a noite toda.

Para a segunda parte, nada de novo. Apenas e só um sentido de jogo, a Naval encostada à sua baliza, e um Peiser inspirado mais alguma sorte a fazerem com que um cada vez mais injusto nulo se mantivesse no marcador. Logo a abrir, uma falhanço incrível do Nuno Gomes numa recarga a um remate do Javi dava o mote. Em relação à atitude da Naval, no entanto, parece-me que não era a sua intenção defender de forma tão pronunciada, até porque é quase suicídio deixar-se ser sufocado desta forma. Mas isto foi também resultado da pressão enorme que o Benfica e também, porque não dizê-lo, todo o Estádio da Luz exerceram sobre o adversário. Não é que eles não quisessem contra-atacar e tentar ter também posse de bola, pura e simplesmente não o conseguiram (a posse de bola do Benfica deve ter ficado próxima dos 70%). Depois, elogio o facto de a Naval não ter recorrido ao antijogo. Ao contrário do que tem sido habitual nos nossos adversários, não houve jogadores a simular lesões, houve dureza mas não violência, e não vi os nossos adversários em constantes provocações e quezílias com os nossos jogadores. A oposição que a Naval nos fez foi puramente em termos tácticos, e leal, já que lutou com as armas que tinha. Começa a ser uma raridade na nossa liga, e por isso julgo que merece ser mencionada.

O Benfica continuou a martelar sobre a muralha da Naval, mas os remates acabavam sempre por encontrar um obstáculo. O Di María, com um grande remate, fez a bola voltar a acertar nos ferros da baliza (ainda com a contibuição do guarda-redes, que toca na bola). Tentou-se de tudo, desta vez com maior predominância pela esquerda, onde o Di María, apesar de algo desastrado e mais individualista do que seria desejável, era um dos jogadores mais em foco. O nosso treinador lançou para dentro do campo os dois pontas-de-lança que tinha no banco, Keirrison e Weldon, mas o golo parecia, ainda e sempre, difícil de conseguir. Até que, a um minuto do final, o Di María sofre uma falta na esquerda do nosso ataque. Já vimos a nossa equipa marcar vários golos assim esta época, e por isso a Luz acreditou, e puxou ainda mais pela equipa (durante todo o tempo de jogo, apesar do empate persistir, apesar das coisas nem sempre sairem bem aos nossos jogadores, nunca se ouviram assobios, e o apoio à equipa foi constante - e esta tem sido uma das nossas grandes forças esta época). O Di María marcou o livre, e no centro da área surgiu o Javi García a cabecear exemplarmente e (finalmente!) de forma indefensável para o fundo da baliza. E se calhar, nenhum dos jogadores em campo merecia mais aquele golo. Foi a explosão na Luz, o libertar de toda a tensão acumulada perante aquilo que já parecia ser um golpe injusto do destino. O apito final selou uma vitória que, todos nós o sentimos, poderá ser importantíssima na caminhada para o título que desejamos.

O melhor em campo, também pelo golo, mas não apenas por isso, foi para mim o Javi 'É uma vergonha' García. Que grande jogo fez o espanhol, quer nas suas tarefas habituais de recuperação da bola e auxílio à defesa, mas também empurrando a equipa para a frente e colaborando no ataque sempre que possível, tendo arriscado o remate de longe em várias ocasiões. O Di María, apesar dos 'pecados' que lhe apontei anteriormente, foi sempre um jogador importante na dinamização do nosso ataque, nunca se escondendo do jogo e assumindo a responsabilidade de ter a bola e conduzir os ataques. Bom jogo também do David Luiz e do Coentrão a lateral, pela terceira vez consecutiva para a Liga.

Agora lá teremos que parar mais uma vez para dar lugar aos habituais dislates e disparates do Queirósz e companhia. Mas vamos para esta pausa com a tranquilidade de termos voltado a apanhar os líderes, e de termos aumentado para cinco os pontos que nos separam dos andrades. O jogo desta noite era um daqueles momentos decisivos, e a equipa mostrou ter garra, alma e coração para alcançar o sucesso. É um orgulho vermos a nossa equipa jogar assim, e com esta atitude. À Benfica.

15 Comments:

At 11/10/2009 8:55 da manhã, Anonymous Filipe said...

Esta foi a ferros...Os nossos remates fizeram o GR deles brilhar. É preciso sofrer também. Grande vitória e grande golo!

 
At 11/10/2009 10:53 da manhã, Anonymous JFilipe said...

Não era jogo para os avançados brilharem, pelo menos até entrar o primeiro. Basta ver que Saviola, Keirrison e Weldon também não fizeram nada. Não é uma questão de ser móvel e fazer tabelinhas, tem que haver algum espaço no centro do terreno e uma equipa que tem apenas 28% de posse de bola não o dá.

O Cardozo poderia ter feito a diferença sobretudo pela estatura, e pelos remates fora da área.

 
At 11/10/2009 12:38 da tarde, Anonymous Anónimo said...

3 pontos preciosos que foram conquistados com labor, atitude e garra até ao final das forças.
Não via isto à várias épocas, por isso, esta vitória soube muito melhor que as goleadas.

Passámos 1 hora a jogar com um jogador a menos.
Não é perceptível a opção do JJ pelo Nuno Gomes. É um jogador que está fora deste filme. Se não rendia nas épocas anteriores, com a actual dinâmica muito menos renderá. Portanto, esta opção não foi certamente por mérito desportivo e em competições de alto nível não concordo que sejam dados "rebuçados" aos jogadores

Javi Garcia fez mais um jogo excelente (não pelo golo), mas devemos sublinhar também o Fábio Coentrão.
Foi ele que apagou todos os "fogos" na parte final do tudo ou nada em que a equipa, em diversas ocasiões, estava desiquilibrada e ficáva vulnerável ao contra ataque da naval.

Ruben e Saviola longe do que já mostraram.

Fomos 41982,... a atitude dos jogadores, o esforço dos quadros dirigentes e o enquadramento desportivo actual, mereciam mais.

 
At 11/10/2009 1:23 da tarde, Anonymous 1benfiquista na said...

Partilho integralmente o que foi escrito. NG é um erro de casting e não há necessidade de termos este Caicedo White no nosso clube.

Impõe-se alguma dignidade no momento de terminar a carreira...

De resto um sofrimento enorme...e um alívio ainda maior com o golo...

 
At 11/10/2009 1:23 da tarde, Anonymous 1benfiquista na said...

Partilho integralmente o que foi escrito. NG é um erro de casting e não há necessidade de termos este Caicedo White no nosso clube.

Impõe-se alguma dignidade no momento de terminar a carreira...

De resto um sofrimento enorme...e um alívio ainda maior com o golo...

 
At 11/11/2009 9:49 da manhã, Anonymous SLBRED4EVER said...

RIP ENKE. OBRIGADO POR TERES SIDO GLORIOSO.

 
At 11/11/2009 7:16 da tarde, Blogger joão said...

Mais um excelente post, na minha opinião para a não violência do adversário muito contribuiu a pronta intervenção do arbitro que para quem o visse pela primeira vez até poderia pensar que é um bom arbitro.
Só não gostei muito foi da atitude da equipa depois do golo marcado, a passividade e falta de concentração podiam ter sido fatais.

Anonymous a opção pelo Nuno Gomes é tão discutível como era a opção por Keirrison ou por Weldon.
Keirrison sempre que tem sido chamado ainda não tem demonstrado o seu valor, alias tem sido considerado como um corpo estranho na equipa.
Weldon que teve um grande início de temporada mas que depois da sua lesão ainda não atingiu o ponto anterior pese embora a sua combatividade.
Nuno gomes sempre que tem sido chamado, Monsanto e Nacional só para referir as ultimas, ou jogou razoavelmente ou marcou.
Se aliarmos isto ao facto de Weldon ser um jogador que gosta e precisa de espaços e que não é um jogador para jogar no meio dos centrais, vide o próprio jogo em que Weldon quando foi ocupar a posição do Nuno gomes nada trouxe de novo apenas quando o Keirrison foi ocupar esse lugar e ele descaiu um pouco mais para as faixas é que conseguiu dois remates.
Com isto não quer dizer que ele jogou bem muito pelo contrário não jogou bem e falhou duas bolas que podia e devia ter marcado.
Agora dizer que foi um “rebuçado” é um pouco demais sabendo que nenhuma das outras opções são neste momento claramente superior e aliado a isto ele é o capitão de equipa, e muitas vezes um capitão é importante para além daquilo que joga, e sobretudo è o treinador que trabalha com eles a semana toda.

1benfiquista desculpe mas comparar um jogador com a Historia que Nuno Gomes tem no Benfica, goste-se dele ou não, com um jogador que chegou agora a um clube e que pouco se conhece do seu passado é um pouco de falta de consideração. Independentemente da qualidade passada ou presente do Nuno Gomes os números são para respeitar.

 
At 11/11/2009 9:48 da tarde, Blogger Ginha said...

INVASÃO AO ALVALIXO!

Já se sabe que os bilhetes que forem para a Luz devem ser, e muito justamente, quase todos vendidos ás claques por isso e que tal quem não arranjar bilhete na Luz ir comprá lo directmente ao WC?Custam 30 euros para a superior norte e eles borrados como estão não devem esgotá los!
Passem esta mensagem a todos os benfiquistas...

 
At 11/11/2009 11:12 da tarde, Blogger Filipe said...

N ajudo a lagartagem a comprar reforços!

 
At 11/11/2009 11:53 da tarde, Anonymous Anónimo said...

João,

eu compreendo o que queres transmitir, mas desculpa discordar.

O Nuno Gomes, na minha opinião, não jogou razoavelemente com o Nacional.
É um jogador, e respeitando sua história, que actualmente não trás mais valias à equipa, ainda por cima com a dinâmica de jogo utilizada.

A opção pelo Weldon seria mais inteligente.
Primeiro, porque logo à partida, sabiamos (e não é preciso ser bruzo) que o NG iria render muito pouco, segundo porqu eo Weldon tem o dobro da velocidade e o dobro da capacidade física.
Portanto, desgastava os adversário em semelhante proporção, o que seria um factor a explorar numa fase mais adiantada do jogo.

Mas também ou mais importante, seria estratégico e até estrutural para o futuro da equipa.
Com campeonato, UEFA, Taça de Portugal e Taça da Liga temos que ter opções ao Cardoso, logo a utilização do Weldon e do Keirrison seria bastante pertinente também neste aspecto.

 
At 11/12/2009 11:19 da tarde, Blogger Filipe said...

Pois eu acho que contra autocarros, é importante ter gente que saiba jogar à bola. Desmarcar-se, tabelinhas, triangulações. Se me disserem que o Nuno jogou mal, td bem...se me disserem que a escolha dele n fez o menor sentido, discordo. Menos sentido fez o Keirrison, que não joga absolutamente nada!

 
At 11/13/2009 12:57 da manhã, Anonymous Anónimo said...

... e dicilmente jogará bem na actual dinâmica da equipa.

... e dificilmente a equipa retirará mais valias do NG no actual sistema ofensivo.

... e não serve para o sistema defensivo, pois actualmente é utilizada uma primeira linha defensiva muito pressionante

... e a sua utilização retira a possibilidade de utilização de outro jogador na sua posição, com actual potencial de evolução, coisa que o NG já não tem

 
At 11/13/2009 1:23 da manhã, Blogger D'Arcy said...

Em campo para tabelinhas, triangulações, desmarcações, etc, já estava o Saviola. E o que eu vi foi o Nuno Gomes o tempo todo a esconder-se do jogo, atrás das costas dos defesas, na esperança de que a bola o fosse encontrar. Até o 'tosco' do Cardozo tem participado muito mais em tabelas e em desmarcações para os colegas.

 
At 11/13/2009 8:51 da manhã, Blogger Filipe said...

Claro, nem eu disse que o Nuno fez um bom jogo. Entre o Cardozo e Saviola e os demais avançados há uma diferença grande. Entre Nuno Gomes e Weldon a diferença na qualidade que podem dar à equipa n é abismal. Aceito que prefiram o Weldon. Agora não acho que a escolha do Nuno Gomes tenha sido má ideia. O jogo não lhe correu bem, mas para defesas cerradas, ter jogadores que saibam combinar entre si n me parece má ideia.

 
At 11/21/2009 10:30 da tarde, Blogger www.gloriosasfera.com said...

Em homenagem aos Blogues Benfiquistas, a Gloriosasfera passa a apresentar em destaque as imagens dos Blogues Benfiquistas actualizados.

A todos os Benfiquistas que têm a coragem de escrever a sua opinião públicamente,
A cada voz própria que grita bem alto “Viva O Benfica” ,
A todos quantos divulgam o Benfiquismo com tanto amor e paixão,
Aos Blogues Benfiquistas

 

Enviar um comentário

<< Home