sábado, fevereiro 27, 2010

Banho

Se há por vezes uma certa tendência para abusar do termo 'banho de bola', hoje foi um jogo em que esse termo se aplicou na perfeição. Foi mais do que um banho; foi um massacre, com uma grande exibição de toda a equipa e um recital do Di María (e tal como já disse num programa, é preciso ser-se muito burro ou o Eduardo Barroso para não se conseguir reconhecer que o argentino é um fora-de-série), que terminou numa vitória por quatro golos e que poderia ter sido ainda por mais.
Algumas surpresas no onze inicial, com as presenças do Airton e do Éder Luís nos lugares do castigado Javi García e do poupado Aimar. Isto resultou num Benfica algo diferente do habitual. O Saviola parecia ser o responsável por jogar na posição habitual do Aimar, mas trocava frequentemente de posição com o Éder Luís, e jogava também mais avançado do que o Aimar costuma fazer. Diferente ou não, a atitude é que interessava, e esta foi à Benfica. Os primeiros minutos deram logo a tónica daquilo que o jogo seria. O Benfica entrou a mandar no jogo, e não deixou de o fazer por um minuto que fosse até ao apito final do árbitro. A exemplo do que vimos contra o Hertha, o Benfica pressionou alto e manteve o Leixões quase sempre remetido ao seu meio campo, e com isso já estava uma boa parte do trabalho feito. O resto seria marcar golos, e logo aos quatro minutos foi dado o primeiro aviso, com o David Luiz a cabecear a bola ao poste, na sequência de um canto. O domínio continuou, e pouco depois dos vinte minutos conseguimos mesmo marcar. O Di María, a mostrar que estava inspirado, desmarcou-se após um bom passe do Cardozo, e meteu a bola na baliza. Mas o Lucílio (esse sacana) resolveu mostrar mais uma vez que é um árbitro amigo do Benfica, e ajudou-nos anulando um golo limpíssimo por um inexistente fora-de-jogo do Di María. Sabendo ele que em alguns jogos recentes o Benfica tem marcado cedo e depois desacelerado um pouco, acabando por sofrer dissabores, então resolveu anular o golo, de forma a obrigar os nossos jogadores a manterem-se concentrados e a manter a pressão sobre o adversário. O Lucílio é assim mesmo, e ajuda-nos à descarada.

Devido ao benfiquismo do Lucílio, tivemos portanto que esperar até aos vinte e sete minutos até obtermos a justíssima vantagem no marcador. Foi um remate desferido pelo Éder Luís ainda a alguma distância da baliza do Leixões, a beneficiar de um ressalto feliz num defesa adversário que fez a bola entrar junto ao poste da baliza. Mas como o golo não foi muito madrugador, a nossa equipa já não abrandou, e até ao intervalo continuou a pressionar e a exibir um domínio absoluto em campo, na procura do segundo golo. Ameaçámos por diversas vezes, e quase sobre o intervalo o Saviola esteve muito perto de o conseguir, mas o golo foi negado por uma boa defesa do Diego. Face à superioridade exibida, a vantagem mínima ao intervalo era injusta por ser tão escassa, mas a manter-se o mesmo cenário na segunda parte seria muito difícil que os números no marcador se mantivessem equilibrados.

E a verdade é que o cenário só se alterou após o intervalo para ficar ainda mais desequilibrado para o nosso lado. Logo a abrir, mais um passe fantástico do Cardozo a isolar o Di María, que teve o seu momento de maior desinspiração na noite ao não conseguir ultrapassar o guarda-redes do Leixões. O festival continuou, e o Benfica voltava a desperdiçar, desta vez com o Di María e o Cardozo a não conseguirem marcar num lance em que o David Luiz apareceu solto na área a tocar para trás. Face a intenção do Leixões em subir um pouco, O Jorge Jesus lançou o Carlos Martins no jogo, para o lugar do Éder Luís, de forma a aproveitar a sua capacidade de passe para explorar os espaços que se iam abrindo nas costas da defesa adversária, e esta alteração resultou em cheio. O segundo golo acabou por aparecer com naturalidade. Novamente o Di María, desmarcado sobre a esquerda a passe do Ramires, e desta vez ele optou por um remate por alto, com a parte exterior do pé, que só parou no fundo da baliza. a vencer por dois, foi altura de poupar o Saviola, entrando o Peixoto para lateral esquerdo, para subir o Coentrão e deslocar o Di María para segundo avançado. e mais uma vez esta alteração resultou em cheio, pois foi nessa posição que o Di María fez mais dois golos. O primeiro a um quarto de hora do final, após uma grande desmarcação a corresponder a um passe brilhante do Carlos Martins, que o deixou na cara do guarda-redes, tendo ele aproveitado para fazer o chapéu que tinha falhado logo no início da segunda parte. E o segundo num grande remate (um dos aspectos em que ele parece estar a melhorar a olhos vistos) de fora da área, que levou a bola ao ângulo da baliza e deixou o guarda-redes sem reacção. E entre estes golos, mais oportunidades falhadas, que justificam que se pense que os quatro golos marcados ainda poderiam ter sido mais.

Claro que o maior destaque vai direitinho para o Di María. Marcou três golos (ou melhor, marcou quatro, mas o benfiquismo do Lucílio tirou-lhe um), mas mesmo antes de ter marcado um só golo já eu enviava SMS a elogiá-lo. É um jogador fundamental, que desequilibra qualquer jogo, e está numa forma estupenda. Quarenta milhões já começam a parecer-nos pouco dinheiro. O Cardozo não marcou, mas merecia. E fez um grande jogo como referência no ataque. Está cada vez melhor a segurar a bola de costas para a baliza e a lançar os colegas. Elogios também para o nossos dois Senhores centrais. Finalmente, um dos factores de maior curiosidade para nós neste jogo seria ver o Airton, que fazia a estreia absoluta. E do que eu vi, só posso dizer: muito bom. Julgo que um dos maiores elogios que lhe posso fazer é que não sentimos a falta do Javi. Fez uma exibição muito personalizada, em que primou pela simplicidade. Acho que não estarei enganado se disser que não terá falhado um passe durante todo o tempo que esteve em campo. Mostrou bom sentido posicional e inteligência. Fiquei com vontade de ver mais deste jogador, acabadinho de completar apenas vinte anos.

Tal como dizia o Jesus na terça-feira, a equipa mostrou estar fresquinha como uma alface. O campo estava pesado, o tempo complicado, não jogaram dois jogadores nucleares (e que na terça-feira tinham sido dos principais responsáveis pela boa exibição contra o Hertha) e a equipa voltou a dar espectáculo, e a vender saúde física do princípio ao fim do jogo. Nem o benfiquismo do Lucílio nos atrapalhou. Entretanto, quem não gostar pode ir fazer vigílias, que nós ficamos à espera dos próximos.

14 Comments:

At 2/28/2010 1:16 da manhã, Anonymous Filipe said...

Ainda não estou convencido com o Éder Luís...

É pena o Benfica ser uma equipa cansada...seria um mimo ver o Benfica jogar se os jogadores estivessem frescos...

 
At 2/28/2010 1:47 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Domínio total.

Foi uma vitória com total controlo de todos os processos de jogo e como eu aqui previ nos dois ultimos tópicos:

1 - Aimar não estava em condições para este jogo.

2 - Não seria este um obstáculo no objectivo final.

3 - Tardava a utilização de Kardec, Airton e Eder Luís, tendo em conta o calendário de jogos que vamos disputar em Março e aí está,... Airton e Eder a ajudar a equipa.


Agora vão alguns jogadores às suas selecções e vamos a ver se vêm todos como vão, depois...

...depois temos um mês de Março alucinante e decisivo.

 
At 2/28/2010 2:25 da manhã, Blogger Treinador de Sofá said...

Ayrton esteve muito bem (para estreia e num campo complicado). Eder Luis é que não (invariavelmente, previsivel e pezinhos de lã).

Já agora, um pequeno reparo. Nunca gostei de LB como arbitro. Sempre desconfiei de um arbitro que passa 90 minutos com risos cinicos em campo, mas o golo foi anulado devido a (errada) sinalética do seu "Fiscal de Linha" e não pelo LB. A César o que é de César.

D'arcy, que Di Maria é um fora de serie já se sabia aquando do Mundial de sub-20, o que não invalida que cresceu muito nestes anos. Mas que continua, por vezes a perder discernimento do jogo em si, lá isso continua. Falta-lhe o jogo mental, porque talento e qualidade tem lá.
Agora, também acho, que se aquele golo não é anulado, duvido que ele marcasse o hat-trick de hoje. Porque após aquele minuto, Di Maria, parecia um diabo a solta.

 
At 2/28/2010 2:37 da manhã, Anonymous JFilipe said...

O Di Maria tem tido uma evolução relativamente lenta mas segura. Mostra a importância de se apostar num jogador quando se vê talento. Começou como um jogador que corria muito, fintava, mas era algo inconsequente, aprendeu a fazer assistências, e começa finalmente a marcar golos. É quase inevitável que saia no final da época.

Sobretudo é de louvar a paciência da direção. Já se tinha visto com o Luisão, que no início também era criticado por muito boa gente. O próprio David Luiz e o Coentrão são outros casos em que a direção tem mostrado paciência para com o talento.

A única coisa que esta equipa realmente precisa é de alguém que marque livres à Simão.

 
At 2/28/2010 2:57 da manhã, Anonymous Anónimo said...

o 4 golo é um grande golo bravo bravissimo dimaria ainda bem ke keiroz nao convocou nenhum jogador do benfica assim não se cansam LOLOLOL obrigado keiroz anti benfica

 
At 2/28/2010 11:55 da manhã, Anonymous Filipe said...

Em relação ao Di Maria tenho a dizer o seguinte:

1- Não é por causa de um jogo que as características de um jogador mudam. O que se sabe até agora é que Di Maria finaliza mal.Houve um jogo em que marcou 3 golos e nos outros do campeonato marcou zero.


2- Se numa equipa houverem 10 jogadores que jogam como equipa, haver um que seja mais individualista, que procure fazer mais uma finta, fazer um bonito é algo que não só não me choca, como penso que seja fundamental para a equipa e para o espectáculo. Porque os lances de génio, de artista, também fazem parte do futebol e há que dar confiança ao artista para continuar a tentar. Mesmo que passe o jogo a perder a bola, ou a ser inconsequente, se conseguir por uma vez apenas nesse jogo, tirar um coelho da cartola, já terá valido a pena. Os desiquilibradores são muito importantes e no dia em que Di Maria deixe de ter a confiança para partir para cima de um adversário, para tentar fintá-lo, ou correr mais um pouco com a bola, por causa dos nosso apupos, quem perde é o Benfica.

 
At 2/28/2010 1:19 da tarde, Blogger sloml said...

Faltam 8 finais. Se as ganharmos todas, a recepção ao Rio Ave será a festa definitiva.

 
At 2/28/2010 10:24 da tarde, Anonymous JFilipe said...

O Di Maria finaliza mal? Leva 8 golos em competições oficiais esta época.

 
At 3/01/2010 1:14 da manhã, Anonymous Anónimo said...

7 Março : Benfica - P.Ferreira
11 Março: Benfica - Marselha
14 ou 15 Março : Nacional - Benfica
18 Março : Marselha - Benfica
21 Março : Benfica - Porto (TL)
28 Março : Benfica - Braga
1 Abril : 1/4 UEFA
4 ou 5 Abril : Naval - Benfica
8 Abril : 1/4 UEFA
11 Abril : Benfica - Sporting
18 Abril : Académica - Benfica

 
At 3/01/2010 7:33 da tarde, Blogger joão said...

Mais um post de grande qualidade.


Anonymous a não utilização do Aimar teve mais a ver com o estado do terreno do que com problemas de ordem física senão nem sequer era convocado.


Filipe o Di Maria era um jogador até ao inicio desta época que finalizava mal, mas que durante a mesma vem mostrado assinaláveis melhorias na finalização, se calhar até o aspecto em que ele melhorou mais este ano, e estou a dizer isto não pelos três golos que marcou no sábado mas pelos que já tinha marcado esta época, não te podes esquecer que embora não tenha marcado nenhum golo no campeonato o Di Maria já tinha marcado golos esta época noutras competições.
No resto não podias estar mais certo.

 
At 3/01/2010 10:21 da tarde, Anonymous Filipe said...

É um mau finalizador, que queres? É desastrado... dada as ocasiões que tem e a forma desajeitada como as desperdiça, demonstra até aqui que aquilo não é o seu forte. Tem mais golos? Também tem mais jogos...O Nuno Gomes tem 4 golos em 6 jogos, é bom finalizador?

 
At 3/02/2010 12:13 da manhã, Blogger Treinador de Sofá said...

Ser bom finalizador, nada tem a ver com o numero de golos em relação aos jogos jogados. Ser bom finalizador tem mais a ver com o indice de aproveitamento das oportunidades que tem. E Di Maria, não é um finalizador mas também demonstrou com a cabeça no sitio não precisa de muito para o ser. Até porque em situações de 1 para 1 (onde se ve os melhores "finalizadores"), norma geral, ele marca. Marcou 3 (em 5 oportunidades claras de golo, sem contar com o golo anulado) o que por si só mostra melhorias. Se compararmos com os Di Marias anteriores.

@Filipe: Se formos a ver, Nuno Gomes até tem sido um bom finalizador. Goleador nem tanto, mas idade já pesa.

 
At 3/02/2010 7:10 da manhã, Anonymous JFilipe said...

Por falar em finalizadores, o Urreta marcou dois pelo penarol, sendo decisivo na vitoria 3-2 do clube. Com a puta rodriguez castigada dois jogos na seleção, se o miudo continuar a jogar bem é capaz de ganhar-lhe o lugar.

 
At 3/02/2010 5:28 da tarde, Anonymous Anónimo said...

João,

Não sei bem se a indisponibilidade do Aimar tem mesmo correlação com o que referes.

Olha que hoje a área de comunicação do Benfica também melhorou muito, não comentendo as "atrocidades" que assistiamos a alguns anos atrás.

 

Enviar um comentário

<< Home