domingo, março 14, 2010

Fulcral

Esta vitória foi fulcral na caminhada para o título. Foi merecida, por aquilo que a equipa lutou por ela, mas foi autenticamente arrancada a ferros. Mais um daqueles jogos de que se fazem os campeões.


O pormenor de maior destaque no nosso onze foi a entrada do Rúben Amorim para o lugar do Maxi Pereira. De resto, e em relação ao jogo com o Marselha, a única outra diferença foi o Fábio Coentrão em vez do César Peixoto. Cedo deu para ver que não teríamos vida fácil esta noite. O jogo não era muito diferente daquilo que se esperaria, com o Benfica a assumir o controlo, mas sem muito espaço para conseguir criar um jogo ofensivo de qualidade. Em termos de oportunidades, aliás, o Nacional conseguia equilibrar as contas, colocando o Quim à prova em mais de uma ocasião. Do nosso lado, a qualidade no ataque ressentia-se do mau jogo que o Aimar ia fazendo, continuando no mesmo registo daquilo que exibiu frente ao Marselha. As melhor oportunidade do Benfica foi criada pelo Saviola, que numa iniciativa individual entrou na área pela esquerda, mas depois não conseguiu acertar com a baliza. Iniciativas individuais pareciam aliás ser a forma mais provável de criarmos perigo, já que a defesa do Nacional, quase sempre bem colocada, conseguia interceptar praticamente todos os cruzamentos ou passes nas imediações da área.

A segunda parte trouxe um Benfica melhor. Conforme já é um hábito esta época, o Benfica entrou na segunda parte a pressionar bastante, e parecendo decidido a chegar rapidamente ao golo, tendo o Fábio Coentrão dado o mote logo nos primeiros minutos. O Nacional agora não conseguia responder em contra-ataque, e o Benfica, contando também com um Aimar uns furos acima do que tinha feito na primeira parte, passava grande parte do tempo instalado no meio campo adversário. Mas continuava a faltar inspiração aos nossos jogadores na altura de finalizar. Pouco depois dos quinze minutos, beneficiámos de um penálti. Na altura pareceu-me que era uma falta clara, mas as repetições mostram que não foi esse o caso. Confesso que não fui capaz de ver a marcação do penálti. Num jogo que estava a ser tão difícil, fiquei logo com um mau pressentimento, e infelizmente isso confirmou-se, pois o Cardozo, de forma incrível, nem sequer acertou na baliza. Mas quase nem deu tempo para amaldiçoar o paraguaio, porque na jogada de ataque seguinte o génio do Saviola descobriu, com um passe para as costas da defesa, uma grande desmarcação do Rúben Amorim na direita, e este deixou ao Cardozo apenas a tarefa de, a um metro da linha de golo, empurrar a bola para o fundo da baliza.

O mais difícil estava feito, mas ainda havia muito trabalho pela frente. A vinte minutos do final, o Benfica mudou tacticamente, entrando o Maxi para o lugar do Aimar e passando a jogar em 4-4-2, com o Rúben a médio, o Maxi a lateral, e o Ramires no centro, perto do Javi. O Nacional tentou reagir ao golo, e conseguiu pressionar-nos mais, mas também poderíamos ter resolvido a questão mais cedo. O Cardozo teve nos pés a oportunidade para o segundo golo, isolado por mais um passe do Saviola, mas permitiu a defesa ao guarda-redes do Nacional. No canto que se seguiu, mais uma vez poderíamos ter marcado, mas ninguém conseguiu dar o toque decisivo para a baliza. Nos últimos dez minutos, recuámos no terreno, e sofremos a consequente pressão do Nacional. Que nunca foi sufocante, mas deu para pregar um susto, tendo o Quim salvo o golo do empate ao corresponder com uma boa defesa a um cabeceamento. Em cima dos noventa minutos o Nacional ainda dispôs de um livre muito perigoso, e mais uma vez não tive sequer coragem para ver o lance (que felizmente terminou sem consequências). O apito final soou, e com ele a confirmação de que receberemos o segundo classificado com a tranquilidade acrescida de dispormos de três pontos de vantagem.

Sei que serei sempre suspeito quando escrever algo assim, mas para mim o melhor jogador do Benfica esta noite foi o Saviola. Trabalhou que se fartou na frente, veio atrás buscar jogo, desmarcou colegas (várias vezes ele pareceu estar a substituir o Aimar nas funções de organizador de jogo) e foi ele o autor do passe para a desmarcação do Rúben no lance do golo. Bom jogo também dos nossos centrais. O Cardozo acaba por ser o herói do golo, mas poderia perfeitamente ter sido o vilão do jogo pelo penálti falhado de forma incrível (e ainda por aquela oportunidade flagrante desperdiçada). O Aimar fez uma primeira parte muito fraca, mas conseguiu melhorar na segunda. Espero que, à medida que vá ganhando ritmo, volte à forma a que nos habituou.

Mais um passo dado na caminhada para o título. Agora já só faltam sete, mas até ao próximo teremos que esperar duas semanas, já que pelo meio teremos a viagem a Marselha e a final no Algarve. Bem sei que o que interessa mesmo é o tal jogo daqui a duas semanas. Mas se, pelo meio, pudermos ganhar os dois jogos que temos, óptimo.

9 Comments:

At 3/14/2010 11:30 da tarde, Anonymous 1benfiquista na Inbicta said...

Este era o nosso jogo fulcral...como bem disseste...Só dependemos de nós...Como agora se diz: CARREGA BENFICA...

 
At 3/15/2010 12:50 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Brio.

Foi o que os jogadores do Benfica mostraram hoje.
Notava-se uma grande vontade de ganhar este jogo, o que implicou uma ansiedade também grande observada em diversos momentos da partida.

Existem porém, quatro aspectos negativos que gostaria de focar e que carecem de melhorias:

1
Aimar.
O D´Arcy já referiu que o Aimar realizou um mau jogo. Mas no ultimo jogo ainda esteve pior e nos anteriores não jogou.
Vêm ai jogos decisivos e não podemos estar 60 minutos a jogar apenas com 10.

2
Quinta grande penalidade falhado pelo Cardoso.
Já por duas ocasiões, as grandes penalidades penalidades falhadas pelo Cardoso originaram pontos perdidos.
Hoje quase voltava a acontecer.
Se existirem novas ocasiões semelhantes é aconselhável outro jogador a marcar o castigo máximo.
É verdade que o Cardoso foi o autor do golo e teve o mérito de estar no local certo, mas 90% da construção do golo foi do Ruben Amorim.

3
Pelo segundo jogo consecutivo e repetindo outras acções anteriores, o Cardoso falha um golo apenas com o GR adversário pela frente.

4
Deixámos de criar perigo nas bolas paradas, quer seja livres, quer seja cantos.

 
At 3/15/2010 2:32 da manhã, Blogger sloml said...

As próximas três partidas são as verdadeiras finais desta temporada, na minha opinião. Para já, vamos vencer em Marselha. Eu acredito!

 
At 3/15/2010 2:44 da manhã, Anonymous Anónimo said...

eu acho uma estupidez ser sempre o mesmo a marcar penaltys devia se dar oportunidades a todos até ao guarda redes assim ninguem se sentia a estrela da companhia afinal uniao de grupo e amizade é isso acho e se o cardozo tem 19 golos ja podia ter 25 ou mais é que se fosse só os penaltys.....mas bom força cardozo és bom chico e já agora continua de vermelho na próxima época

 
At 3/15/2010 10:52 da manhã, Blogger Mr. Shankly said...

Grandes jogos do David Luiz e Saviola. Grande vitória, um espírito fantástico.
2-0 com o Braga e está feito. Se não ganharmos, vamos sofrer muito.

 
At 3/15/2010 11:56 da manhã, Blogger zé danos said...

grande joga do Amorim!

(fui só eu que vi ou o Jesus, no golo, foi reconhecer ao Amorim a verdadeira importância que ele teve no golo e na vitória?)

 
At 3/15/2010 2:48 da tarde, Blogger D'Arcy said...

Bom jogo do Amorim, sim senhor. E acho que toda a gente reconheceu a importância que ele teve.

 
At 3/15/2010 7:42 da tarde, Blogger joão said...

Muito boa a análise, mas permita que discorde de uma coisa, a falta sobre o David Luiz, a falta em si para mim é clara o local é que não, fiquei com a ideia sem ver a repetição que tinha sido fora e na repetição de facto o toque é fora da área e para logo na minha opinião não era penalty, mas o outro pé do David Luiz, o de apoio, esta a pisar a linha de grande área e confesso a minha ignorância não sei o que é que as leis do jogo dizem sobre esta situação.

Anonymous ao que eu me lembro apenas foi o quarto penalty falhado pelo Cardozo, nos dois jogos que aludes haver pontos perdidos por culpa do Cardozo já respondi a um Anonymous, não sei se o mesmo que temos de considerar todas as oportunidades falhadas alem de adicionar os culpados dos golos sofridos, não é serio culpa um jogador por falhar um penalty seja quem ele for.
Agora concordo que da próxima devia ser outro a marcar o penalty mas por razões diferentes:
- É a primeira vez que ele falha dois penaltys seguidos, ele tinha sempre respondido bem depois de falhar o que não aconteceu desta vez.
-Como forma de aliviar a pressão sobre o jogador dando descanso da marcação de penalties pelo menos os que sejam decisivos.
-Porque este de facto foi mal marcado, na minha opinião no anterior ele teve azar, acertou na barra.


O Rubem Amorim já tinha estado muito bem no último jogo para o campeonato, tinha sido na minha opinião um dos melhores no jogo.

 
At 3/16/2010 12:19 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Joao,

Os comentários no âmbito das grandes penalidades falhadas pelo Cardoso, não têm como objectivo qualquer análise ao carácter, à pessoa, à aderência, à ambição do Cardoso.

Apenas, tão só, mencionar o "facto",... o Cardoso continua, com uma regularidade anormal, a falhar grandes penalidades, ... acto esse que já nos custou, em duas ocasiões, pontos perdidos.,... e quase voltava a acontecer.


Mas já estou a pensar no que se vai passar em Marselha.
A passagem à próxima eliminatória seria importante para o clube no seio da Europa do futebol,... mas pelo que observei na primeira mão, sinceramente, não estou optimista.
Espero enganar-me redondamente.

 

Enviar um comentário

<< Home