sexta-feira, outubro 24, 2008

Resultado

Começo por utilizar uma frase muito gasta para falar do jogo: foi melhor o resultado do que a exibição. E tendo em conta que é muito difícil eu considerar um empate como um bom resultado para o Benfica, por aqui se vê que não fiquei propriamente entusiasmado com a nossa exibição esta noite. Claro que podemos olhar para o jogo sob duas perspectivas distintas: sob o ponto de vista puramente competitivo, e nesse caso o empate serve perfeitamente as nossas ambições de seguir para a próxima fase da Taça UEFA; ou sob o ponto de vista exibicional, e nesse caso não fiquei com muitos motivos de satisfação.

Fiquei um pouco surpreendido com a constituição inicial do Benfica. Com dois extremos de início, foi o regresso à fórmula experimentada sem grande sucesso na fase inicial da época, ficando o meio campo entregue a apenas dois jogadores, dependentes da vontade desses dois extremos em ajudarem nas tarefas de recuperação ou não. Infelizmente houve também um azar com o Yebda no aquecimento, e assim ficámos privados daquele que tem sido um dos jogadores em melhor forma e mais influentes neste início de época. O meio campo ficou assim entregue ao Binya e ao Katsouranis, com as dificuldades daí inerentes no que diz respeito à organização das jogadas ofensivas. Na frente, Cardozo e Nuno Gomes, ficando o Suazo no banco. Ao fim de um par de minutos de jogo pensei que pudesse vir a ser uma noite inspirada da nossa equipa, já que cedo construímos uma boa oportunidade de golo, numa jogada de passes rápidos sempre em progressão, mas foi puro engano, porque daí até final dos primeiros quarenta e cinco minutos foi sempre a descer. Se calhar era eu que estava de mau humor, mas para mim a nossa exibição na primeira parte foi horrível, quase sem ponta por onde pegar. Um infinidade de passes errados e completamente disparatados, incapacidade para alinhavar mais do que três passes seguidos, e os jogadores a parecerem estar na maioria das vezes a chutar a bola sem nexo para a frente, porque aquilo nem um passe se poderia chamar. De uma forma inversa Hertha, embora sem criar muitas oportunidades, foi obviamente aproveitando a nossa incapacidade para manter a bola em nosso poder para ir crescendo, e ocupando cada vez mais frequentemente os terrenos mais próximos da nossa área.

Para a segunda parte, com o Suazo no lugar do Cardozo, a equipa apareceu melhor. Os primeiros minutos mostraram um Benfica mais agressivo e solto, pressionando o adversário no seu próprio meio campo e trocando bem a bola. Uma dessas situações resultou numa recuperação de bola, em que o Nuno Gomes desmarcou bem o Di María. O argentino parecia estar decidido a correr com a bola para além da linha de fundo, mas felizmente um defesa alemão resolveu intrometer-se no lance e de alguma forma lá ajudou o rapaz a marcar golo. Pensei que pudesse estar perante mais um daqueles jogos em que a nossa equipa se transfigura da primeira para a segunda parte, mas a verdade é que voltámos a encolher-nos muito depois do golo, e mais uma vez entrámos na rotina de oferecer bolas atrás de bolas aos adversários para que eles lançassem ataque após ataque. Mesmo assim, eles não pareciam capazes de incomodar seriamente o Quim, apesar de ser notório que a pressão estava a aumentar. Por isso não percebi a decisão do Quique de retirar o Katsouranis do campo. Não sei se o grego estaria tocado, mas a minha primeira reacção ao ver aquilo foi pensar que era um erro. O Katsouranis, sem fazer uma boa exibição, estava pelo menos a ser tacticamente útil (ao contrário do Binya, que para mim andou metade do tempo perdido em campo), e retirá-lo de campo numa altura em que se adivinha o intensificar da pressão alemã para mim não fez sentido nenhum. O que eu vi foi que, após a saída do Katsouranis, os médios alemães subiram bastante mais no terreno, colocando-se quase sempre entre a nossa linha de defesa e os dois médios, sendo que quando a bola chegava à nossa área por vezes estavam cinco ou seis alemães por ali, a conseguirem criar pelo menos situações de um para um com os nossos defesas. Depois saiu também o Reyes (que esta noite se estava a esforçar bastante para ajudar na luta do meio campo) e entrou o Urreta, que veio fazer pouco ou nada para dentro do campo - o nosso lado esquerdp depois da saída do Reyes ficou uma autêntica avenida, por onde os alemães subiam à vontade. Por isso, previsivelmente, apareceu o golo do empate (em mais uma situação em que o Pantelic ficou numa situação de um para um com o Maxi, e por isso foi só tirá-lo da frente e rematar). E não levámos com o segundo golo porque o Voronin foi nabo (após uma 'excelente' intervenção do Urreta nesse lance). Ficou o empate, ainda bem para nós, mas ficou também uma exibição pouco conseguida da nossa equipa.

Os melhores do Benfica foram, para mim, os nossos centrais, em especial o Luisão, que julgo não ter tido uma única falha durante todo o jogo. Jogo muito positivo também do Nuno Gomes, sendo que o Quim esteve igualmente em bom nível. Pelo contrário, não gostei muito dos nossos laterais, que falharam uma infinidade de passes, pouco ou nada conseguiram intervir no ataque, e pareceram-me ainda algo permissivos a defender (embora, em diversas ocasiões, não tenham tido grande apoio da parte dos colegas do respectivo flanco).

O melhor de tudo acabou mesmo por ser o resultado - e portanto, exclusivamente sob esse ponto de vista, foi um jogo satisfatório. Quanto à exibição, pelo menos, e ao contrário do que se passou com o Penafiel, não considero que tenha havido má atitude ou falta de entrega da parte dos jogadores. Houve sim muita coisa a não sair bem. Regra geral, parece-me que a nossa equipa perde bastante lucidez quando joga apenas com dois médios, condição essa agravada pelo facto do Yebda não ter sido um deles. Espero melhorias já no próximo Domingo.

10 Comments:

At 10/24/2008 6:07 da manhã, Blogger Coluna D'Águias Gloriosas said...

Luisão e Nuno Gomes fizeram um belo jogo, não sei se o NG com esta idade aguenta dois jogos seguidos com o mesmo ritmo, em Matosinhos acusou o jogo com o Nápoles, acho que devia ser poupado no domingo com a Naval e não jogar de início.

Yebda é o relógio desta equipa, é ele que pauta neste momento o jogo da equipa, a transição defensiva para a ofensiva, espero que regresse já no domingo.

Se ganharmos aos turcos temos praticamente a qualificação garantida, não vai set fácil, Mourinho há pouco tempo disse que o Olimpiacos é mais forte que o Panathinaikos que está na champions league e para o Galatasaray lhes ter ganho é porque têm uma boa equipa....

Mas como o Benfica costuma ganhar ás equipas europeias com ex-jogadores seus estou com fé que tal aconteça de novo....

Com uma Catedral cheia é o que se espera....

Saudações Gloriosas

 
At 10/24/2008 8:56 da manhã, Anonymous Índio Ruço said...

Pelo lado do resultado foi bom, e convem lembrar que ainda não perdemos esta época.A exibição foi fraca, os movimentos colectivos são bons, mas nos movimentos individuais ninguem consegue agarrar o jogo e gerir a posse de bola. Em suma não temos um líder ou um patrão, que comande a equipa e centralize o jogo,e que dê ritmo à equipa.

Por outro lado se esta fase é má, e se isto for o pior que conseguimos jogar, então o futuro é bom.

Tambem não compreendi a saída do Kat.O Binya não tem vida para estar a despachar aquele serviço, é um autêntico caranguejo.

O golo do Di Maria não é assim tão fortuito, ele já fez este movimento muitas vezes com êxito, se bem que a intenção fosse assistir o Suazo que tambem não teria dificuldade em fazer o golo.

O Maxi não pode defender como o fez no lance do golo alemão, tem que ser mais agressivo a defender dentro da área, partir para cima e pressionar o adversário e não dar tanto espaço e tempo para o remate, aquilo foi uma autêntica auto-estrada sem portagem.

Quando conseguirmos jogar mais tempo durante um jogo como o fizemos no inicio, estaremos muito próximo do melhor, até lá (que eu penso que seja Janeiro/Fevereiro)vamos sofrendo mais um bocadinho, intervalando bons e menos bons momentos/jogos.
Que o bom seja o próximo.

 
At 10/24/2008 10:02 da manhã, Blogger MALUCODOFUTEBOL said...

Um resultado melhor que a exibição, subtituições de bradar aos ceús e lesões inadmissiveis atiraram o Benfica para um mau resultado. (Mas que raio... como é que um jogador profissional se lesiona no aquecimento?).
Era de prever o escalonamento da equipa, mas uma vez mais verificou-se que o Benfica não deve jogar com dois avançados mais dois alas que não defendem. Isso é jogar em 4 - 2 - 4, isto é, só dois médios a defender não dá. O futebol actual não dá para isto, basta o treinador contrário ser inteligente que o meio campo passa a ser um passador. (Está de caras que o Benfica necessita de ir ao mercado buscar um lateral direito + um médio direito já que Balboa é um autentico flop).
Di Maria, apesar do golo que marcou, continua a não me convencer e necessita de levar duas chapadas na tromba, literalmente. Haja alguém que lhe diga que o futebol profissional não é futebol de rua, nem está a jogar ao "FIFA" ou ao "PES" no computador.
Nuno Gomes merece elogios pela atitude e pela garra. Cardozo terá de passar uns jogos no banco, já que não corre, não luta, neste momento terá de passar algum tempo fora (deve ser a síndrome "titularidade garantida" que também já afectou Nuno Gomes - veja-se as diferenças do Nuno em apenas alguns meses ao saber que não tinha sempre lugar no 11).
Provavelmente, sou eu que sou demasiado exigente, mas empatar com o Hertha de Berlim não é um bom resultado. Nós somos o Benfica, caramba!!! Não era o Bayern de Munique ou era?
Finlamente, quanto a Quique, mais uma vez provou que tacticamente deixa a desejar (atenção, que eu gosto de Quique). Tal como aconteceu com o Leixões, esteve mal nas substituições e é neste tipo de jogos (principalmente na Europa) que o dedo do treinador vem ao de cima. O Benfica ainda tem de aprender a ser pragmático e a controlar o ritmo de jogo. Enquanto isso não acontecer, não passaremos de uma equipa que luta pelos titulos, mas que não os ganha. E é isso que distingue as grandes equipas: a capacidade de ganhar jogos, mesmo sem jogar bem, assim como os titulos. Porque, digam o que disserem, sem titulos não existem boas equipas.
P.S: Mas o que raio aconteceu a Yebda? Parece bruxedo. Nos ciclos importantes o Benfica nunca tem todos os jogadores disponiveis porquê? Também é por aqui que se explica a superioridade dos rivais nos ultimos anos.
P.S (2): Não quero ser advogado do diabo, mas e David Luiz? É outro Mantorras?

 
At 10/24/2008 10:56 da manhã, Anonymous JFilipe said...

Eu acho que tivémos um resultado muito bom. O Hertha joga bem, e foi melhor do que nós em grande parte do jogo.

"Pelo lado do resultado foi bom, e convem lembrar que ainda não perdemos esta época."

Devo andar distraído, não dei pelo nosso golo do empate em Nápoles.

O que mais me impressionou no jogo foi a forma como o Hertha conseguia "cercar" a nossa defesa, baralhando completamente as marcações, e acabando com situações de 2 ou 3 para um. Aquilo é fruto de muito trabalho e deve ser a imagem de marca deles no campeonato alemão. A circulação de bola deles era uma coisa muito bonita, e de certa forma estou contente por isto não ser uma eliminatória a duas mãos.

 
At 10/24/2008 1:55 da tarde, Blogger D'Arcy said...

Aquilo é mas é muito fruto do mau trabalho defensivo do nosso meio campo ontem. O Binya quando era ultrapassado deixava-se ficar, e nem ia atrás do adversário.

 
At 10/24/2008 4:01 da tarde, Blogger ratogoleador said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At 10/24/2008 4:02 da tarde, Blogger ratogoleador said...

Boas pessoal,

Épa mas só eu é que entendi a substituição do Katsouranis!?!?

Eu sei que com o Bynia em campo, custe muito que o Quique opte por tirar o Kat mas o homem já não podia mais, antes tirar um gajo que falha 40 passes mas consegue cortar algum ataque, do que o Kat que provavelmente desgastado já não conseguia acompanhar mais os adversários.

Antes da substituição o Kat claramente não consegue acompanhar por duas vezes o ataque do Herta (observem se puderem) o Kat vem de dois jogos internacionais e provavelmente ressentiu-se disso mesmo.

Para mim nós não ganhámos este jogo com a lesão do Yebda pois o Herta pareceu-me muito fraco no meio campo.

Agora questiono a nossa sorte porque será que naqueles jogos em teoria acessíveis acontece-nos sempre alguma coisa!? Fez-me lembrar o jogo em Paris com o PSG em crise, que a lesão e entrada do David Luís altera um jogo completamente controlado!!! Dassss!!!

Algum de vocês duvida que com o Yebda em campo hoje estaríamos com os 3 pontos?

 
At 10/24/2008 4:18 da tarde, Anonymous Índio Ruço said...

NNNNÃÃÃÃÃOOOOO!!

 
At 10/24/2008 4:39 da tarde, Anonymous Índio Ruço said...

É pena ver que ninguem percebe o esquema tactico do benfica, não é 0 4-4-2 ou por deformação o 4-2-4, o sistema é o 6-4,os que jogam mais à frente da defesa não são médios, são defesas avançados, coño. Os alas é que têm que pegar no jogo mais atrás para o transportarem pelas laterais hasta el gol, fonix.Já chateia pá, não percebem nadinha desta porcaria, chiça! É o que dá levarem um ano com o evangelista e outro com o gordo.É demais!!

 
At 10/24/2008 4:44 da tarde, Anonymous Índio Ruço said...

Ademais dizem que o Gomez jogou bem porquê? Porque falhou um golo e fez dois ou três passes, de resto népia...ah já sei...é o jogo sem bola, pois..que cabeça a minha!

 

Enviar um comentário

<< Home