sexta-feira, outubro 02, 2009

Desinspiração

Há jogos em relação aos quais se tem à partida um mau pressentimento. E quando, após ver os primeiros minutos de jogo, esse mau pressentimento se reforça, cedo se percebe que vai ser muito difícil ganhá-lo. Após quinze minutos de jogo já eu estava a enviar mensagens a outros Tertulianos avisando-os que, na minha opinião, isto hoje correria mal. E nem sequer era necessário ter-se grandes dotes premonitórios para se prever isto tão cedo. Bastava observar o jogo durante uns momentos, e ver um Benfica tão transfigurado para pior, para sabermos que a probabilidade de aquilo acabar mal era alta. A nossa forma de jogar durante a primeira parte, aliás, conseguiu irritar-me tanto que ainda não tínhamos chegado aos dez minutos e já eu estava aos berros para a TV (é perfeitamente irracional e a TV não tem culpa nenhuma, mas o estado de nervos falou mais alto - como os berros não surtiram efeito, cortei o som para não continuar a ouvir o Rui Santos e o Nuno Luz a disparatarem ao desafio, tendo hoje reforçado a minha convicção de que um é perfeitamente parvo, e o outro é um caso clínico). Quem foram aqueles tipos que entraram no relvado para a primeira parte, e o que é que eles fizeram ao Benfica 2009/10?

A equipa com que alinhámos foi a titular. É certo que houve a troca do Quim pelo Júlio César na baliza, mas de tão esperada que ela era nem sequer se pode considerar uma surpresa. Surpresa foi, isso sim, a forma como encarámos o jogo. Estivemos irreconhecíveis nesta primeira parte. A jogar praticamente a passo, a tão importante pressão sobre os adversários logo no seu meio campo praticamente não se viu, e depois aquele pormenor extremamente irritante, que já conhecemos de anos anteriores, de vermos um jogador nosso com a bola e os colegas praticamente parados a olharem para ele, em vez de terem as habituais movimentações para criarmos desequilíbrios e linhas de passe. E por falar em passe, estivemos muito mal nesse capítulo durante esta primeira parte, já que foram inúmeros os maus passes efectuados. Dava ideia de que estávamos convencidos que, mais cedo ou mais tarde, o golo apareceria, tamanha era a nossa superioridade (no papel) sobre o AEK. Não sei de onde terá vindo esta espécie de sobranceria, coisa que, até hoje, ainda não tinha visto esta época. Perante um Benfica tão pachorrento, após alguns minutos o AEK terá ficado convencido que afinal não tinha nenhum papão pela frente, e até começou a a ensaiar alguns ataques perigosos para a nossa baliza. Durante a primeira parte, apenas por duas vezes o Benfica esteve perto de marcar, e ambas pelo Di María (que, apesar da falta de inspiração, ainda assim foi dos mais inconformados neste período), que rematou uma bola ao poste, e noutra jogada conseguiu ultrapassar o guarda-redes adversário, mas perdeu ângulo de remate. Para piorar as coisas, o AEK chegou ao golo perto do intervalo, quando num canto o Majstorovic subiu mais alto do que os nossos centrais e cabeceou sem hipóteses de defesa. Apenas mais um capítulo do cenário típico do futebol de deixar o adversário respirar e ganhar confiança (e neste caso, vantagem também), e depois ter-se que andar a correr atrás do resultado.

A equipa veio com outra atitude para a segunda parte, é verdade. A inspiração é que continuou a não ser por aí além, mas a simples mudança de atitude foi suficiente para criarmos ocasiões de golo suficientes para darmos a volta ao resultado, e sairmos de Atenas com uma vitória. Mas do outro lado surgiu um guarda-redes inspirado que defendeu muito bem os remates do Di María e do Saviola, e que ainda viu o Coentrão isolado conseguir acertar-lhe com a bola. Estas oportunidades foram criadas durante o nosso melhor período no jogo, que foi a primeira metade da segunda parte. Depois começou a vir ao de cima a ansiedade, e a saída do Aimar para a entrada do Nuno Gomes também não ajudou muito o nosso futebol. Passámos a jogar praticamente com uma linha de quatro avançados, mas à medida que o jogo caminhava para o final já não havia discernimento para fazer as coisas com calma, e em vez disso vimos quase toda a gente a tentar fazer as coisas sozinho, e então nos minutos finais chegámos mesmo ao ponto de tentarmos o chuveirinho para a frente. Mas já tínhamos entregue o ouro ao bandido na primeira parte, e depois foi difícil corrigir isto.

Não quero estar a criticar jogadores individualmente após um dia menos inspirado de toda a equipa, e numa altura em que, apesar de ter esperado um pouco para me acalmar antes de escrever, continuo irritado com o jogo, pois ainda me arriscaria a fazer críticas injustamente ríspidas. As coisas hoje correram mal. Fiquei desiludido por ver jogadores apresentarem-se a um nível muito inferior ao que sabemos ser o seu, mas a desinspiração foi geral, e ser-me-ia até difícil conseguir identificar quem foram os piores ou quem foram os menos maus.

Acima de tudo, espero que saibamos aprender com os nossos erros. Se hoje perdemos com uma equipa que nos é manifestamente inferior, e que apenas parece possuir dois jogadores acima da média (o sueco Majstorovic e o guarda-redes argentino Saja), isso aconteceu acima de tudo por nossa própria culpa. Não podemos entrar para um jogo, por mais favoritos que sejamos, com a atitude que tivemos na primeira parte. Tenho a certeza que haverá quem fará ver isso aos jogadores, para que tal situação não se volte a repetir, até porque na próxima segunda-feira temos mais um jogo que se encaixa neste cenário. E eu espero, nessa altura, voltar a ver o Benfica que esta época nos tem encantado.

P.S.- E só para esclarecer: eu não alinho, nem nunca alinhei, com profetas da desgraça, ou pessoas que ficam pacientemente à espera de uma derrota para criticarem alarvemente tudo e todos, e colocarem tudo em causa. A minha fé no Benfica mantém-se inabalável. Hoje o jogo correu mal. Acontece. É difícil ganhar sempre, a não ser que se tenha no clube uma secção de aconselhamento matrimonial a árbitros e seus familiares. Quando jogamos mal, não nego as evidências, e digo que jogámos mal, sempre na esperança que os erros sejam corrigidos, e que levantemos a cabeça para ganharmos já o jogo que se segue. Que ninguém pense que uma crítica pontual e objectiva significa um alinhar com posições carpideiras que sempre desprezei.

10 Comments:

At 10/02/2009 11:42 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Este Benfiquinha que perde com o actual 7º classificado do Campeonato Grego, é o mesmo Benfiquinha que perde com o 11º classificado do campeonato Ucraniano.
Não é portanto uma situação original, muito menos o é, se pensarmos no que o nosso clube tem feito na UEFA nos ultimos tempos. O nosso Rankinhg vai descendo e, caso a Liga dos Campeões alguma vez venha a ser uma realidade, lá vamos nós parar ao 4º pote.

Quando é um jogo "a sério" vacilam.
Ganhamos folgadamente a equipas que não conseguem fazer dois passes seguidos (Setubal, Leixões).

Ganhamos arrasca a quem consegue efectuar mais do que dois passes seguidos (Leiria, Guimarães)

O que é o César Peixoto faz melhor que o Shaffer ? Pouca coisa.
O que o César Peixoto faz pior que o Shaffer ? Muita coisa

 
At 10/02/2009 1:24 da tarde, Blogger Filipe said...

A mim o que me pareceu foi que começaram a jogar com o coração cedo demais. Ainda havia algum tempo para o final e começaram a jogar em desespero. Não havia necessidade. Talvez não estejam habituados a estarem tanto tempo em desvantagem no marcador.

Segundo o comentário anterior, ganhamos folgadamente a equipas que não fazem dois passes seguidos e ganhamos à rasca às outras. Maravilha! Com tanta vitória deve chegar para ser campeão, n?

 
At 10/02/2009 3:12 da tarde, Blogger Nuno said...

Olha, este anonimo atrasado tambem vem para aqui. Este gajo e' anti-Benfica mas comenta os blogues todos. Gosto dele.

A primeira parte ontem teve tanto passe estupido que juro que a dada altura vi o Nuno Assis em campo.
Os vicios do (ano) passado estavam la' todos, equipa desligada, futebol sem apoios, lento e sem desmarcacoes, tudo a pedais, e nem sequer faltaram as assistencias letais do Luisao para os defesas-centrais adversarios cortarem a bola e sairem a jogar.

So' ha' uma coisa a fazer: dar seis ao Pacos, para esquecer isto depressa.

 
At 10/02/2009 9:09 da tarde, Anonymous FORZA SLB said...

Foi muito irritante ver este jogo mesmo, por + irracional q pareça tb + consegui deixar de berrar para a tv como q com a esperança q os jogadores ouvissem...
A equipa esteve ausente e sem atitude depois de uma entrada razoável em jogo, parece q a bolada em Aimar fez parar o cerebro e pernas a toda a equipa. Fadiga e mau estado do relvado podem tb ter ajudado mas ñ fazer pressão alta com os sectores unidos e deixar o AEK pensar o seu jogo, lançando rápidos CA para as nossas lentas alas resultou em sofrer 1 golo após vários avisos.
Ao ver-se a perder ao acabar a 1ª parte a equipa encarou a 2ª com + raça e vontade mas faltou inspiração e cabeça para chegar sequer ao empate.
Enfim foi daqueles jogos em q a equipa ligou inexplicavelmente o complicómetro e q deixou a sensação q a rotação ñ só do guardião podia ter sido benéfica.
Tou convencido q este foi apenas um percalço menor na qualificação e q no próximo jogo o SLB vai mostrar o seu verdadeiro futebol, rumo ao título.
Abraço a todos os verdadeiros e q o próximo comentário aqui seja feito a uma vitória do glorioso.

 
At 10/02/2009 10:58 da tarde, Blogger Hattori Hanzo said...

É que são sempre os gregos! O AEK é mesmo fraquito, o que irrita é precisamente isso. Tens razão o problema para a equipa foi terem entrado com a ideia que já tinham ganho jogo. Só que lembro-te que já não é a 1ª vez: com o Poltava na Ucrânia foi a mesma coisa (embora aí pudessem ter a desculpa de ter praticamente a eliminatória decidida e não jogar totalmente a equipa titular). A equipa jogou mal, mas apesar disso também me parece que até foi a que fez mais para ganhar e isso poderia ter acontecido. De resto o que pretendeu lutar mais contra o resultado pareceu-me também o Dimaria (também gostei do Saviola, não percebi ter sido logo o 1º a sair). Não percebo também a ideia peregrina dele de trocar de gr para as competições europeias (não que Júlio César tivesse qualquer hipótese no golo), e Peixoto é de facto um desastre.

 
At 10/03/2009 12:08 da manhã, Anonymous Jonny said...

Muitos parabéns pelo blog, apenas o descobri a pouco tempo, mas vou passar a acompanha-lo com atenção!
Eu faço caricaturas, tenho uma caricatura do Jorge Jesus e outra do Aimar no meu blog http :/ jonny-caricaturista.blogspot.com /), teria uma enorme satisfação se as pudesses colocar no teu blog para as poder mostrar ao universo benfiquista!

Boa continuação, e viva o Benfica!

 
At 10/03/2009 5:53 da tarde, Blogger joão said...

A equipa lida mal com duas coisas:
1- As equipas/jogo não se mostrarem tal difíceis como se esperava.
Em poltava a equipa esperava pelo menos que a equipa adversaria entrasse forte arriscando tentando pelo menos dar luta, como não aconteceu a equipa facilitou e perdeu concentração, quando o poltava arriscou alguma coisa a equipa já não estava á espera.
Em Leiria a equipa esperava um jogo muito difícil mas o golo cedo e a passividade inicial do Leiria fez com que a equipa descansasse.
Na Grécia o Benfica esperava um Aek agressivo de raiva, como no início foi um Aek cauteloso pouco agressivo a equipa foi facilitando.
2-A equipa lida mal com facto de estar a perder.
Com o Marítimo embora nunca tenha perdido a cabeça, não teve a calma suficiente para marcar as muitas oportunidades que dispôs.
Com o poltava depois de estar a perder por 2-1 a equipa nunca ligou uma jogada e foi precipitada no ataque.
Com o Aek não teve a calma suficiente para marcar as oportunidades que dispôs na 2ª parte e nos últimos 15 minutos jogou mais com o coração que com a cabeça sendo ineficaz.

Continuamos a ter problemas com o guarda-redes, Júlio César não tem culpas no golo mas aquela saída é arrepiante (alias é igualzinha á do Moreira contra o poltava o azar dele é que deu golo) e com o defesa esquerdo

 
At 10/05/2009 12:21 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Nuno,

Não sou atrasado, nem anti-benfica.
Tenho aa escolaridade minima obrigatória e sou sócio do SLB.

O que eu não sou é conformista,... perder com o Poltava e com o AEK da forma que todos observámos e com uma atitude menos séria, não respeita o esforço e empenho que dirigentes do clube têm desenvolvido na reconstrução do clube.
Muito menos respeita quem tem engolido muitos "sapos" nos ultimos anos e mesmo assim está ao lado da equipa como s etem observado nas assistências nos nossos jogos.

Não vencer com o Marítimo foi falta de competência atendendo às inúmeras oportunidades falhadas. Perder em Poltava e em Atenas, foi não ter aderência aos pergaminhos do clube, pois foi o resultado de uma atitude de abordagem ao jogo deficiente sem ter em atenção o investimento do clube e dos seus sócios

 
At 10/05/2009 2:11 da tarde, Blogger Nuno said...

Ok, mea culpa.
Mas "benfiquinha"...

 
At 10/05/2009 9:40 da tarde, Anonymous Anónimo said...

"benfiquinha" é a uma expressão que representa um Benfica sem ATITUDE.

Qualquer Benfica com ATITUDE ganha ao 7º classificado do Campeonato Grego e ao 11º classificado do campeonato Ucraniano.

... e isso não pode acontecer, pois para além do desprestígio desportivo, o clube perdeu 240.000€ da UEFA e perde ainda mais alguns milhares de Euros com uma menor assistência no próximo jogo na condição de visitado.

É esta responsabilidade com os jogadores e equipa técnica têm que empreender.

Neste momento estamos a ganhar 0-3 ao Paços de Ferreira. :-) :-)

 

Enviar um comentário

<< Home