sábado, julho 24, 2010

Mónaco

Vitória tangencial do Benfica na apresentação aos sócios, num jogo que de amigável teve pouco, que foi geralmente mal jogado mas no qual a nossa superioridade foi evidente.

Os quase 41.000 adeptos presentes na Luz foram presenteados com uma primeira parte morna. O Mónaco não estava ali para abrilhantar a festa, e tentou fazer-nos a vida difícil, tentando fazer uma pressão constante sobre o portador da bola para depois sair em contra-ataques rápidos quando a recuperava. O Benfica, apesar de ter claro ascendente no jogo, não estava a conseguir fazer o ataque funcionar da melhor forma, devido a alguma lentidão e pouca inspiração nos passes decisivos, para além de algum apagamento de jogadores que nesta pré-época melhor vinham dando conta de si. O primeiro golo surgiu sobre a meia hora de jogo, num canto apontado pelo Aimar na esquerda ao qual correspondeu o Airton de cabeça, livre de marcação na pequena área. O Mónaco pouco conseguia incomodar a nossa defesa, mas a três minutos do intervalo soube aproveitar um passe disparatado do Carlos Martins para isolar um jogador que, na cara do Roberto, finalizou na perfeição colocando a bola junto ao poste mais distante. E mesmo sobre o apito, um penálti escusado do Peixoto permitiu ao Mónaco sair para o balneário em vantagem, o que era um resultado injusto face ao que se tinha passado em campo.

Para a segunda parte o Benfica trouxe o Javi e o Coentrão nos lugares do Airton e do Peixoto, trocou de guarda-redes, e trouxe também mais velocidade. Cedo esta nova atitude deu frutos, com o Aimar a concluir de forma brilhante, num remate de fora da área, uma iniciativa individual. Ainda não tinham decorrido cinco minutos do segundo tempo. A presença do Coentrão na esquerda veio dinamizar aquele flanco, parecendo que ele estava com muita vontade de mostrar serviço, pelo que foram diversas as vezes em que em iniciativas individuais ele conseguiu ganhar a linha de fundo para fazer cruzamentos perigosos. Aos sessenta minutos de jogo o aniversariante Jorge Jesus fez entrar o Cardozo em campo, e dois minutos depois, no segundo toque que deu na bola, já ele fazia aquilo que melhor sabe fazer, colocando o Benfica na justa posição de vencedor. Foi mais uma iniciativa do Coentrão na esquerda, cruzando depois para o segundo poste, onde o Cardozo apareceu sem oposição para um golo fácil. Daqui até final, e apesar das diversas alterações que foram sendo feitas, foi sempre o Benfica quem pareceu mais perto de voltar a marcar, mas voltámos a mostrar pouco acerto na finalização.

Houve jogadores que, ao contrário do que vinham mostrando nesta pré-época, estiveram mais apagados hoje. Casos do Carlos Martins, Gaitán ou Kardec, por exemplo. O Carlos Martins bem tentou fazer uso do pontapé (contei-lhe dez tentativas de remate), mas nem isso lhe saiu bem, e para piorar acabou por ficar directamente ligado ao primeiro golo do Mónaco. O Gaitán esteve muito desaparecido do jogo, e o Kardec teve dificuldades em libertar-se da marcação dos centrais adversários. Pela positiva, o Aimar, que mais uma vez aparece em excelente forma no início da época, gostei também dos dois centrais, do Rúben, do Airton na primeira parte e do Javi na segunda (deve ser uma boa dor de cabeça para um treinador dispor de duas opções desta qualidade para a mesma posição) e do Coentrão.

Fica mais um jogo de pré-época, uma vitória natural, e a satisfação de ver alguns dos regressados do Mundial trazerem à equipa aquilo que se espera deles. Com os três que ainda faltam, ficaremos ainda melhores.

5 Comments:

At 7/25/2010 1:38 da manhã, Blogger Flip Nunes said...

Carrega Benficaa!

 
At 7/25/2010 1:52 da manhã, Anonymous JFilipe said...

A falta de extremos no Benfica é notória. Com o empréstimo de Urreta e dos júniores que podiam fazer a posição, tudo leva a entender que o Jesus prefere assim. É óbvio que ele é que sabe, mas gosto de ver um extremo habilidoso e rápido.

O folhetim Roberto em cada conferência de imprensa já chateia. Moreira e Júlio César mostraram ambos estar em forma, não vejo que a baliza vá ser um problema esta época.

 
At 7/26/2010 12:46 da manhã, Anonymous RVianadeLima said...

Sobre Roberto nem uma palavra!O JFilipe diz que o "folhetim Roberto já chateia". O que chateia, e muito, é o Benfica, ou alguém por ele, ter comprado um guarda-redes por 8,5 milhões de euros (que fosse 1, seria o mesmo)que não tem a mínima cultura do lugar, como ontem mais uma vez se viu no primeiro golo. E não adianta fazer de conta que o problema não existe. Quanto mais os benfiquistas colaborarem com esta farsa, mais prejudicado fica o Benfica.
Jesus tem de ser pressionado a bem do Benfica!
http://ofutebolfalado.blogspot.com/2010/07/benfica-nao-desce-media-de-golos.html
Ricardo

 
At 7/26/2010 5:39 da tarde, Anonymous JFilipe said...

RViana, sim temos que pressionar o JJ, afinal o gajo nem tem vontade ganhar títulos nem nada, e se não formos nós a lixarmos-lhe o juízo o Benfica não passa da cepa torta. Há cada alarvidade que se ouve nos últimos tempos.

Estamos a falar dos mesmos adeptos que
disseram cobras e lagartos do Luisão (a reboque da imprensa avençada) e que o queriam recambiar após três jogos.

Mal estaria o Benfica se o treinador tomasse decisões devido à pressão dos adeptos. Se o Roberto está cru para a baliza do Benfica compete ao treinador decidir. Se o Roberto tiver sido de facto um erro, um gajo com a ambição do Jesus não irá seguramente apostar nele nos jogos a sério. Estou tranquilo.

 
At 7/26/2010 5:54 da tarde, Anonymous JFilipe said...

Safa, passei pela cópia deste post na Tertúlia, e aquilo é surreal. Gabo-te a paciência D'Arcy.

 

Enviar um comentário

<< Home