quinta-feira, abril 08, 2010

Sem dramas

Derrota pesada em Liverpool, e fim da campanha no Euroliga. O Benfica hoje foi diferente daquilo que tem sido habitual esta época, e por isso a derrota não me surpreende, ainda que considere que esta seja demasiado pesada, já que o Liverpool revelou uma enorme eficácia e converteu praticamente todas as oportunidades que teve. Pela primeira vez esta época, não fiquei muito agradado com as opções do nosso treinador. Apresentar, da defesa habitual, apenas um jogador a jogar na sua posição (Luisão) num jogo destes deu mau resultado, e não terá sido por acaso que, pela primeira vez esta época, sofremos mais do que dois golos num jogo. Mas apesar de não ter ficado agradado com as opções (sou adepto e, portanto, pouco racional nestas coisas) compreendo que a gestão do plantel tenha que ser feita para que consigamos atingir o objectivo proposto para esta época.

Conforme disse, na defesa apenas o Luisão jogou no seu lugar. Júlio César a titular, Amorim na direita, Sídnei ao lado do Luisão, e David Luiz na esquerda, num déjà vu da época passada. Na frente, Aimar a fazer de Saviola. Se se esperava um Liverpool a entrar forte e pressionante de início, isso não aconteceu. O jogo foi abordado com muitas cautelas de parte a parte, e como tal a toada foi muito equilibrada desde início, praticamente sem ocasiões de perigo perto de uma ou outra baliza. Seria um cenário agradável se as coisas assim se mantivessem, mas quando estávamos a chegar perto da meia hora de jogo, e sem que nada o justificasse, o Liverpool colocou-se em vantagem. Após um canto do lado esquerdo, o Júlio César permitiu que o Kuyt, encostado a ele e a um metro da linha de golo, cabeceasse para golo. Mesmo se o lance fosse faltoso (tenho dúvidas que seja), é incompreensível que o nosso guarda-redes nem sequer se faça à bola, preferindo abrir os braços e ficar à espera de uma eventual falta. Sete minutos depois, numa jogada simples pelo centro, o Lucas isolou-se, ultrapassou o guarda-redes com facilidade, e fez o segundo golo. Só sobre o intervalo, num remate do Sídnei, o Benfica conseguiu criar algum perigo. Muito pouco.

No segundo tempo o Benfica tentou forçar um pouco, já que bastaria um golo para empatar a eliminatória, mas hoje houve muita falta de inspiração. O Liverpool, sobretudo em contra-ataques, ia mostrando poder aumentar a vantagem, o que acabou por acontecer mesmo, quando estavam decorridos quase quinze minutos. O lance inicia-se com um livre a favor do Benfica, no seu ataque, e no contra-ataque que se seguiu o Kuyt entrou pela esquerda da nossa defesa e centrou para o segundo poste, onde a gaja espanhola fez um golo fácil. Dez minutos depois, num livre a castigar falta sobre o Ramires, o Cardozo fez o golo de honra e ainda deu para alimentar algumas esperanças, já que bastaria apenas um golo para passarmos. Que esteve perto de acontecer cinco minutos depois, em mais um livre do Cardozo, que desviou na barreira e passou perto do poste, com o Reina batido. Mas aos oitenta e dois minutos, em mais um contra-ataque após uma perda de bola do David Luiz, o Liverpool matou a eliminatória, com mais um golo da espanhola, que picou a bola sobre o Moreira (tinha entretanto entrado a substituir o Júlio César). A nossa defesa hoje esteve irreconhecível e comprometeu o jogo. A passagem do David Luiz para a esquerda não resultou, já que não conseguiu travar eficazmente o Kuyt (se por acaso era essa a intenção). E depois o centro sentiu a ausência dele, já que não havia velocidade suficiente para acompanhar as movimentações da espanhola - compare-se o jogo que ela fez na primeira mão, em que o David Luiz a meteu no bolso, e as liberdades de que dispôs hoje. São opções que se fazem, e será obviamente mais importante termos o Fábio Coentrão descansado para o jogo com a lagartagem.

Vários jogadores estiveram hoje a um nível muito inferior ao que sabem fazer. Cardozo (apesar do golo), Carlos Martins, Aimar ou Di María foram uma sombra de si mesmos, e não admira portanto que a produção do nosso ataque tenha sido tão reduzida. Não me recordo de um jogo esta época em que tenhamos tido tão poucas oportunidades. Com um ataque desinspirado e uma defesa desacertada, o resultado final não surpreende. Quanto ao melhor em campo, para mim foi o Ramires. Não terá sido propriamente muito melhor do que os colegas, mas lutou sempre por cada bola, e empurrou a equipa para a frente.

Ao fim de vinte e tal jogos, lá perdemos. Sem dramas. É difícil ganhar sempre, e apesar de todos nós querermos e sonharmos com uma campanha ainda melhor na Euroliga, o objectivo desta época não era esse. Seria agora profundamente ingrato e injusto que, por causa deste resultado, eu me esquecesse de todas as alegrias que este grupo já me deu.
Tenho sim que agradecer à equipa pelo que fez até esta fase, e agora continuar a apoiá-la para que nos consiga dar a grande alegria de sermos campeões nacionais. E desejar que na próxima terça-feira, no final do jogo com a lagartagem, já nem sequer me lembre deste resultado.

8 Comments:

At 4/08/2010 11:48 da tarde, Anonymous Filipe said...

Sem dramas, exactamente.

 
At 4/09/2010 1:22 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Mexer em quase toda a defesa para jogar em Anfield, só poderia ser este o desfecho final.

Faltou "estofo" e experiência internacional ao nosso treinador na abordagem a este jogo.

Faltou também estarmos em igualdade de cisrcunstâncias com o nosso adversário.

Aconteceu nos ultimos 3 jogos que efectuamos e hoje repetiu-se,... temos jogado 10 contra 11, pois o Aimar apenas "está lá" e mais nada faz além disso.

 
At 4/09/2010 10:43 da manhã, Anonymous JFilipe said...

D'Arcy, para mim foi um drama. Este Liverpool é pouco melhor que o Everton, está a 19 pontos dos primeiros na liga inglesa. Perder a eliminatória não me chateia, agora ser goleado por causa de uma estratégia completamente idiota do Jesus irrita-me profundamente.

Espero que o homem não invente com os verde-ranho.

 
At 4/09/2010 12:22 da tarde, Blogger Treinador de Sofá said...

Não me chateia ser eliminado pelo liverpool. Agora o resultado (5-3 nas duas mãos) e o Jesus ter-se armado em "treinador do Felgueiras" é que me faz sentir pouco à vontade em falar desta eliminatória.

"Aconteceu nos ultimos 3 jogos que efectuamos e hoje repetiu-se,... temos jogado 10 contra 11, pois o Aimar apenas "está lá" e mais nada faz além disso."

Um dos pecados do "Queque" foi colocar Aimar como 2º av., o que provocou muita da contestação da massa adepta. Jesus fez isso nos últimos jogos (com a lesão de saviola), sabendo bem que Aimar não rende ali. Isso, e o regresso de David Luiz a lat. esq. não tem ponta por onde se pegue. E aquele banco de suplentes, ui. Será que o homem queria mesmo passar a eliminatória?

Outro ponto: Se houvesse dúvidas algumas, por mim, estão desfeitas. Júlio César não é nem nunca será solução para a baliza do Benfica. Desde do jogo com o Marselha no "Velodrome", que se tem notado as deficiências técnicas do gr brasileiro. E duvido mesmo das queixas dele de ontem, porque traumatismos cranianos não se curam de um dia para o outro.

 
At 4/10/2010 11:13 da manhã, Blogger águia_livre said...

O jogo com o Liverpool já lá vai. Agora é ganhar aos lagartos e continuar a caminhada rumo ao título

Bom FDS.

 
At 4/10/2010 2:12 da tarde, Blogger joão said...

Não tenho duvidas existiu clara obstrução sobre o Júlio César agora tens razão ele não pode ficar á espera que lhe seja marcada falta tem de pelo menos estorvar o adversário mais um guarda redes se não se consegue livrar do adversário tem que pedir ajuda no sentido de que não seja importunado.

Anonymous essa perseguição ao Aimar já chateia é verdade que não esteve bem, mas na pior das hipóteses teve ao nível dos últimos jogos, na minha opinião até esteve um pouco melhor, mas o que podemos dizer do Aimar do Carlos Martins e do Cardozo é que estiveram mal agora o Di Maria simplesmente não existiu em campo alguém se lembra de uma jogada que ele tenha feito? Ele foi a grande desilusão do jogo com ele é que jogamos com dez.

Treinador de Sofá a verdade é que o treinador já tinha jogado com esta defesa curiosamente contra o Everton e ninguém foi dizer mal das opções, em relação a opção de não jogar o Fábio estamos a por a tecla no poupar o jogador para estar fresco para terça feira o que esta errado, o tempo entre estes jogos é suficiente para descansar o problema foi entre o jogo de segunda e o de quinta até que ponto é que a jogar a probabilidade do Fábio se lesionar ser grande ou não? Esta é que para mim a grande questão para mais com o Peixoto lesionado.

O erro do treinador não foi na escolha da equipa porque se pedires dez opiniões a dez adeptos eles dizem dez onzes inicias diferentes e o beneficio fica sempre no treinador que trabalha todos os dias com os jogadores e sabe melhor a sua condição física e forma onde esteve o erro foi na indecisão das substituições com a rábula do Luisão estar em condições ou não, ele tardou muito as alterações e depois fazer entrar o Coentreão a cinco minutos do fim não faz qualquer sentido, mais num jogo decisivo em que conta muito a experiencia não ter um jogador como o Nuno Gomes no banco é um erro.

 
At 4/10/2010 5:31 da tarde, Blogger Harry Lime said...

sem dramas, quer dizer... terem uma eliminatoria na mao e deixa-la fugir e' mau.

Mas pronto, fica finalmente provado que se calhar voces ate' tinham razao: para o SLB, ultrapassar o Marselha foi de facto um grande feito.

Nao tem pernas para mais, coitados...

 
At 4/14/2010 12:59 da manhã, Blogger D'Arcy said...

Estou a ver que os 26 pontos que tens estampados na cornadura são mas é a cicatriz da lobotomia.

 

Enviar um comentário

<< Home