terça-feira, outubro 18, 2005

Positivo

O resultado desta noite com o Villarreal pode-se considerar positivo. Empatar fora de casa na Champions League, ainda para mais em casa daquele que considero o nosso adversário mais directo do grupo, é sempre um bom resultado. Mas no final dos noventa minutos, a mim sabe-me a pouco, e julgo que à maioria dos benfiquistas também. Com o empate a zero no outro jogo do grupo, em Old Trafford, entramos na segunda volta com tudo em aberto neste grupo, tendo as quatro equipas boas possibilidades de se apurar para a segunda fase.

No onze desta noite, uma pequena surpresa, com o Koeman a optar pelo Ricardo Rocha em detrimento do Léo para a posição de lateral esquerdo. Confesso não ter ficado muito satisfeito com isto, primeiro porque não gosto muito de ver o Ricardo jogar naquela posição, e segundo porque sou fã do brasileiro, e das combinações que faz com o Simão na ala esquerda. Presumo que o Koeman tenha optado por dar mais alguma segurança defensiva à equipa, já que o Ricardo raramente passa da linha do meio-campo, enquanto que o Léo arrisca muito mais no ataque. No restante onze, nenhuma surpresa, com o Geovanni a ocupar, conforme previsto, o lugar do Miccoli, jogando encostado à direita e ficando o Karagounis nas costas do Nuno Gomes, para formar o habitual 4-2-3-1.

A razão para este empate me saber a pouco prende-se sobretudo com a forma como decorreu a primeira parte. Apesar das muitas individualidades do Villarreal, julgo que o Benfica demonstrou inequivocamente que tem melhor equipa. Controlou e dominou o jogo à vontade, e dispôs de algumas oportunidades para marcar, infelizmente desperdiçadas. Muito boa circulação de bola, e uma grande atitude dos jogadores. O Nélson esteve muito activo na direita, a conseguir ganhar diversas vezes a linha de fundo. Quanto ao Villarreal, revelou-se uma equipa estranhamente macia, a perder muito facilmente a bola, e depois praticamente não pressionava o Benfica para recuperá-la. Fizeram apenas um único remate perigoso, da autoria do Jose Mari. A meio desta primeira parte, uma contrariedade com a lesão do Quim, a forçar a estreia do Rui Nereu na equipa principal do Benfica, e logo num jogo da Champions. Quando o intervalo chegou, senti-me bastante frustrado, pois achava que o domínio do Benfica deveria ter sido concretizado pelo menos num golo.

Na segunda parte tudo na mesma do lado do Benfica, mas uma alteração importante no Villarreal, com a entrada do Josico para o lugar do Arruabarrena. O Josico foi para o meio-campo, enquanto que o Sorín foi ocupar a sua posição natural de lateral-esquerdo. Com esta alteração o Villarreal passou a dominar o centro do terreno, e os primeiros minutos da segunda parte mostraram uma diferença como que da noite para o dia em relação à primeira parte. O Villarreal crescia, e ia-se aproximando cada vez mais da nossa baliza. Foi nesta altura que o Rui Nereu mostrou não estar nada nervoso com a estreia, e teve algumas boas intervenções, incluindo uma defesa incrível a um remate de um adversário isolado, após um passe fabuloso do Riquelme. Isto é uma coisa que não compreendo: o Benfica estava mais que avisado que praticamente todo o jogo ofensivo do Villarreal passa pelos pés do Riquelme, e no entanto nesta fase ele tinha toda a liberdade para se movimentar, receber a bola, e até parar para pensar no que fazer. A continuar assim, só poderia dar problemas.

E problemas deu. Mais um grande passe do Riquelme a isolar o Sorín, e um penalty absolutamente cretino, concretizado pelo Riquelme, a dar a vantagem ao Villarreal. Digo que o penalty é cretino apesar de não ter a certeza absoluta se é penalty ou não, mas quando se entra a um lance daqueles da forma como o Ricardo Rocha entrou, as probabilidades de dar penalty são elevadas. Em termos globais, o resultado naquela altura era claramente injusto, mas por outro lado era o corolário lógico do que o Villarreal vinha fazendo desde o reinício do jogo. Além de que, para mim, era um castigo justo para a atitude relaxada com que me parecia que os nossos jogadores estavam a encarar o jogo desde o intervalo. A simples alteração táctica no Villarreal não justificava tamanha diferença na exibição. E a prova disso é que assim que sofreu o golo, o Benfica soube voltar a pegar no jogo e a pressionar o adversário. E bastaram somente cinco minutos para repormos a igualdade, através de um grande golo do Manuel Fernandes, a matar a bola no peito e a rematar de primeira, sem deixar a bola cair. Acreditei que ainda fosse possível obter algo mais deste jogo, mas a verdade é que o Benfica pareceu satisfeito com o empate, e o final do jogo chegou sem grandes sobressaltos.

Quanto a jogadores, e para manter o hábito, gostei do Nélson, sobretudo na primeira parte. E é preciso não esquecer que ele tinha pela frente 'só' o Juan Pablo Sorín, um dos melhores laterais esquerdos do mundo. Gostei também muito do Manuel Fernandes, e não só pelo golo. A defesa voltou a estar geralmente bem, mas falhou duas vezes, embora haja muito mérito nos dois passes do Riquelme. Claro que menciono também o Rui Nereu, que não acusou a responsabilidade da estreia e esteve sempre seguro, tendo apenas sido batido de penalty. Hoje o Petit irritou-me. Esteve sempre mal nos livres e cantos, mastigou muito o jogo em termos ofensivos (perdeu uma série de jogadas em que se embrulhou com a bola, perdeu-a, e depois ficou a reclamar falta), e mesmo em termos defensivos não esteve tão activo na recuperação de bolas como é habitual. Voltei também a achar o Karagounis muito complicativo, e para além disso fez uma série de faltas, o que pode indicar que a condição física dele ainda está longe da ideal.

O jogo chave da qualificação poderá agora ser daqui a quinze dias, quando recebermos o Villarreal na Luz. Uma vitória nesse jogo poderá ser um passo de gigante para passarmos à segunda fase. E atendendo ao que vi hoje, esta equipa do Villarreal parece estar perfeitamente ao alcance da nossa equipa, embora admita que eles devam ser bastante mais perigosos a actuar em contra-ataque.

17 Comments:

At 10/19/2005 2:28 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Concordo em absoluto com a análise exposta. Apenas um complemento: O Ricardo Rocha insiste neste tipo de entradas em qualquer zona do terreno. Já devia ter aprendido a conter o ímpeto (embora me pareça que não é penalti). Por estas e por outras é que a selecção e agora a titularidade como central no Benfica não passam de uma miragem. Desta vez, o Karyaka entrou muito mal no jogo. Se o tivesse feito como contra o Porto, a esta hora poderíamos estar a festejar um triunfo. O Nélson foi simplesmente espectacular (é a melhor contratação). Com alguma dose suplementar de ambição como se exige a um clube como o Benfica, deveríamos contar nesta fase com 7 pontos em vez de 4. Hoje não só poderíamos como deveríamos ter ganho. Apesar da nítida superioridade, o Benfica não esteve longe de perder...as coisas podem não correr sempre tão bem.

 
At 10/19/2005 5:45 da manhã, Anonymous Anónimo said...

O Karyaka entrou tal e qual como no jogo do FCP, a diferença é que aqui não o deixaram à vontade e mostrou o defeito que faz com que o Koeman não o ponha a jogar: a recepção. Não conseguiu dominar uma bola à primeira. Acho que o Koeman fez bem em ser cauteloso, a equipa tem melhorado mas há ali algumas coisas naquele meio-campo que ainda exigem acertos. Além disso depois do jogo com o FCP havia sempre o perigo da equipa ter uma quebra física.

Calhámos num grupo muito defensivo, o Lille e o Vilarreal arriscam muito pouco. O Manchester se não fosse a sorte que teve no jogo com o Benfica arriscava-se a ficar pelo caminho, as ausências de alguns jogadores não explicam tudo. Não jogaram nada.

 
At 10/19/2005 10:22 da manhã, Blogger koelhone said...

Só alguns apartes.

A primeira parte do Benfica foi dominadora, mas sem oportunidades claras de golo. Pelo menos, não me lembro de qualquer defesa feita pelo guarda-redes do Villarreal.

O golo do Manuel Fernandes foi providencial, porque impediu que o Villarreal se galvanizasse e que o Benfica afundasse animicamente.

O penalty parece-me que existe. Qualquer contacto é responsabilidade de quem entra daquela forma completamente destemperada. Houve contacto, logo...

O Rui Nereu esteve muito bem, com uma defesa espantosa a remate à queima-roupa, mas praticamente não foi posto à prova. Tirando esse remate e um outro do Forlan, não me lembro de nenhuma defesa dele. Ou seja, esteve pelo menos 30 minutos em campo sem ter que fazer qualquer defesa...

Parabéns ao Benfica pelo resultado e principalmente pela exibição. Mas ainda tenho algum receio daquilo que o Villarreal pode fazer na Luz, com a corda na garganta.

Finalmente, "detrimento" e não "deterimento".
;)

 
At 10/19/2005 10:53 da manhã, Blogger Superman Torras said...

Eu cá fiquei muito orgulhoso da prestação da equipa. Estavamos a jogar no terreno de uma das equipas mais perigosas da melhor liga do Mundo. Talvez convenha termos noção disto que é para ajudar a colocar as coisas em perspectiva.

Na 1ª parte entramos lá e juro que em certas alturas do jogo pareceu-me ouvir claramente esta voz, grave e poderosa, a emergir do relvado: "Estamos aqui, não temos medo de vocês, e somos nós que vamos mandar nessa coisa redonda que anda para aqui a saltar. Somos o Benfica!"

Pareceu a 2ª parte do jogo de sábado.

Ao coelhone, esqueceste-te de um remate fortissimo do Geovanni que o GR do Villareal teve que sacudir por cima da barra. À parte esse lance concordo que a maior parte do domínio benfiquista teve como consequência vários remates de long, que por terem sido efectuados demasiadamente afastados da grande área, tiveram perigo diminuto.

Na etapa complementar a equipa espanhola subiu de produção, acredito que grandemente devido à substituição operada ao intervalo, mas como estava a ver o jogo na televisão não deu para observar com clareza a alteração táctica produzida.

Além disso o Karagounis desceu de nivel, ele que esteve simplesmente excelente na 1ª parte, mas em compensação e sobretudo nos ultimos 20/25 minutos tivemos o melhor M.Fernandes da temporada. Não dissocio o golo marcado desta análise, obviamente.

E pena foi que tivemos um arbitro que em 2 situações duvidosas apitou sempre a favor da equipa da casa, e que o Nuno Gomes tenha desperdiçado a melhor oportunidade da equipa quando o jogo já estava 1:1.

Em suma, mais do que nunca, estou orgulhoso da equipa do Benfica!

 
At 10/19/2005 10:55 da manhã, Blogger D'Arcy said...

Obrigado pela correcção ortográfica; não tinha reparado no erro, que entretanto está corrigido :)

Mas o GR do Villarreal fez várias defesas na primeira parte, embora muitas delas fáceis. A mais difícil terá sido uma a remate do Geovanni.

Quanto ao golo do Manuel Fernandes, não creio que tenha sido o factor principal para impedir que o Villarreal se motivasse, porque a verdade é que o Benfica já tinha voltado a pegar no jogo. Nos cinco minutos que seguiram ao golo o Villarreal praticamente não passou do meio-campo, e houve uma queda do Simão na área (da qual infelizmente não houve qualquer repetição) e um golo anulado ao mesmo Simão.

 
At 10/19/2005 11:50 da manhã, Blogger tma said...

Tal como a maioria dos Benfiquistas, considero o empate um resultado positivo, mas não entusiasmante, pois a vitória esteve ao nosso alcance.
É natural esperar mais da nossa equipa, sabendo que joga futebol para isso: ontem jogou futebol para ganhar o jogo. Mas temos que compreender que a equipa está pela primeira vez na CL em muitos anos, competição na qual a maioria dos jogadores nunca participou, e ao sentir o peso da responsabilidade, acaba por haver uma retracção que não podemos de forma alguma censurar. A equipa ainda está em construção, e por vezes mais vale dar pequenos passos, mas seguros, do que passos grandes, mais arriscados, que podem comprometer a confiança da equipa.
Quanto ao jogo, destaques merecidos do Manuel Fernandes (bom jogo e grande golão!!), do Nélson (cada vez melhor!) e do Rui Nereu (grande tranquilidade para um estreante - ainda para mais tão jovem - e fez duas excelentes defesas).
Infelizmente, o Nuno Gomes parece que alterna grandes jogos em que marca sempre que toca na bola com jogos em que podia ficar o dia inteiro a chutar à baliza e não acerta uma.
Quanto ao penalty, concordo com o D'Arcy e com o bem litrado, pois independentemente de se poder considerar falta ou não, e embora o RR se tenha antecipado ao Sorin, fê-lo de uma maneira que quanto a mim faz com que tenhamos que aceitar a decisão do árbitro.
Em suma, ainda está tudo em aberto: o Lille, apesar de ser último, não se pode dizer que seja uma equipa fraca, o Man Utd, estando em primeiro, apresenta muitas fragilidades. Creio que o Benfica, com o apoio do público e com ambição para ganhar os jogos em casa, tem condições para, efectivamente, os ganhar. Se assim for (e com um empate em Paris, o que não me parece ser pedir muito), podemos até acabar o grupo em 1º... Mas para já, prefiro não alimentar ilusões, para não ter desilusões maiores... Sábado é para ganhar ao Estrela da Amadora, equipa que certamente não vai facilitar...

 
At 10/19/2005 12:16 da tarde, Anonymous Anónimo said...

O reverso da medalha nestes jogos da CL é que os nossos jogadores dão demasiado nas vistas. O Simão gom aquele livre fantástico contra o Manchester, O Manuel Fernandes com um golaço neste jogo. O Nelson nem precisa de marcar golos, é realmente um caso sério como lateral. O Nuno Gomes infelizmente decidiu que este ano só marca para a liga portuguesa.

Entretanto o castigo atribuído ao carroceiro do FCP que atacou o Nuno Gomes: 2 jogos.

 
At 10/19/2005 1:05 da tarde, Blogger D'Arcy said...

Em Portugal é impossível um jogador levar mais de dois jogos de suspensão.

Por acaso ontem estava a ver o jogo, e a pensar se, a continuar assim, será possível manter jogadores como o Nélson ou o Manuel Fernandes na equipa durante muito tempo. O meu maior medo é o Nélson, porque o Benfica não parece ter problemas em vender laterais, e ele está no clube há pouco tempo. Se no final da época aparecer uma proposta interessante, acho que o Benfica nem pensa duas vezes.

 
At 10/19/2005 1:53 da tarde, Blogger REDrigues said...

Tenho que cá vir à noite pra ler com mais tempo, mas não vinha ao blog à bastante e gostei da surpresa que tive. Parabéns.


Serviço Público no marvermelho (é um tirito antigo)

 
At 10/19/2005 1:57 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Parabéns mais um optimo resultado!

Já viram as declarações do Pinto da Costa depois do DERBY no DRAGÃO?...

 
At 10/19/2005 11:03 da tarde, Anonymous Anónimo said...

O FCP acabou de vencer por 2-0, foi um jogo normal e o FCP teve a sorte que lhe faltou nos outros jogos. A vitória do FCP foi importante pois não convém que Portugal deixe de ter 2+1 equipas na CL.
Espero que o Guimarães também pontue amanhã.

Nas competições europeias tenho sempre uma postura dividida, sobretudo contra equipas dos países que têm a mania que são bons (Espanhóis e Italianos sobretudo). Faço um esforço mental para apoiar a equipa portuguesa mas o condicionamento de querer que eles percam em todos os jogos para o campeonato é tramado. Por um lado quando o FCP ou SCP marcam um golo não me sinto empolgado e quando sofrem a minha primeira reacção é querer festejar, mas depois lá me lembro.

Confesso que me interessa ver o que os nossos "jornaleiros" vão dizer. O Inter teve mais oportunidades de golo claras do que qualquer um dos clubes que venceu o FCP este ano (Benfica incluído).

 
At 10/20/2005 1:25 da manhã, Blogger lestat01 said...

É importante é estarmos todos presentes na Luz a apoiar a equipa quando eles cá vierem... Se lá ja se ouviam mais os benfiquistas que os espanhois então cá vai ser um inferno!!

 
At 10/20/2005 6:26 da manhã, Blogger REDrigues said...

Voltei pra ler melhor e concordo em tudo :) Até no penalty que até pode ser.
Outro ponto que curtia falar é no Karagunis. O homem está de rastos mas chega e sobra para o nosso carregador Beto. Não sei se tens a oportunidade de ir ao estádio, onde se vê melhor a postura do jogador no campo todo, mas o homem com um posicionamento lento consegue fechar a frente do meio-campo com agressividade a levar a bola não a perde (eu não me lembro) e falha mts poucos passes. Acho importante ele estar a jogar ao mesmo tempo que sobe de forma (e está a subir) para se ambientar à equipa e vice-versa.
Agora é todos ao estádio fazer o mitico INFERNO DA LUZ!

 
At 10/20/2005 9:00 da manhã, Blogger D'Arcy said...

Eu estou sempre no estádio (tenho cativo) :) O que neste momento me enerva no Karagounis é mesmo o que parece ser a sua deficiente condição física, que o leva a agarrar-se muit à bola e a cometer demasiadas faltas. Tenho alguma ansiedade em vê-lo ao seu melhor, porque sei que ele vale muito mais do que mostrou até agora.

Em relação ao jogo do Porto, só consegui ver a segunda parte (e ainda assim em zapping, já que estava mais interessado no Chelsea x Betis), mas fiquei com a sensação que eles tiveram neste jogo a sorte que lhes faltou noutros, porque vi o Inter desperdiçar pelo menos uma mão cheia de oportunidades flagrantes.

 
At 10/21/2005 9:12 da manhã, Blogger Apre said...

Bela exibição do miudo Nereu!

Mas que dizer destes jornalistas desportivos:
O FC Porto venceu o Inter Milão por 2-0, e segundo os desportivos lisboetas não ficou a 6 minutos da fama, alcançou-a mesmo, mas o ressabianço é tão grande que a ignoraram!

 
At 10/21/2005 11:25 da manhã, Blogger D'Arcy said...

Não é ressabianço, é a lógica de mercado. O jornalismo desportivo em Portugal não é isento, e todos sabem disso. E a verdade é que num mercado cuja maioria de consumidores é benfiquista, notícias sobre o Porto não vendem.

 
At 10/21/2005 2:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Por acaso estava pelo Sul, pelo que não deu para ver se os jornais tinham uma primeira página diferente aqui em Gaia, o que é bem possível. Do ponto de vista de vendas faz sentido. Não é que o FCP não venda, o FCP tem muitos adeptos mas estão de tal maneira concentrados que se justifica uma primeira página sobre o FCP
só nesta região. E daí talvez não, a maioria dos portistas compra o jogo. As pessoas tendem a pensar que os jornalistas são ressabiados ou isto ou aquilo mas o que eles querem é vender papel. E isso é uma vantagem para o FCP, pois controlam o único jornal que se interessa pelo FCP (o jogo). E isso permite-lhes uma tranquilidade que SLB e SCP não têm.

E D'Arcy por acaso as 1ra páginas em Lisboa eram sobre o SCP, sobre o Paulo Bento. Curiosamente nos arredores do Porto quase que não há sportinguistas, devem ser tão raros como os portistas em Lisboa.

 

Enviar um comentário

<< Home