domingo, novembro 02, 2008

Vitória

Só posso mesmo considerar a nossa vitória desta noite como uma grande vitória. Porque ganhámos a uma série de gente. Ganhámos contra os nossos adversários em campo, ganhámos contra nós próprios, que a partir de uma determinada altura parecia que estávamos decididos em dificultar-nos a vida, e ganhámos ainda contra uns personagens estranhos que andaram lá pelo campo e que, com uma presença tão assiduamente notável nos nossos jogos até agora, já começam a nem ser assim tão estranhos.

Em relação ao último jogo, apenas duas mudanças: regresso do Katsouranis ao meio campo, por troca com o Carlos Martins, e ainda a entrada do Aimar na equipa, ocupando o lugar do Nuno Gomes, e servindo de apoio ao Suazo na frente. Confesso que me sentia confiante para este jogo, porque parecia ter, em teoria, um grau de dificuldade suficientemente elevado. E se há coisa que os nossos jogadores têm mostrado esta época, é que quando os jogos são teoricamente mais difíceis, eles não nos defraudam. Por isso não surpreendeu a boa entrada do Benfica no jogo. E logo aos três minutos, o lagarxistra de serviço ao apito voltou a mostrar a tal instrução (cada vez menos) secreta que foi dada aos árbitros da Liga: não se marcam penáltis para o Benfica. Porque o Aimar foi claramente atingido dentro da área, e o lagartito albicastrense lá fez vista grossa à coisa. 'Ah, e tal, ele já ia em desequilíbrio...' tentou justificar-se o comentador. Pois, mas que foi atingido com os pitons no tornozelo, lá isso foi, e que era mesmo falta, isso também era. Enfim.

Não foi preciso esperar muito tempo para o primeiro golo. Aos quinze minutos, o Aimar inventa um passe 'de letra' para as costas da defesa do Vitória, e depois a classe do Suazo, sozinho contra dois defesas, fez o resto. Isto é aquilo que eu espero ver deste jogador, já que foram inúmeros os golos que eu o vi marcar assim na Serie A. Quase de seguida, o Aimar foi travado em falta do lado direito do nosso ataque. No livre que se seguiu, e tal como se passou a semana passada contra a Naval, o Reyes colocou a bola na cabeça de um dos nossos centrais (desta vez foi o Sídnei) que elevou para 2-0. A estratégia do Benfica ia dando resultados, jogando com todos os jogadores atrás da bola, mas pressionando o adversário logo à saída do seu meio campo. Depois, assim que a bola era recuperada nessa zona, as saídas rápidas para o ataque (sobretudo se a bola chegava aos pés do Aimar) iam quase sempre criando perigo. Por isso não parecia crível que viéssemos a passar por grandes dificuldades neste jogo. Só que nos últimos minutos da primeira parte veio então o período em que mais parecia que estávamos cheios de vontade em fazer as coisas mais difíceis. Sofremos o golo, quando o Luisão falha um corte (naquela que terá sido a sua única falha em todo o jogo). Depois o Reyes viu dois amarelos num curtíssimo espaço de tempo (o segundo foi verdadeiramente infantil - já se sabe que não se pode dar ao lagarxistra oportunidades de ouro como aquela; basta lembrarmo-nos do amarelo ridículo que ele resolveu mostrar ao Aimar) e ficámos reduzidos a dez.

A inferioridade numérica teve influência óbvia no nosso jogo. Por isso, pouco se pode falar sobre a parte ofensiva durante a segunda parte, porque ela praticamente não existiu. Mas pode-se falar na forma como a equipa defendeu, que foi quase exemplar, já que apesar da superioridade numérica do adversário, e da inclinação do campo para a nossa baliza, raras foram as vezes em que o Vitória conseguiu provocar sobressaltos. Na frente de ataque, o Suazo ficou entregue a um papel solitário e de sacrifício, tendo como missão principal segurar a defesa adversária, o que cumpriu - o Cardozo, quando entrou para o seu lugar, já não conseguiu fazer o mesmo e aí a pressão do Vitória acentuou-se - mas quase não conseguimos criar lances de perigo durante toda a segunda parte. O lagarxistra voltou a mostrar um estranho critério, já que foi tão lesto a expulsar (bem) o Reyes por atingir um adversário na zona da anca, mas uma patada do Andrebruceleezinho na cara do Suazo passou sem sequer uma falta assinalada (pelas reacções que fui vendo ao Quique no banco, está-me cá a parecer que o homem já se começou a aperceber de como é que certas coisas funcionam cá no burgo). Se calhar pode ser algo preocupante a forma como, mais uma vez, a equipa não pareceu capaz de gerir o resultado de uma forma mais inteligente, guardando a bola na sua posse, mas a desvantagem numérica teve influência nisto.
A verdade é que o vitória não mostrou imaginação suficiente para furar a forma organizada como a nossa equipa defendeu, nem a garra demonstrada pelos nossos jogadores, que conseguiram segurar um resultado importante.

O Luisão, conforme disse, teve aquele lapso no golo do Guimarães, mas foi grande neste jogo. Então na fase final do jogo, em que o Guimarães resolveu desatar a despejar bolas pelo ar, aquilo foi tudo dele. Para não variar, o seu colega Sídnei voltou também a estar em bom nível. O Suazo fez também um grande jogo, marcou um grande golo, e mostrou a sua qualidade. O Aimar mostrou, acima de tudo, classe. O que não é surpresa nenhuma. E o Yebda voltou a mostrar aquilo a que nos tem vindo a habituar desde que chegou: uma disponibilidade física enorme, parecendo estar um pouco em todo o lado ao mesmo tempo. Quanto a pontos negativos, a verdade é que não tenho vontade de apontar o dedo a ninguém.

Foi uma vitória moralizadora num campo difícil, em condições bastante desfavoráveis, e que mostrou um Benfica muito solidário e com uma atitude muito positiva. E com esta atitude, quando se tem um plantel com jogadores como Suazo, Reyes, Aimar, Cardozo, Sídnei e tantos outros, a qualidade deles acabará sempre por ser decisiva. Mesmo que, na próxima jornada, mandem o Paulo Costa arbitrar o jogo (e se os critérios de nomeação continuarem a ser coerentes, mandam mesmo).

7 Comments:

At 11/03/2008 12:02 da manhã, Anonymous Filipe said...

Concordo com o post. (Alguma vez alguém discordou?! :)) Acho que estamos próximos do nosso melhor onze...só tenho dúvidas se o Amorim é a melhor solução para a direita, de resto...A classe de Aimar, Reyes e Suazo na frente só me fazem encarar o futuro com optimismo!
Venham os próximos...

 
At 11/03/2008 8:52 da manhã, Anonymous Índio Ruço said...

O que se passou ontem em Guimarães já lá estava antes de acontecer, ie, já tinha sido prenunciado no jogo anterior.A equipa já estava a crescer e tinha conseguido pela 1ª vez recuperar de um empate no final do jogo. E estas coisas reforçam e de que maneira a confiança de uma equipa.Espero que comecemos um novo ciclo mais duradouro que o 1º que foi um pouco temprano e acelerado visando dar resposta ao calendário exigente de inicio de temporada.

Obviamente a entrada do Aimar permitiu ter e levar mais jogo para delante, de repente a ponte apareceu e todo o jogo começou a fazer sentido e a dupla Kat/Yebda é a que de momento melhor serve esta tactica.
Este é o jogo tipo que o Quique quer que a equipa jogue e o 1º golo é o seu exemplo supremo e foi bem merecedor do que dizem ser o Golo 5000.Tambem é a prova de que quando dois tipos que sabem jogar futebol jogam na mesma equipa e perto um do outro o mais provável é vermos golos destes. Sem complicações, fintinhas ou adornos, isso é para depois do golo nos festejos.
A equipa esteve sólida e resolveu a questão logo de inicio, o que obrigou a um plano de contingencia por parte do Xistra que não estava preparado para agir tão cedo e descaradamente, estava mais preparado para "controlar" calmamente o jogo, visto que a sua equipa e do Pereira tinha ganho na noite anterior e um empate bastava para que o trabalho fosse feito a contento.A má previsão do que poderia ser o jogo obrigou-o a despachar injustamente o Reyes antes do descanso convencido de que as 2ªs partes com vantagem mínima do Benfica se encarregariam do resto. Para ser franco eu tambem temi a 2ª parte e só descansei quando soube da presença nas bancadas do grande Mártir de Gaia (que até enviou sinais de fumo para a equipa)cujo sacrificio e altruismo é mais uma vez de realçar, e depois quando vi entrar o Luis Filipe, aí foi definitivo "Já está no papo".
Vitória sem espinhas num campo que dizemos dificil mas que geralmente não o é, foi moralizador
e é bom de ver por essa net fora os mesmos que diziam que estavamos muito mal agora dizerem que estamos muito bem e vamos ser campeões. Quanto a mim nada disso,ainda não está nada ganho, ainda vamos passar por fases "más"
sendo que o nosso principal adversário este ano, o Sporting, costuma sempre fazer boas 2ªs voltas e beneficiará sem dúvida dos favores do sr. Pereira.

PS - o 1º paragrafo está muito bom, coño!

 
At 11/03/2008 9:31 da manhã, Anonymous Anónimo said...

grande passe do Aimar e grande calvalgada do Suazoo!!!

GOLAÇOOOO!!

 
At 11/03/2008 12:05 da tarde, Anonymous 1benfiquista na Inbicta said...

Sorry Suazo...Fui injusto no julgamento que fiz...e ontem não me parecestes nada trapalhão...Acho que o nosso verdadeiro drama vai ser jogar contra equipas super-defensivas que colocam o autocarro á frente da baliza e depois trocam bem a bola...Contra equipas que assumam o jogo vamos estar bem.

 
At 11/03/2008 5:07 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Meter o Xistra a arbitrar um jogo de futebol já é mau.. mete-lo a arbitrar um jogo do Benfica é dar asas a que haja polémica no fim do jogo.. mostra amarelos por tudo e por nada para dizer que é rigoroso e se so vê é aglumerados de jogadores e confusao para pedir amarelos pk vêm k o Xistra mostra amarelos a torto e a direito... enfim da proxima vez que o apanhar aqui na Covilhã penso duas vezes...

 
At 11/03/2008 5:22 da tarde, Blogger MALUCODOFUTEBOL said...

Não vou escrever muito mais. Só sei que nos tentaram espoliar de três pontos. Contra tudo e contra todos. Vão mas é para a puta que os pariu, cabrões do c.... FDSE!

P.S: Nova lei emanada da Assembleia da República: Só se marcam penalties a favor do Benfica desde que haja mortos!

P.S. (2): Contra tudo e contra todos. FDSE! Cabrões!

 
At 11/03/2008 7:20 da tarde, Blogger ratogoleador said...

"Mesmo que, na próxima jornada, mandem o Paulo Costa arbitrar o jogo"

D'Arcy acho que ainda não entendeste o esquema, esses arbitros mais calejados são utilizados quando jogamos fora, portanto não será já no próximo jogo mas na primeira deslocação.

Assim como no primeiro Benfica vs Porto já sabia três meses antes que seria o Jorge Sousa, é tão descarado que dá para adivinhar, o mal é que isto está cheio de amigos do "sistema" foram 20 anos a subi-los e ainda falta o Madeirense, outro lhaço!!!

 

Enviar um comentário

<< Home