terça-feira, setembro 01, 2009

Degola

Primeira nota sobre o jogo: dia de semana, à noite, após uma derrota e uma exibição fraca, e 41.000 pessoas na Luz. E isto, sabemo-lo todos nós, pode ser apenas o princípio. Quanto ao jogo, foi uma autêntica degola dos inocentes. Ainda ontem comentava que se o Carlos Azenha (o treinador que o visionário candidato da Lista B às últimas eleições do Benfica sentaria no nosso banco em caso de vitória) cumprisse aquilo que vinha dizendo, e tentasse jogar de peito feito na Luz, o Setúbal levaria pelo menos meia dúzia. Não jogaram de peito feito, mas afinal levaram oito, e ainda poderiam ter sido mais. Muitos mais mesmo.

Não houve qualquer surpresa no onze apresentado pelo Benfica. Foi aquele que se pode considerar praticamente o onze base para esta época (faltará o Maxi, quando este recuperar). Quanto ao Setúbal, apresentou-se com três defesas centrais, e dois laterais subidos. Calculo que a intenção seria congestionar o meio campo, entupindo aí o jogo do Benfica, e tentando bloquear a criatividade do Aimar. Não resultou, porque a mobilidade dos nossos jogadores tornou muito difícil a sua marcação, e o Aimar fugiu sempre das marcações, começando a organizar o jogo muito atrás. Não foram raras as vezes em que o vimos a receber a bola e a iniciar os ataques posicionado entre os nossos dois centrais. O Benfica iniciou o jogo a todo o gás, e poderia ter marcado logo antes de decorrido o primeiro minuto, quando após uma boa incursão pela direita (algo que repetiu diversas vezes durante o jogo) o Saviola centrou para o Di María acertar um pontapé na atmosfera. O vendaval ofensivo continuou, e em particular o Cardozo voltou a estar perto de marcar, mas a forma como falhou uma emenda a mais um cruzamento do Saviola parecia indicar que o paraguaio estaria em mais uma noite não. Felizmente, foi puro engano.

O golo acabou mesmo por surgir, inevitavelmente. Foi da autoria do Javi Garcia, após um quarto de hora e na sequência de um canto apontado pelo Aimar, antecipando-se de cabeça ao guarda-redes e estreando-se assim a marcar pelo Benfica. O espanhol, dada a sua estatura, deverá aparecer frequentemente esta época em lances destes. Já a semana passada, frente ao Guimarães, ele tinha estado perto de marcar assim por duas vezes. A partir daqui abriram-se as comportas, e no intervalo de vinte minutos o marcador funcionou mais quatro vezes. Primeiro o Luisão, após mais um cruzamento do Aimar, desta vez num livre. Depois o Cardozo, de penálti, a castigar falta sobre o Ramires, e concretizado da forma a que ele nos habituou a época passada. A seguir foi o Aimar, numa jogada individual pelo meio, a passar a bola por cima de um defesa e, na cara do guarda-redes, a marcar com facilidade. Finalmente, foi a vez do Ramires, a aproveitar uma bola amortecida pelo Cardozo vinda de um cruzamento do Di María na esquerda. Cinco golos sem resposta após trinta e sete minutos de jogo, e o Benfica a deixar a imagem de não querer parar por aí. E muito bem. Porquê marcar 'apenas' cinco se podemos marcar ainda mais?

O início da segunda parte até pareceu mostrar um Benfica um pouco mais relaxado, na óbvia sobranceria que uma vantagem de cinco golos dará. O Setúbal até deve ter pensado que iria ter finalmente algum descanso, mas foi como se o Benfica quisesse embalar o Setúbal numa falsa sensação de confiança de que estaria saciado, para depois lhe cair em cima. E de qualquer forma há sempre alguns jogadores do Benfica que parecem não saber jogar a uma velocidade mais reduzida (Di María e Ramires são exemplos óbvios). Após um primeiro quarto de hora nesta toada, durante o qual apenas o Di María esteve perto de marcar, voltou a avalanche ofensiva, dando-nos a impressão de que poderíamos marcar um golo em cada ataque que fazíamos. A segunda fase da degola começou com mais um golo do Cardozo, a desviar de cabeça à boca da baliza um cabeceamento do Javi Garcia. Nesta altura já o Aimar tinha cedido o lugar ao Fábio Coentrão, que também entrou em alta rotação e veio dinamizar o nosso lado esquerdo. Entretanto, descaído sobre a direita e apoiado ora pelo Ramires, ora pelo Rúben, o Saviola continuava a fazer miséria, e esteve perto de marcar um golo monumental, quando roubou a bola a um adversário, sentou outros dois, e depois optou pelo remate quando tinha dois colegas isolados à boca da baliza. Mas a vencer por 6-0 e após uma jogada daquelas, compreendo e 'desculpo-lhe' o egoísmo.

A grande satisfação que eu (e presumo que quase todos os benfiquistas) tinha nesta altura era ver o Benfica a vencer por seis golos, e os nossos jogadores a jogarem como se o resultado estivesse ainda por decidir, pressionando os jogadores do Setúbal em todo o campo e apresentando uma condição física invejável. O sétimo golo foi resultado desta pressão, com o David Luíz (um central) a recuperar uma bola a meio do meio campo do Setúbal, endossando-a para a esquerda no Di María, para que depois este cruzasse para o remate de primeira do Cardozo, a concretizar o seu primeiro hat trick no Benfica. E o oitavo surgiu a cinco minutos do final, num bom cabeceamento do Nuno Gomes a centro do Coentrão na esquerda. E nos poucos minutos que restavam até final, ainda ouvi pedir 'Só mais um' na Luz. Ele surgiu, mas na baliza errada, quando o Quim provavelmente achou que era injusto que não se falasse dele num jogo destes, e vai daí resolveu exibir a sua habilidade a sair da baliza.

Vencemos categórica e indiscutivelmente, e marcamos oito golos. Acho que podia elogiar praticamente qualquer jogador, e escolhê-lo para melhor em campo. Vou mencionar alguns quase que de forma aleatória, sem querer sequer afirmar que foram eles os melhores, ou ter qualquer tipo de desprimor pelos outros. Primeiro, menciono o Aimar. Simplesmente genial. Gosto muito de jogadores inteligentes, e nesse aspecto, o Aimar está acima de quase todos. E tem uns pés que fazem o que quer da bola. Depois, o Ramires. É uma carregador de piano com pés de artista. Corre os noventa minutos, não desiste de um lance, morde os calcanhares aos adversários, e depois é capaz de, na posse da bola, correr com ela, fintar ou passá-la ao nível de um qualquer tecnicista. A seguir, o Saviola. Para mim fez um jogo brilhante, com uma mobilidade que o tornou quase impossível de marcar, descaindo sobretudo para a direita, onde criou inúmeros lances de perigo. Só fiquei com pena que não tenha marcado um golo, porque bem o merecia, e sobretudo merecia-o no tal lance que mencionei anteriormente. Finalmente (e só porque quero terminar, em vez de ficar aqui a mencionar todos os jogadores um a um) o Cardozo tem que figurar aqui. Três golos e uma assistência não acontecem todos os dias.

Depois de um jogo destes até nem custa tanto a paragem de quinze dias, para que o Selecrete (ou a Escreção), sob a batuta do sempre perspicaz e coerente Queirósz, possa jogar as suas cartadas desesperadas na tentativa de ir ao Mundial. A minha selecção, multinacional, mas unida sob a cor vermelha e o símbolo da Águia, espetou oito nos choquinhos. E para mim, isso chega.

13 Comments:

At 9/01/2009 1:43 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Nada de ilusões.
O Adversário de hoje não é "deste" campeonato.
É um clube da 1ªLiga que começou a época sem jogadores, que contratou um treinador "caloiro", que terminou ontem os treinos de "captações", onde por lá passaram cerca de 40 Jogadores. Certamente, existirão actualmente na equipas do Vitória de Setúbal, jogadores que nem sequer o nome de todos colegas saberão.
Não é assim que se prepara uma equipa para um campeonato profissional e era expectável um resultado folgado nesta partida.

O Ramirez esteve exclente.
O Quim fez o que já nos habituou na saída que resultou no golo sofrido.

Foi concerteza uma vitória que "enche" o ego de alguns benfiquistas, mas esta equipa tem de dar resposta é com adversários mais "a sério".

Seguem-se dois jogos como "visitante" e a recepção aos Bielorrussos pelo meio. Se existirem bons resultados nestes jogos, certamente que os assistentes serão mais que os 40000 que tivémos hoje.

Sócio do SLB

 
At 9/01/2009 3:29 da manhã, Anonymous JFilipe said...

Tudo bem que o Setúbal parece fraco (entrou para esta jornada com os mesmos pontos que o zbordem) mas sabe bem ver que em dois jogos com clubes da treta ambos foram cilindrados.

É um hábito que se tinha perdido e que levava os clubes pequenos a entrarem em pânico assim que punham os pés no relvado. Não se trata de ilusões nem nada do género.

 
At 9/01/2009 9:05 da manhã, Blogger Filipe said...

Volto a repetir o que disse em relação ao Poltava. O adversário era fraco? Talvez, mas quantas vezes jogamos contra adversários mais fracos e o resultado final não exprime isso mesmo? Quantas vezes nem sequer ganhamos? Foram 8 golos...cabiam aqui duas goleadas de 4 que já nos deixavam extremamente satisfeitos...

Para mim os melhores em campo não marcaram, o Saviola e o Di Maria.

Não gosto quando o David Luís se põe com fintas desnecessárias lá na frente e perde a bola.

Guarda Redes de nível precisa-se.

 
At 9/01/2009 9:54 da manhã, Blogger Índio Ruço said...

Completamente de acordo com o comentario do sócio.

Alias já previa isto num comentario anterior, nem o resultado de Poltava é "verdadeiro" nem este.

O resultado foi uma humilhação para o Setubal, clube de que gosto pelo seu passado (passe os alinhamentos recentes)e como não me revejo nesse sentimento, nem social nem desportivamente, só posso dizer, "levanta-te e anda".

 
At 9/01/2009 1:03 da tarde, Blogger Hattori Hanzo said...

Concordo com o 1º comentário e o do Índio: claro que é sempre bom para o ego de todos este resultado, mas este Setúbal (ou o de ontem pelo menos, deverá melhorar ainda), é uma manta de retalhos e nesta altura é muito fraco para o campeonato nacional. E ajudou também as asneiras tácticas do Carlos Aselha (era este que o Burro Carvalho queria para treinador do Benfica, não era? iríamos longe). Sim, e o discurso que Jesus teve antes do jogo também me pareceu um bocado para o irreal comparando o nosso campeonato com o italiano. Quanto a jogadores gostei muito do atum, não parou quieto durante o jogo, começo a perceber porque é que no Brasil lhe chamavam de queniano, embora também já se tenha percebido que é um jogador mais laborioso que talentoso (e isto não é defeito!). Quanto aos pontos negativos além de Quim mesmo num jogo deles marcou figura é preciso salientar David Luiz (é de mim ou com aquela cabeleira parece o Sideshow Bob dos Simpsons?, em que alguém lhe tem de dizer que não é um Maradona e que não deve começar a tentar fintar vários adversários principalmente quando está atrás (infelizmente aprendeu esta mania quando jogava a lat. esq. e não a quer largar).

 
At 9/01/2009 4:12 da tarde, Anonymous JFilipe said...

Sim o Marítimo o ano passado também era a pior equipa do mundo quando lhe demos 6-0, e na jornada a seguir quando empatou 0-0 no curral das antas já era uma rica equipa. É giro ver que a imprensa que gabava o Azenha agora se apressa a crucificá-lo.

Antes desta jornada o Setúbal estava empatado com os verde-ranho. Ainda é cedo para dizer se o Setúbal é melhor ou pior que metade das equipas do campeonato. Só tinha levado um golo nos dois primeiros jogos.

 
At 9/01/2009 6:14 da tarde, Blogger RockNRolla said...

Nein! Nein! Nein! Nein! Nein! Nein! Nein! Nein! Nein! Nein! Nein! Nein!

 
At 9/02/2009 3:47 da manhã, Blogger humanista said...

epá por acaso casa vez que vejo um jogo do benfica comento que o david luis parece mesmo o sideshow bob.

 
At 9/02/2009 5:43 da manhã, Anonymous TerminatorSLB said...

"A minha selecção, multinacional, mas unida sob a cor vermelha e o símbolo da Águia, espetou oito nos choquinhos. E para mim, isso chega."

x2

 
At 9/02/2009 12:05 da tarde, Blogger GIL VICENTE said...

Uma excelente crónica sobre o jogo.
Os meus sinceros cumprimentos.
Só agora descobri o seu cantinho, só seu e dos seus leitores e comentadores.
Passa para os meus links.

 
At 9/02/2009 6:28 da tarde, Blogger Índio Ruço said...

E o Vieira não é parecido com o Ned Flanders? :))

 
At 9/02/2009 6:40 da tarde, Blogger Índio Ruço said...

D'Arcy em vez de estares sempre a fazer propaganda à direcção, quando encontrares o Vieira diz-lhe para pagar o ordenado ao Balboa.

 
At 9/02/2009 6:48 da tarde, Blogger joão said...

20 Minutos á moda antiga.
Resultado á moda antiga.
E para manter a tradição frango no ultimo minuto do Quim frente ao Setúbal.
È sempre bom ver que o Carlos Queiroz tem seguidores, tirar o lateral que defense o sector mais rápido e perigoso da equipa adversária só pode ser algo tirado dos compêndios do professor.

 

Enviar um comentário

<< Home