domingo, setembro 13, 2009

Incontestável

Mais uma vitória, e mais uma demonstração de superioridade incontestável do Benfica. E desta vez, fiquei até com a sensação de que a goleada foi conseguida quase de uma forma descontraída, sem ser necessário forçar muito. Aliás, sempre que o Benfica resolveu acelerar um pouco (na fase inicial do jogo, e durante a segunda parte) foi evidente a grande diferença de categoria da nossa equipa para o Belenenses.

Com o Benfica a jogar praticamente em casa (mais de dois terços do muito público no estádio era benfiquista, e o apoio à nossa equipa foi incessante e fantástico durante todo o jogo), apresentámos apenas uma alteração no onze, que foi a entrada do César Peixoto para a esquerda, sendo o Shaffer o sacrificado. E, pese o susto logo no início, com o Quim a defender quase que por acaso um cabeceamento ao segundo poste, o Benfica teve uma entrada forte no jogo. Entrada essa que foi recompensada quase de imediato, já que marcámos logo aos seis minutos. Foi uma correria do Saviola, que começou ainda no nosso meio campo, e que foi deixando para trás todos os adversários. Já dentro da área, ganhou um ressalto, e à segunda, fez o golo. E a ganhar desde tão cedo, foi-nos fácil controlar o ritmo do jogo e fazê-lo decorrer da forma que mais nos interessasse, até porque o Belenenses não mostrava ter capacidade para assumir as despesas do jogo e ir à procura do empate (não tenho os números, mas a posse de bola do Benfica durante esta primeira parte deverá ter sido bem superior a 60%).

Com o Saviola em destaque, e atacando sobretudo pelo lado direito, onde o referido Saviola, o Ramires e o Rúben Amorim faziam praticamente o que queriam da defesa do Belenenses, o Benfica ia deixando a ideia de que poderia aumentar a vantagem a qualquer altura. Isto, tal como referi, sem nunca parecer ter o pé a fundo no acelerador. Era talvez um pouco estranho que o Benfica atacasse tanto pela direita, já que não é normal não explorarmos o Di María na esquerda. Mas pareceu-me que o Belenenses teve uma atenção especial ao Di María, atenção essa que incluiu umas pancadas bem duras logo a abrir o jogo, se calhar para o intimidar. Claro que isto se passou com a reacção usual dos nossos árbitros, que acham que os cartões nunca se devem mostrar nos primeiros minutos, e portanto os jogadores em questão foram apenas avisados para não voltarem a repetir a gracinha. Claro que à primeira ocasião envolvendo um jogador do Benfica, não há cá avisos, e saca-se logo do amarelo. Enfim, voltando ao jogo, apesar das oportunidades que ainda conseguimos criar, não conseguimos aumentar a vantagem, e a primeira parte acabou mesmo num ritmo bastante pausado, com a diferença mínima no marcador a parecer do agrado das duas equipas.

Não sei se houve alguns gritos do Jorge Jesus no balneário durante o intervalo, mas a verdade é que entrámos em jogo com a intenção de o resolver de uma vez por todas, e com um ritmo bem mais elevado do que na primeira parte. O nosso lado esquerdo foi muito mais activo, com o Di María a beneficiar do apoio do César Peixoto, algo que não tinha acontecido tanto na primeira parte (e a isto não terá sido alheia a passagem do Barge para defesa esquerdo, já que na primeira parte ele tinha sido praticamente um segundo defesa direito). E, mais uma vez, não foi preciso esperar muito para colhermos os proveitos da nossa pressão. Foram pouco mais de dez minutos, altura em que, mais uma vez pela direita, o Saviola, desmarcado pelo Rúben Amorim, assistiu o Cardozo para um golo fácil. Foi evidente que este golo matou literalmente o já quase inofensivo Belenenses que tínhamos visto até então, e a expectativa de todos nós na bancada passou a ser ver quantos golos mais conseguiria o Benfica marcar. Já com o Fábio Coentrão em campo que, para não variar, veio dinamizar o jogo com a sua entrada, foram dois esses golos. O primeiro a quinze minutos do fim, através de uma cabeçada do Javi García no seguimento de um livre marcado na esquerda pelo Aimar. O segundo, já mesmo sobre o final, pelo Ramires (já tinha ameaçado em mais de uma ocasião), aproveitando um centro do Fábio Coentrão na esquerda (na conclusão de uma grande jogada de contra-ataque), que desviou num defesa adversário, e fazendo assim o seu terceiro golo em três jogos na Liga. Tempo ainda para assistirmos e celebrarmos o regresso do nosso 'guerreiro' Maxi Pereira à competição.

O Luisão esteve hoje simplesmente imperial. Não sei se terá perdido um lance durante todo o jogo, e para além do trabalho no centro da defesa fez diversas dobras ao Rúben Amorim. Muito bem também o Ramires. Já o elogiei no último jogo, mas continua a impressionar-me a capacidade que parece ter para estar em todo o lado, o trabalho defensivo que faz, e a inteligência com que se movimenta em campo. Para além disso, anda com veia goleadora. Que mais lhe podemos pedir? E claro, Saviola. Sobretudo na primeira parte, foi um dos principais dinamizadores do nosso ataque. Marcou um golo, ofereceu outro, e gosto mesmo muito de ver a forma como ele, sem bola, se movimenta por toda a frente de ataque, oferecendo opções de passe aos nossos médios (o Aimar agradece). Menos bem o Cardozo. Não sei se se ressentiu da viagem pela selecção, mas pareceu apático e desinspirado durante quase todo o tempo que esteve em campo. Ainda assim, apareceu na altura certa para marcar, e logo a seguir ainda teve um bom remate, antes de ser substituído. O César Peixoto teve uma primeira parte muito fraca, mas conseguiu melhorar na segunda parte. Parece no entanto ainda estar a um ritmo inferior ao dos colegas.

Depois dos oito ao Setúbal, quatro no Restelo. Já sei que se calhar haverá quem diga que o Belenenses é fraco. Para mim, foi o Benfica quem o fez fraco. Estamos a jogar bem, é lindo ver a entreajuda dos nossos jogadores, aquilo que conseguem fazer como equipa e individualmente, e só espero que consigamos manter este momento de forma. Aliás, a sensação que tenho é que ainda podemos e temos capacidade de melhorar. Foi lindo também ver o Restelo pintado de vermelho. A onda vermelha este ano parece estar a aparecer logo de início. E não admira que assim seja. Haverá melhor motivação para irmos aos estádios do que vermos a nossa equipa jogar assim?

11 Comments:

At 9/14/2009 9:04 da manhã, Blogger Filipe said...

Senti o mesmo que disseste, a equipa nem pareceu esforçar-se por aí além...
Para mim o adversário ser fraco ou forte tem pouca relevância. Eu dou importância é ao facto de o Benfica pôr bem patentes as diferenças de qualidade no resultado final. E já é a terceira goleada em jogos oficiais este ano.

 
At 9/14/2009 9:28 da manhã, Anonymous GIL VICENTE said...

Boa análise.
Uma equipa pode parecer fraca e não o ser. Basta que a outra se apresente muito forte.
É o que acontece com o Benfica actual.
Há ali muito trabalho, muito trabalho, muita vontade, muito querer, muita garra, muito correr ... e muita, muita classe!
Assim, torna-se o difícil fácil.
E lá vão mais 4 pasteis docinhos!

 
At 9/14/2009 11:58 da manhã, Anonymous djeiti said...

Devo dizer que até fiquei mais satisfeito com esta exibição do que na do jogo anterior!
Não só porque depois dos 8 aplicados aos sadinos receava que os cartuchos se tivessem esgotado, não só por esse adversário a todos ter parecido demasiado fraco para dar resposta (e na verdade levaram ontem também 4 do Leiria, nosso próximo adversário), mas também porque a equipa vinha agora de uma paragem no campeonato que envolveu deslocações às respectivas selecções (algo tipicamente prejudicial ultimamente para o nosso clube), e porque neste jogo me pareceu mais mérito da equipa do que alguma sorte e incapacidade do adversário (apesar de alguns jornaleiros avençados teimarem em tentar sempre desvalorizar a nossa vitória dizendo mal do adversário)!
Se no jogo anterior houve até alguma felicidade dos 3 primeiros golos terem surgido cedo de bola parada algo que facilitou o resto da goleada, neste jogo tivemos mérito na inauguração do marcador logo nos minutos iniciais e de controlar o jogo e definição do ritmo que mais nos convinha durante toda a partida, gerindo o resultado e escolhendo os momentos certos para aumentar a vantagem. E também porque não se deixaram surpreender nas tarefas defensivas, mantendo-se concentrados até ao último minuto dos descontos.
Cada vez metemos mais medo a muita gente!

 
At 9/14/2009 12:34 da tarde, Anonymous 1benfiquista na Inbicta said...

E pensar que no inicio da época passada eu defendia o Quique? Não percebo nada disto é o que se concluí...

SLB4EVER

 
At 9/14/2009 2:25 da tarde, Blogger Filipe said...

Se o defendesses agora é que era grave... :D Um gajo às vezes engana-se, faz parte.

 
At 9/14/2009 4:24 da tarde, Blogger Hattori Hanzo said...

Não vi o jogo, só consegui ver o os últimos 10 min., mas concordo com o deiti: este resultado é mais importante que os 8 ao Setúbal, e para aferir isso basta o resultado desta semana do Setúbal com o Leiria. D'arcy, já reparaste qe ninguém falha da palhaçada no andebol (eu sei que já venho tarde e que tu até já falaste na Tertúlia): que pouca-vergonha foi aquela do sorteio ter sido realizado no pavilhão do Porto e surpresa das surpresas, com o Olimpio Bento. Tudo normal portanto. Para o Laurentino a única coisa grave no desporto foi portanto o Nuno Assis.

 
At 9/14/2009 9:01 da tarde, Anonymous JFilipe said...

Não sejam demasiado severos com o Quique. Garcia, Ramires, Saviola são titulares na equipa e não estavam lá o ano passado. Foram um investimento brutal que está a render. Juntando o Weldon a esse grupo, os reforços desta época valem 10 golos dos 19 marcados em 6 jogos oficiais, isto é, mais de metade da produção atacante da equipa.

Não é apenas o Jesus, os reforços entraram de caras, sem ser preciso período de adaptação. Demorámos 3 anos a fazer uma equipa. Agora há que aproveitá-la.

 
At 9/15/2009 1:38 da manhã, Blogger joão said...

Mais uma vez grande post, apena um pequeno divergência César Peixoto ainda esteve pior na segunda parte do que na primeira, na primeira abriu uns buracos mas na segunda escondeu-se completamente do jogo e ainda por cima não consegui segurar o freddy jogador que mais se movimentou, alias a única coisa que fez de bom foi arrancar a falta que deu o terceiro golo.
Eu também defendi o Quique, e nunca fui muito adepto deste treinador pelo que ele sempre disse contra o Benfica, mas é verdade que não tínhamos o Garcia, Ramirez, Saviola mas tínhamos o Katsouranis, Reys, Suazo (este se tem jogado na posição em que joga o Saviola, em apoio ao Cardozo, talvez os resultados fossem outros) e uma das grandes diferenças tem sido a atitude não paramos no 1-0 como acontecia o ano passado.

 
At 9/15/2009 10:09 da manhã, Anonymous JFilipe said...

João, eu fui dos que disse mal do Quique logo à primeira jornada :) exactamente por ser um bocado medricas. Reyes competia com o Di Maria, não com um dos novos reforços, e de facto talvez preferisse ver o Reyes em vez do Di Maria, embora o puto me pareça mais consistente este ano. A vantagem é que assim podemos ter o Coentrão no banco.

Eu acho que ficámos a ganhar e muito com a troca do Suazo pelo Saviola, do Katso pelo Javi, e sobretudo com a entrada do Ramires para o lugar do Balboa/Amorim. O Katso era bom jogador mas queria mesmo ir embora e já não tinha a cabeça no Benfica.

É óbvio que o Jesus tem mérito, agrada-me um treinador que quer cilindrar os adversários, mas termos acertado nas contratações também pesa um bocadinho.

 
At 9/15/2009 4:22 da tarde, Blogger Filipe said...

A questão com o Quique não se prende nos jogadores que ele tinha, prende-se mais nos sítios onde estupidamente os punha.
Já estou a imaginar esta equipa treinada pelo Quique: Ramires encostado à linha do lado direito, Saviola sozinho na frente, Cardozo no banco, Aimar longe das posições onde pode construir jogo e ser útil, melhor defesa esquerdo da equipa dispensado.
O Benfica o ano passado practicamente só tinha 3 homens com talento pa jogar e desiquilibrar na frente: O Suazo, o Reyes e o Aimar(e mesmo este era inútil a segundo avançado).

 
At 9/15/2009 4:32 da tarde, Blogger Filipe said...

É claro, que só podíamos passar jogos e jogos sem criar uma única ocasião de golo! Já tínhamos poucos homens de talento para atacar e o Quique ainda lhes trocava as posições...era impossível!

Este ano temos um gajo a construir(Aimar), temos um para desiquilibrar ( Di Maria) e dois avançados para finalizar com características que se completam(Cardozo e Saviola)! Mesmo que não houvesse Ramires,mesmo que não houvesse Javi, mesmo que não houvesse outra atitude, isto por si só já seria um upgrade em relação à época passada! E não me lixem, não é preciso nenhum génio da táctica ou um iluminado para ver uma coisa destas...

 

Enviar um comentário

<< Home