quinta-feira, novembro 25, 2010

Atroz

Nem sei se vale a pena estar a escrever sobre o jogo em Israel. As opiniões já estarão há muito formadas: o Benfica perdeu vergonhosamente por três a zero contra uma equipa muito inferior, e daí pode-se desde logo inferir que jogámos muito mal, que os jogadores não prestam, ou que o treinador não percebe nada disto. Eu por acaso discordo de alguns destes 'factos' - apesar de concordar plenamente com o quão vergonhoso o resultado foi - e provavelmente serei acusado de estar a tentar branquear qualquer coisa por discordar. Mas paciência, escrevo sempre sobre aquilo que vi, e eu não nos vi jogar assim tão mal como o resultado pode fazer crer.

Só um resultado servia ao Benfica esta noite: a vitória. E o onze que entrou em campo estava orientado para a procura desse resultado, sendo bastante ofensivo, com Salvio, Aimar e Gaitán no meio campo, tal como acontecera frente à Naval. Apesar de recuperado da lesão, o Cardozo manteve-se no banco, mantendo o Kardec a titularidade. A atitude da equipa foi também consentânea com a imposição do resultado a conquistar: partimos à procura da vitória desde o primeiro minuto. Nem sempre fazendo as coisas da melhor maneira, é certo, mas julgo que para quem quer que estivesse a ver o jogo a superioridade do Benfica no mesmo era evidente. Evidente começou também logo a parecer a nossa falta de eficácia no ataque, pois cedo começou o desperdício. Nem vale a pena enumerar as oportunidades falhadas, tantas foram. Os israelitas ficavam-se no seu meio campo, jogando com bastantes cautelas, mas como tantas vezes acontece em jogos destes, da primeira vez que foram à nossa baliza, marcaram. Primeiro ameaçaram com um remate ao lado, e logo de seguida, no seguimento de um livre, uma bola cabeceada ressaltou no David Luiz e acabou no fundo da nossa baliza, isto com vinte e quatro minutos decorridos. E nada mais fizeram em termos ofensivos durante a primeira parte, que passou a ser simplesmente o cerco do Benfica à área adversária, e um desfilar de oportunidades desperdiçadas. A resposta imediata do Benfica ao golo foi, aliás, bastante positiva: logo a seguir ao golo Kardec, isolado pelo Gaitán, não conseguiu sequer acertar na baliza; e à meia hora de jogo o Benfica marcou mesmo, pelo Saviola, mas o golo foi mal invalidado por um fora-de-jogo inexistente assinalado ao Kardec.

Ao intervalo o Saviola ficou nos balneários para dar o seu lugar ao Cardozo - julgo que a intenção do nosso treinador seria a de dar mais algum poder aéreo ao nosso ataque, já que da quantidade absolutamente incrível de cantos (julgo que foram dezasseis) e livres laterais de que dispusemos na primeira parte não resultou praticamente uma ocasião de perigo. Mas
a segunda parte foi mais do mesmo. Pressão constante do Benfica na procura do golo, e oportunidades falhadas umas a seguir às outras. Bolas cortadas em cima da linha, remates mal feitos pelos nossos jogadores, de tudo um pouco menos o mais importante, que era meter a bola na baliza. E quando na Champions se falha tanto no ataque, e a isso se junta desconcentração na defesa, estamos sujeitos a sofrer as consequências, mesmo quando o adversário se chama Hapoel. Para que tenhamos uma ideia do quão dominado estava a ser o Hapoel neste jogo, o primeiro remate que fizeram na segunda parte foi aos sessenta e nove minutos de jogo. Antes disso, tinham rematado quando marcaram o golo, o que significa que passaram quarenta e cinco minutos seguidos - metade de um jogo - sem conseguirem fazer sequer um remate.

Mas a estatística não conta para nada nestas coisas, o que contam são os golos, e no segundo remate feito na direcção da baliza, os israelitas marcaram outra vez. Foi um golo muito difícil de aceitar, pois na sequência de um canto (nós em vinte não criamos perigo, e eles no primeiro ou segundo que têm marcam logo) é o David Luiz quem corta na direcção da baliza, e depois a bola atinge o Javi García, que fica estranhamente apático enquanto um adversário aproveita para marcar. Este segundo golo, obtido a quinze minutos do final, marcou na prática o final do jogo para nós, pois a equipa acusou-o demasiado. Apesar de continuarem a tentar, as coisas passaram a ser feitas de forma ainda mais atabalhoada, com a agravante de termos a equipa praticamente partida em dois, pois após o golo deu-se a saída do Javi, e quem atacava já não defendia. O terceiro golo do Hapoel, portanto, não surpreendeu, já que nesta fase eram muitos os espaços dados na defesa para que eles pudessem explorar o contra-ataque.

Não consigo nem quero eleger melhores ou piores esta noite, porque poderia parecer que estava a arranjar bodes expiatórios para a derrota. Ganhamos todos e perdemos todos, e hoje esteve tão mal o ataque ao falhar aquelas oportunidades como esteve a defesa ao consentir os golos que consentiu.

O resultado é pesadíssimo e vergonhoso, porque se já seria sempre uma vergonha para o Benfica perder como o Hapoel, quanto mais será perder por estes números. Não consigo, honestamente, condenar a atitude da equipa, ou dizer que jogaram muito mal, porque não foi isso que eu vi. Não tivemos, claramente, a sorte do jogo, e por cima disso cometemos erros que não se podem cometer na Champions League, independentemente do nome do adversário - se eles lá estão é porque algum valor terão. Se calhar o que estes três jogos fora para a Champions nos permitem concluir é que a nossa equipa não tem ainda 'calo' para isto. Antes desta noite, já o jogo com o Schalke tinha sido muito mal perdido, e é pardoxal que chegue ao final de um jogo em que fomos derrotados por três golos sem resposta com uma sensação de injustiça atroz. Mas esta injustiça não acontece apenas por acaso; acontece também porque nós demos condições para que ela ocorresse. A continuidade na Champions está definitivamente posta de parte, e resta-nos agora a qualificação para a Liga Europa (que ainda não está garantida), onde teremos que tentar limpar um pouco a imagem.

9 Comments:

At 11/25/2010 12:27 da tarde, Anonymous JFilipe said...

Este jogo até pode ter sido algum azar (3-0 não pode ser só isso) mas o Benfica andou em todos os jogos da champions a trabalhar para isso. Não fizémos um único jogo que não tivesse o seu quê medíocre.

Estou muito desiludido com o Jesus.

 
At 11/26/2010 12:40 da manhã, Anonymous SLB4EVER said...

A tua análise está 5* e apreciei como conseguiste ser objectivo e racional, é difícil ñ concordar com tudo.
Mais um embaraço e uma desilusão, esta temporada está a ser o oposto da passada, antes goleávamos agora somos goleados.
Alguém viu treinador esta temporada, uma equipa e algum meio campo? Eu não.
No onze inicial temos Maxi, Gaitan e Sálvio (173 cm), Aimar e Saviola (169 cm), portanto meia equipa tem a espantosa média de altura de 171.5 cm.Mas o Martins ficou no banco a fazer o q?
A tática mais uma vez foi ter 5 jogadores a atacar e 5 a defender, com um bom espaço entre estes setores para apimentar a coisa.
Falta de sorte, sim tivemos, mas a sorte também se faz. A falta de estudo do adversário, de critério nas escolhas, gestão do plantel e humildade dá nisto. Nem um golo marcado e 7 sofridos em 3 jogos fora.
Já aqui tinha referido q na minha opinião com este plantel o modelo de jogo e tática q nos levou ao campeonato está longe do ideal dadas as carateristicas dos jogadores. Pode funcionar na Luz ou contra equipas fracas, mas na champions fora é uma aposta cega, já tinha sido assim na Alemanha e França. O 4-3-3 semelhante ao q o PORKO usa parece a solução mais equilibrada, no ataque ñ faltam opções(Cardozo , Saviola ,Gaitán , Gomes,Kardec,Jara,Sálvio,Mantorras), no meio campo (Aimar, Javi, Martins, Amorim, Airton, Menezes), talvez assim ñ se andasse a queimar jogadores q custaram bom dinheiro.
O q está a ser feito ao Nuno Gomes ñ é digno e tenho vergonha nisso.
A brincadeira de andar a ser um interposto comercial para jogadores argentinos tb tem de acabar e precisamos é de médios e laterais e ñ avançados.
O David Luís já devia ter ficado no banco uns jogos para ver se descansa as pernas e o cerebro, o Roderick dá bem conta do recado.
A diferença da atitude do JJ no banco este ano é notória e enigmática, parece q ficou sem pilhas, mas o q se passou?

et pluribus unum

 
At 11/26/2010 11:22 da manhã, Anonymous JFilipe said...

slb4ever, discordo. A táctica até funcionou, os executantes é que não. A equipa teve um volume de jogo que justificava a goleada.

O Kardec faz-me desesperar. Leva imenso tempo a pensar no que fazer e depois falha golos atrás de golos. Neste jogo falhou dois golos fáceis. Não seria problema se isso não fosse a imagem de marca do homem em todos os jogos em que o vi jogar no Benfica.

O Jesus gosta de dizer que ele é que sabe porque é que o Nuno Gomes não joga, mas se não o quer colocar tem lá o Jara que me parece muito mais práctico que o Brasileiro.

 
At 11/26/2010 4:11 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Que vergonha...

E eu que antecipava isto, e também aqui o escrevi, desde Agosto.

 
At 11/26/2010 4:12 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Ah,...

e no Andebol também perdemos em casa,... com o Sp da Horta.

Para onde vai este Benfica !!??
A gastar tanto e a não colher qualquer mérito.

 
At 11/26/2010 5:42 da tarde, Anonymous Anónimo said...

A minha opinião conta pouco ou quase nada porque sou do Sporting mas se ainda a quiserem ler aqui vai:
Nem eram tão fortes a época passada nem são tão fracos nesta. O que se passou é que na época passada com um Sporting perdido em divisões internas (e que continua), um Porto sem Hulk castigado por 17 jogos a mais e castigos estratégicos logo após o fecho das inscrições a Vandinho e Mossoro do Braga, o Benfica sentiu-se liberto para ganhar um campeonato facilitado por uma quantidade inusitada de expulsões de adversários (creio que 17, cerca de 40% dos jogos em superiioridade numérica). Bem ou mal, depende da cor. Muitos é que foram de certeza. Neste contexto jogadores como David Luiz podiam subir à área adversária e brilhavam com mais naturalidade do que agora. Vou-vos contar uma inconfidência que vai vos levar aos arames... tenho um amigo que sofre do mesmo problema que vocês, é doente pelo slb. Disse-lhe que vocês tinham o jogador mais inflacionado da Liga que era esse David. Disse-lhe ainda para começar a reparar quem é que mete sempre os adversários em jogo, para contar a quantidade de lances duvidosos em que se envolve e que os árbitros nada assinalam... Ele que é doente pelo Benfica, dois meses depois disse-me, olha, tens razão, o gajo está sempre a por os outros em jogo. (Em relação às faltas não disse nada mas compreendo, afinal quem consegue dizer à vontade que um jogador do seu clube é literalmente beneficiado?). Todos nós se analisarmos o Bruno Alves sabemos que é um grande jogador mas também sabemos o quão beneficiado pelos árbitros o sujeito era no Porto.
Voltando ao Benfica, o que se passa neste ano é o encarar a realidade de ter de jogar os jogos contra 11 e não contra 10 e de ter de disputar a Champions em vez da Liga Europa. Existiu demasiado deslumbramento de pensarem aquilo que não são, ou seja, uma equipa de topo europeu. Neste momento só o Porto, é um calvário que como adeptos temos que carregar.
Cumprimentos e podem começar os insultos.

 
At 11/26/2010 6:20 da tarde, Blogger joão said...

Concordo com o que dizes mesmo não jogando bem, o que jogamos era suficiente e tivemos oportunidades para ganhar o jogo. No entanto discordo desta tua analise em dois períodos de tempo em que a equipa teve simplesmente horrorosa primeiro após a anulação do golo e até ao fim da primeira parte em que não mais criamos perigo e acusamos em demasia esta segunda adversidade (golo mal anulado) no segundo caso o segundo golo nem sequer podemos falar de azar é dos golos mais patéticos que sofremos dez jogadores dentro contra apenas quatro do adversário e ainda assim sofremos golo não é aceitável.

Continuamos a não conseguir saber responder em campo as adversidades e a não virar jogos ou a empatar sequer.

SLB4EVER said concordo que devíamos ter utilizado mais vezes outra táctica, não porque outros a utilizam mas porque se calhar se adapta melhor aos jogadores que temos, aliás testada na pré época mas que em jogos oficiais ainda não foi utilizada e ninguém percebe por que não a utilizamos.
Não percebo essa do Nuno Gomes, primeiro é melhor que o Weldon, não é melhor que o Gaitan, Kardec e tenho duvidas que seja neste momento melhor que o Jara, segundo quando ele jogava todos diziam que era uma Maria Amélia que não marcava golos etc, agora que ele não joga parece que é o melhor ponta de lança do mundo.

JFilipe ao ler aquilo que escreves sobre o Kardec tive um deja vu é ipsis verbis aquilo que se disse o ano passado e no inicio deste sobre o Cardozo.

Anonymous só te esqueces de dizer que o braga foi levado ao colo nos últimos dez jogos do campeonato, que o referidos jogadores nem sequer agrediram ninguém, nem que o líder deste campeonato foi levado ao colo nas primeira cinco jornadas, nem que o teu clube quando foi campeão pela ultima vez teve mais de vinte penalties e teve mais de cinco anos sem ser assinalado um penaltie contra etc, etc. só uma coisa vocês mais parecem adeptos dos corruptos por andarem sempre a defende-los depois queixem-se de vos chamarem submissos.

 
At 11/27/2010 12:41 da manhã, Anonymous slb4ever said...

JFilipe said...
slb4ever, discordo. A táctica até funcionou... !?
E o resultado desse bom funcionamento foi perder 3 a 0 oferecendo assim a 1ª vitória de sempre ao Happoel na champions.
O kardec já marcou golos decisivos (Marselha,SCP) e é um jovem avançado com valor mas q ainda tem muito a evoluir, falhou duas boas oportunidades mas ñ jogarmos como equipa e sofrer dois golos patéticos ñ é culpa dele.
O NGomes ñ defendo q seja uma solução regular para titular mas como suplente é uma opção de luxo e em jogos na champions a experiencia conta muito. Colocar ao intervalo um jogador q vem de + de 3 meses de lesão (Cardozo) para durar 15 minutos em campo foi de 1 brilhantismo inaudito (deve ter sido para ganhar algum ritmo para o jogo com o poderoso Braga). O Martins o JJ deve andar a guarda-lo para os jogos da seleção.
O desempenho de JJ após o título tem sido ZERO com o LFV a ajudar numa má política de contratações e permanencias (Schaffer e Urreta deviam voltar já na reabertura).

 
At 11/27/2010 4:07 da tarde, Anonymous JFilipe said...

Em 2009-2010 e 2010-2011, em cerca de 1000 minutos, o Kardec marcou 3 golos em bola corrida (1 a cada mais de 300 minutos) mais um de penalti. No mesmo período, em 500 minutos, o Nuno Gomes marcou 5 golos (um a cada 100 minutos). Em termos de eficácia o Nuno rende cerca de 3 vezes mais.

Não digo que o Kardec não tenha potencial, espero que seja outro Cardozo, mas o Nuno parece-me uma escolha mais lógica nesta fase algo delicada da época.

Aceito que possa estar a ser injusto para com o Kardec, afinal defendi aqui o Roberto. É muito possível que seja uma reacção à ingratidão para com Luisão e David Luiz.

Não percebo que se tenha tanta paciência para com um jogador que ainda mostrou pouco e que foi um desastre neste jogo e se critique ferozmente o David Luiz que foi um dos impulsionadores do nosso domínio sobre o adversário e fez um jogo bastante razoável. Os dois primeiros golos foram em bolas paradas e às três tabelas. O David Luiz é um dos melhores jogadores do mundo.

Continuo a achar que a táctica inicial deste jogo estava correcta, bem como a táctica que usámos contra o Lyon na primeira hora de jogo. Espero que seja para manter.

 

Enviar um comentário

<< Home