domingo, setembro 19, 2010

Banal

Vitória normal contra uma equipa banal. Venceu com naturalidade a melhor equipa, contra um adversário que, na minha opinião, foi a equipa mais mediana que já defrontámos esta época. É o problema das equipas pequenas que jogam contra nós apenas com a ideia de retardar o empate até ao limite, apostando num golito fortuito. Quando se apanham a perder, não existe 'plano B' e ficam sem saber o que fazer. Podemos mesmo dizer que a vitória por dois a zero foi um mau resultado, porque é escasso para as oportunidades por nós criadas e desperdiçadas. E nem foi preciso sermos brilhantes. Bastou sermos competentes.

A surpresa para este jogo foi a titularidade do Peixoto na esquerda da defesa, avançando o Coentrão - que assim controlou as possíveis subidas do João Pereira - e saindo da equipa o Gaitán, que tinha sido titular no último jogo. Também em relação ao último jogo, troca na direita da defesa, surgindo novamente a titular o Maxi, com o Rúben Amorim a ser relegado para o banco. O sportém apareceu a jogar com um meio campo sobrepovoado com cinco elementos - que na verdade pareciam uns seis ou sete, já que andava por lá um indivíduo rotundo com evidentes dificuldades de locomoção e que parecia serem dois ou três jogadores enfiados dentro da mesma camisola - em que os jogadores das alas se tentavam juntar ao escanzelado na frente sempre que tinha a posse de bola. E mostrou toda a sua pujança logo aos quatro minutos de jogo, com um remate de um chileno ao lado da nossa baliza. Foi o primeiro remate do sportém no jogo, e foi também o único que fizeram durante toda a primeira parte, o que é demonstrativo da sua incompetência. Na resposta o Cardozo, lançado pelo Saviola, fez o que quis do central que vale menos que uma maçã podre e atirou ao poste.

Este remate deu o mote para um período forte do Benfica, que tinha um claro ascendente no jogo. Depois de mais algumas ameaças, o golo acabou por surgir mesmo, na sequência de um canto. A cabeçada do Luisão fez a bola ressaltar num jogador do sportém, e esta foi cair nos pés do Cardozo, que no centro da área rematou rasteiro para o fundo da baliza. Estavam decorridos apenas treze minutos de jogo, mas logo ali todo o plano de jogo daquele rapaz sem sobrancelhas ruiu. O sportém tentou responder, é verdade, mas mostrou uma incompetência tão grande que nem sequer falo de rematarem à nossa baliza; a verdade é que eles nem sequer conseguiram levar a bola até dentro da nossa área, de forma a que o escanzelado pudesse tentar uma das suas usuais apoplexias para arrancar algum penálti - isto tem sido a arma mais eficaz deles nesta Liga. Pior ainda, obrigado a correr pelo resultado, abria largos espaços atrás - é difícil compreender como é que, jogando com quatro trincos (André Santos e Maniche), ainda assim havia tanto espaço entre a sua defesa e meio campo por onde os nossos jogadores deambulavam. Só mesmo por desinspiração nossa na altura do último passe é que não voltámos a marcar, porque por mais de uma ocasião houve situações de transição em que os jogadores do Benfica surgiam em superioridade numérica frente aos defesas do sportém. A fechar a primeira parte, o amigo Xistra, que já tinha deixado bem claro que não queria que tocassem nos seus meninos, deu uma demonstração claríssima daquilo que são os critérios disciplinares gerais seguidos nesta Liga, e a melhor explicação para a enxurrada de amarelos com que os nossos jogadores têm sido brindados. O amarelo ao Coentrão, inventado pelo escanzelado (quem mais?), é mais um lance para juntar ao anedotário da época.

A segunda parte começou com a surpresa do Aimar ter ficado nos balneários. Não sei qual o motivo, mas imagino que seja por razões físicas, já que ele estava a ser claramente um dos melhores na primeira parte. Para o seu lugar entrou o Rúben Amorim, que se encostou à direita, passando o Carlos Martins para o meio. E se com um golo de vantagem já parecia muito difícil que o sportém alguma vez conseguisse regressar ao jogo, com dois golos ficou tudo sentenciado. Foi logo após cinco minutos, e da forma mais simples possível: pontapé do Roberto, recepção do Cardozo, que toca de primeira para o Saviola, e este devolve, também de primeira, ao Cardozo. Ainda fora da área, remate colocado de primeira que o Patrício ainda consegue desviar ligeiramente, mas não o suficiente para evitar o golo. Depois, bastou fazer aquilo que de pior podem fazer a uma equipa como o sportém: dar-lhes a bola. Eles andam ali a mastigá-la, sem saberem o que fazer com ela, e quando a perdem é só aproveitar os buracos lá atrás. O que podia e devia mesmo ter acontecido por mais vezes, o que daria uma expressão mais justa ao resultado. O Cardozo esteve perto do hat trick por mais de uma vez, mas sobretudo a perdida do Coentrão (numa jogada que começa com uma recuperação de bola na zona lateral da nossa área) merecia ter tido outro desfecho. Apenas por uma vez o sportém esteve perto de marcar, após um erro do Amorim, que perdeu a bola em zona proibida, dando depois a oportunidade ao escanzelado de, na cara do Roberto, rematar ao lado. Foi isto o sportém esta noite.

O homem do jogo só pode ser o Cardozo. Dois golos, o primeiro pleno de oportunidade e o segundo numa grande finalização, à matador. Podia ter ainda marcado mais, sobretudo em duas ocasiões: no remate ao poste e num cabeceamento cruzado, após centro do Coentrão. A lagartagem gosta muito de falar do escanzelado contra nós, mas se calhar se formos ver bem, a meia dúzia de golos que o Cardozo já lhes meteu em apenas dez jogos se calhar daria para falar muito mais. O Coentrão, para não variar, esteve também num patamar muito alto, e só foi pena não ter coroado a exibição com aquele que seria o nosso terceiro golo. Bem também o Luisão no centro da defesa, praticamente anulando o escanzelado sem grandes dificuldades, e bem também o Carlos Martins. Gostei da exibição do Aimar na primeira parte, e espero que não tenha tido qualquer problema físico complicado.

Hoje vimos mais Benfica. Já vimos mais pressão sobre os defesas adversários, não os deixando sair a jogar. Vimos uma boa entreajuda em toda a equipa, que fez com que mesmo em inferioridade numérica no meio campo, conseguíssemos preencher melhor os espaços do que o adversário. Também é verdade que o adversário não foi dos mais difíceis (pelo jogo de hoje percebe-se muito bem o motivo pelo qual apenas devido a um apito amigo conseguiram não perder com o Olhanense em casa, ou vencer a Naval fora, porque em termos de fio de jogo o sportém mostrou zero), mas é inegável que estamos melhor, e esta vitória sobre o vizinho chato só pode mesmo contribuir para aumentar a confiança da equipa. Hoje até o comportamento do Jesus no banco parecia o do ano passado.

6 Comments:

At 9/20/2010 8:28 da manhã, Anonymous JFilipe said...

«quatro trincos (André Santos e Maniche)»

Momento alto da crónica!

O Sporting deu de facto ainda menos trabalho que os israelitas. Aquele moço «que vale menos que uma maçã podre» é de facto muito fraquinho.

Depois da Académica não sofremos mais golos em casa. Fora de casa, os árbitros lá nos conseguiram parar frente a equipas que costumam ser complicadas, mas tenho esperança que as coisas voltem à normalidade (que ganhemos mesmo sendo espoliados a torto e a direito).

 
At 9/21/2010 7:12 da tarde, Blogger joão said...

Mais uma vez grande post.

Agora só falta o Saviola ganhar ritmo, luta muito vai fazendo os seus passes perigosos, mas continua muito perro nas arrancadas com e sem bola.

 
At 9/22/2010 5:16 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Uma vitória, de facto, com pouca oposição do adversário, mas também uma vitória crucial, como serão todos os jogos do campeonato daqui par a afrente.

é o preço que se paga, à 5ª jornada de estar já 9 pontos do primeiro.

Que o resultado comtra o Marítimo seja semelhante.

 
At 9/24/2010 10:11 da tarde, Anonymous Anónimo said...

O Benfica de facto mereceu ganhar. O Sporting mostrou muito pouco.
Mas o campo foi bem inclinado pelo auxiliar do Xistra. foram 6 foras de jogo contra o Sporting dos quais 4! foram mal assinalados que dariam ocasões bem interessantes sem contar com aquele segundo amarelo do do Ruben Amorim.
Pensa-se que é incompentência. Depois vê-se o Cardozo acampado e quase a marcar o terceiro. Reclamar dos arbitros compensa. Mas repito não foi por isso que perdemos, foi por falta de atitude e de jogo . E acho injusta a apreciação dos jogos do Sporting porque ganhar ao Lille não é para todos e já fez melhores exibições.
Toni Mendes Pinto

 
At 9/25/2010 10:05 da tarde, Blogger D'Arcy said...

Qualquer pessoa que diga que o Amorim merece um amarelo no lance em que joga a bola com a mão - na tentativa de jogar uma bola que lhe foi passada por um colega de equipa, não cortando portanto qualquer jogada de perigo ou sequer uma jogada do adversário - não percebe um boi de futebol. Nem sequer o Jorge Coroado, que é o maior pulha antibenfiquista que alguma vez pisou um campo de futebol, consegue dizer que o Amorim merecia amarelo nesse lance.

Ah, como este mundo seria perfeito se a lagartagem pudesse arbitrar todos os jogos do Benfica...

 
At 9/25/2010 10:07 da tarde, Blogger D'Arcy said...

E acusar o lagartão Xistra de inclinar o campo para o Benfica por causa de alguns foras-de-jogo assinalados - que deverão ter cortado jogadas de ataque perigosíssimas do sportém - é a cerja no topo do bolo.

Já a meia dúzia de cartões amarelos mostrados aos jogadores do Benfica, isso não foi para inclinar campo nenhum. Foi para motivar os nossos jogadores, que ao verem amarelo se sentiam picados.

 

Enviar um comentário

<< Home