quinta-feira, setembro 30, 2010

Erros

Já é longa a malapata do Benfica em jogos na Alemanha. Hoje tivemos uma boa oportunidade para acabar de vez com ela, mas as coisas voltaram a correr mal. Acima de tudo, julgo que ficamos com a sensação de que foi um jogo muito mal perdido. Mal perdido porque o adversário pareceu estar perfeitamente ao nosso alcance, mas os nossos erros acabaram por impedir uma vitória. Não posso considerar o resultado como injusto, porque o jogo foi relativamente equilibrado, e o Schalke soube simplesmente aproveitar as oportunidades que se lhe proporcionaram.

A mesma equipa do Funchal a jogar de início, e praticamente a mesma atitude também. O Benfica teve uma boa entrada no jogo, impondo o seu jogo e limitando o Schalke, apesar de jogar em casa, a tentar explorar o contra-ataque. Ao contrário do Funchal, no entanto, o Benfica não conseguiu muitas vezes traduzir o seu ascendente no jogo em lances de real perigo para a baliza alemã, sobretudo por culpa de maus últimos passes. Das vezes em que realmente conseguimos situações de finalização, os remates saíram tortos ou houve alguma hesitação na altura do remate, dando tempo para a intervenção de um adversário. A grande excepção foi a oportunidade flagrante de que o Saviola dispôs aos quinze minutos, em que após uma bola vinda da direita ele surgiu solto ao segundo poste, mas o seu remate de primeira saiu ao lado da baliza. Depois das oportunidades falhadas na Madeira, este falhanço parece mostrar que o argentino atravessa uma fase pouco habitual de desinspiração na finalização. Os primeiros vinte e cinco minutos foram de domínio do Benfica, mas depois disto o Schalke equilibrou o jogo e conseguiu construir também uma grande oportunidade de golo, já perto do intervalo, onde o Raúl atirou ao poste e depois o Roberto fez uma boa defesa à recarga.

A segunda parte, com o Salvio no lugar do apagado Gaitán, teve no equilíbrio a nota dominante. O Benfica até voltou a entrar bem, mas sem nunca atingir os níveis daqueles primeiros vinte e cinco minutos, e passado algum tempo comecei a convencer-me que o mais provável seria o jogo acabar com um empate. O Benfica substituiu a sua dupla de avançados - um por opção (Saviola) e outro por necessidade (Cardozo) - e parecia que as coisas iriam ficar por ali, com ambas as equipas mais ou menos conformadas. Só que aos setenta e três minutos de jogo, numa altura em que mostrava algum ascendente, o Schalke marcou, aproveitando um mau alívio de cabeça do Peixoto, que deixou a bola nos pés de um adversário solto ao segundo poste, e o Benfica pareceu acusar o golpe, já que jamais se reencontrou. O número de passes falhados aumentou e também a própria organização da equipa pareceu sofrer, com os sectores a ficarem mais desligados - quando uma bola era perdida no ataque, muitos jogadores já quase não recuavam. E foi a partir de uma perda de bola - infantil - do David Luiz a meio campo que o Schalke montou um contra-ataque que matou o jogo, permitindo uma finalização fácil ao Huntelaar.

O melhor do Benfica terá sido o Luisão, que fez um grande jogo no centro da defesa, cortando tudo o que podia. Foi bem secundado pelo Javi García, que foi incansável quer no trabalho no meio campo defensivo, quer nas muitas dobras que foi obrigado a fazer aos colegas da defesa, sobretudo nas laterais. Boa primeira parte do Coentrão, mas depois apagou-se um pouco na segunda, apesar de nunca ter baixado os braços. Pela negativa ficam o Peixoto e o David Luiz, por estarem directamente ligados aos golos sofridos.

Nada está perdido, excepto uma oportunidade flagrante para facilitarmos as nossas contas de apuramento, e acabarmos com esta história ridícula que temos nos jogos disputados em solo alemão. De positivo neste jogo fica para mim a capacidade do Benfica para ter ido a casa do Schalke jogar descomplexado e tentar impor o seu jogo. Podíamos ter ganho, mas apesar do resultado ser frustrante, já que julgo que o Schalke mostrou estar perfeitamente ao nosso alcance, também não seria correcto classificá-lo de injusto. No futebol, e sobretudo a este nível, os erros costumam pagar-se caro. É um chavão, mas não deixa de ser verdade.

4 Comments:

At 9/30/2010 2:42 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Mais do mesmo:

- Jogadores pagos a peso de ouro continuam a falhar mais que os Atletas da 2ªDivisão e a brincar aos milhões de euros

- O "cancro" do defesa esquerdo continua a comprometer e a errar continuamente

- O David Luís continua a brincar como se estivesse a "jogar à bola" na rua

- Fora do Estádio da Luz, continuamos a fazer os resultados que o JJ tem feito na Europa. A unica excepção aos resultados mediocres na condição de visitante foi em Marselha.

- Continuamos a PERDER. em 9 jogos oficiais desta época temos mais derrotas que vitórias. 5 derrotas e 4 vitórias.

- Continuamos sem ter ala direita

 
At 9/30/2010 7:26 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Muitos erros e nenhuma cabeça, dos piores jogos q ví com JJ a treinador.
A insistencia com o Peixoto está a sair caro, o David Luís está mal no 2º golo sofrido mas a derrota está no 1º golo oferta de César Peixoto que não acrescentando nada á equipa ainda tem erros destes.
Como adepto é deprimente ver o GLORIOSO COM ESTE LATERAL ESQUERDO e realmente ñ sei se vou aguentar ver + jogos destes em q se aposta na mediocridade.
O Airton na champions pode dar muito jeito mesmo com o Javi para dominar o meio campo, a jogar fora o JJ ñ pode lançar jogadores verdinhos á toa e tb mudar de táctica q sem Di e Ramires ñ funciona o esquema do ano passado. Gaitán nas alas ñ convence e Jara é o natural substituto de Saviola, ñ percebo pq ficou de fora.
Contratações andaram a dormir para adiantar o Coentrão era preciso 1 lateral esq, ou o Schaffer regressava ou contratavam um agora dar o lugar a 1 bom? tapa buracos nunca. Na lateral direita tb o Maxi continua sem concorrencia, o Amorim jogador q até aprecio é para jogar no meio campo ñ é 1 lateral. Apostem nos jogadores da formação porque ter jogadores experientes e em fase terminal da carreira a cometer erros de amador ñ é aceitável.
Melhores Luisão, Roberto e Fábio Coentrão que espero ver a lateral esquerdo já contra o Braga na luz.
Para a equipa e treinador apetece dizer q das PSEUDO VEDETAS ñ reza a história.

Et Pluribus Unum

 
At 10/01/2010 7:32 da tarde, Blogger joão said...

Mais uma vez somos o abono de família de clubes que se encontram de rastros (segunda vez esta época nos últimos dez anos já não há mão nem pés que seguem).
Péssima segunda substituição numa equipa que tinha perdido o fulgor atacante da primeira parte e se estava a acomodar ao empate o treinador não pode fazer uma substituição que é muito conservadora e transmite a mensagem de que o objectivo é o empate (voltou a cometer o mesmo erro do ano passado em Liverpool de meter o Aimar a segundo avançado, se o ano passado foi por necessidade este ano nem se justificava o Jara era solução, não aprender com os erros é mau).
Mas o que é mais preocupante é que a equipa não consegue virar um resultado e na maioria das vezes quando não marcamos primeiro não ganhamos tendência que já vem do ano passado e que este ano se mantêm senão até a agravar, o pior nem é a frieza dos números é a equipa que quando sobre um golo antes de marcar parece logo derrotada ela própria parece não acreditar na reviravolta, a equipa acusa muitos os golos.


9/30/2010 7:26 PM, Anonymous o que precisamos é de um médio ou extremo esquerdo porque defesa esquerdo já nós temos e dos melhores da Europa que é o Fábio Coentrão, ele a defesa é dos melhores da Europa e como extremo é apenas bom com a medida de por o Coentrão a extremo estamos a desperdiçar trinta a quarenta por cento das suas capacidades.

 
At 10/03/2010 12:05 da tarde, Anonymous Anónimo said...

acredito que para a proxima vez que formos a alemanha conseguiremos vencer.

http://santos-sempre-benfica.blogspot.com/

 

Enviar um comentário

<< Home