sexta-feira, dezembro 14, 2007

Encomendas

Surpreendeu-me e, acima de tudo, irritou-me sinceramente o artigo hoje n'A Bola, assinado pelo José Manuel Delgado, intitulado 'A Peso de Ouro', e em que são analisados os custos da passagem do Miccoli pelo Benfica. Surpreende-me por duas razões: pelo teor, e pela oportunidade do mesmo. Miccoli era um 'menino bonito' dos adeptos benfiquistas. Devido a dois motivos: a sua qualidade indiscutível, e a sua paixão - real - pelo nosso clube, que lhe permitia ter uma empatia única com os adeptos. A propósito disto, um aparte: a semana passada, em conversa com alguém bem informado sobre os meandros do futebol, soube de alguns pormenores deliciosos sobre o pequeno italiano. Sabiam que a alcunha que os colegas de equipa do Miccoli no Palermo lhe puseram é... 'Eusébio', devido ao facto dele passar o tempo todo a falar do Benfica? Ou que a forma como ele se refere à nossa camisola é 'O Manto Sagrado', tendo sido este o termo por ele utilizado quando se recusou terminantemente a ouvir sequer a proposta que tinha chegado à Juventus, vinda de um clube do Norte de Portugal (até à última ele ficou à espera de uma proposta do Benfica)? Não duvido que a vontade do Miccoli seria ficar no Benfica, e a justificação da pressão da família para que regressasse a Itália, ou de que era demasiado caro para os nossos cofres são, no mínimo, convenientes.

Quem me conhece sabe que eu sou um apoiante do trabalho da actual direcção, reconheço tudo o que de bom têm feito, e como tal até tenho uma grande margem de tolerância para erros que eventualmente cometam. O que eu não admito é que me tentem comer por parvo. E quando hoje li a encomenda, perdão, 'artigo' do José Manuel Delgado n'A Bola, essa foi a sensação com que fiquei. A oportunidade do mesmo não deixa de ser curiosa: pouco depois da publicação do livro do José Veiga, em que a saída do Miccoli é apresentada como arma de arremesso à política desportiva da actual direcção. Dias depois, surge um artigo como este, em que essa mesma saída nos é vendida como uma inevitabilidade do ponto de vista financeiro. A finalidade de encomendas, perdão, 'artigos' como este sei eu qual é. Mas em mim provoca o efeito adverso: é que me deixa a matutar que se calhar até é capaz de haver mais verdade nas divagações do Veiga do que inicialmente eu estaria disposto a conceder.

Não sei quem terá oportunamente feito chegar ao José Manuel Delgado os números que ele utiliza para elaborar o 'artigo' - embora o detalhe dos mesmos me leve a concluir que o mais provável é que tenham saído de dentro do próprio Benfica, o que ainda aumenta mais o cheiro a encomenda. Agora o que me parece é que mesmo assim esses números estarão a ser manipulados. A título de exemplo, o ordenado do Miccoli na segunda época de Benfica é apresentado como um valor próximo dos dois milhões e meio de euros anuais. Eu até estaria disposto a acreditar que esse fosse o ordenado dele, só que sabemos que metade dele era suportado pelo seu clube de origem, a Juventus. No entanto, e para efeitos de cálculo dos custos do italiano ao Benfica, o valor utilizado é mesmo o total. Ou seja, estão à espera que eu acredite que o ordenado total do Miccoli seria próximo dos cinco milhões de euros anuais (como comparação, posso dizer que o ordenado anual do Kaká cifra-se em cerca de 6 milhões de euros por ano, ou que o do Totti é de 5,5 milhões/ano)? Mesmo os próprios valores apresentados para o ordenado do Miccoli no referido artigo (1,980 milhões de euros no primeiro ano, e 2,375 milhões no segundo) me parecem exagerados. Pelo menos se forem apresentados como aquilo que ele viria auferir para o Benfica - até poderiam ser os ordenados totais que ele recebia enquanto jogador da Juventus, mas isso não significa que ele viria auferir valores dessa ordem de grandeza caso se transferisse para o Benfica. Se não acreditam, basta consultarem a lista dos ordenados dos jogadores da Serie A que a Gazetta dello Sport publicou em Setembro deste ano. Está lá tudo. Reparem no ordenado do Miccoli: 1 milhão de euros por ano! Mesmo tendo em conta eventuais prémios ou luvas, o Miccoli seria um jogador caro? Mentira! E tendo em conta a vontade que ele tinha em continuar, acham que ele iria pedir ao Benfica muito mais do que aquilo que foi receber para o Palermo? Eu não.

Aliás, eu já ando com a pulga atrás da orelha há algum tempo com isto das encomendas. O outro exemplo que me parece evidente é o do Léo. Há umas semanas começámos a ver notícias que davam conta das exigências do Léo para a renovação: três anos de contrato (já sabemos, pela boca do próprio, que é mentira, ele quer dois anos) e uma melhoria substancial de ordenado. Assim que li isto, a minha reacção foi logo 'Já estão a fazer a cama ao Léo'. Sinceramente, daquilo que conhecemos do Léo desde que chegou ao Benfica, quer dentro, quer fora do campo, acham que isto é verdade? O Léo é um profissional ideal, fora do campo responde sempre com elevação, mesmo às perguntas e insinuações mais sórdidas dos jornaleiros, na sua constante demanda para tirarem nabos da púcara, nunca se lhe ouviu uma palavra negativa em relação ao Benfica ou a qualquer pessoa ligada ao Benfica, tem um rendimento em campo que não pode ser criticado, e que nem sequer oscilou quando ele sofreu problemas graves na sua vida pessoal, sempre manifestou total dedicação ao clube e vontade de permanecer. E agora, tendo ele 32 anos, acham que desataria a fazer exigências disparatadas para essa mesma permanência? Não brinquem comigo.

Se há quem não tenha interesse na permanência do Léo, seja por razões desportivas ou outras, que o assuma. Tal como deveriam ter assumido que não havia interesse na adquisição do Miccoli. Podiam dar as justificações que quisessem: que ele se lesionava demasiado, que o seu rendimento não correspondia ao esperado, ou que não se encaixava no perfil do jogador que o técnico desejava para aquela posição no terreno. Mas por favor, não tentem atirar-nos poeira para os olhos. Se têm medo da reacção dos adeptos, então falta ali estofo de liderança.

7 Comments:

At 12/14/2007 11:59 da tarde, Blogger Coluna D'Águias Gloriosas said...

é claro que não foi inocente o artigo de José Manuel Delgado que quer se queira quer não é um dos nossos pontas de lança na imprensa desportiva

Também sou fã de Miccoli e gostava de que tivesse ficado pois faria uma grande dupla com Cardoso

Agora que ele estava muitas vezes lesionado isso é um facto indesmentível, creio que por culpa do excesso de peso que quase sempre apresentava.

O assunto Miccoli foi mal gerido, mas agora o Benfica tém que se defender e não pode ficar á mercé das vinganças dum seu ex-director.

Acharam que a melhor forma foi esta com um artigo no jornal a Bola

Mas devia-se ter mais respeito a um jogador que encarnou a alma e mística benfiquista e não referir que cada golo dele custou ao Benfica 300 mil euros

Se for assim qto custa cada golo de Nuno Gomes ao Benfica há não sei qtos anos?

O que interessa é o futuro e o Benfica tém que se reforçar no campo mas também fora dele, pois Veiga lança questões pertinentes no seu livro.

Não cabe na cabeça de ninguém que na semana antes do jogo com o Grémio da Fruta a equipa toda tenha ido em excursão almoçar na assembleia da república com os deputados

De recordar que no ano do título Veiga resguardou sempre a equipa nos momentos importantes em Óbidos

Saudações Gloriosas

 
At 12/15/2007 3:13 da manhã, Anonymous tutano azul e branco said...

Não consigo perceber a "flexibilidade colunar" de certas pessoas. Por um lado, reconhecem que há factos e "encomendas" que não abonam nada relativamente a certos dirigentes, mas por outro lado, apoiam incondicionalmente ou quase, o trabalho efectuado por esses dirigentes. Não será isto a verdadeira quadratura do círculo? Ah, maravilhosa flexibilidade da coluna vertebral.

 
At 12/15/2007 4:13 da manhã, Blogger D'Arcy said...

Isto dito por um apoiante do PC... deves ter a coluna feita num oito.

 
At 12/15/2007 9:44 da manhã, Anonymous Índio Nelson said...

Para além de concordar ou discordar deste post, saúdo a saudavel postura do D'Arcy que contrasta com uma preocupante tendência de um certo "branqueamento" ou acriticismo quando se trata de falar ou questionar certos aspectos, nomeadamente o desportivo, deste mandato.
Não quero aproveitar oportunisticamente este belo post para "bater" no LFV ou no Veiga ou em quem quer que seja, a minha opinião já a dei em muitos comentários, o que eu quero sublinhar é que é bom ver que o Benfica é feito de pessoas com espirito livre, lucidas e sem dogmas. Ou como dizia o Máximo "...nós somos sócios, não somos Clientes..".

Por outro lado, nunca esteve tão certa a nomeação para Director da futura SAD benfiquista. Preparem-se a Revolução Vermelha aproxima-se!!Jesus o Nazareno era Benfiquista como a sua mãe Maria e o Grande Manitu!!

 
At 12/16/2007 12:22 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Grande post.

 
At 12/16/2007 12:52 da manhã, Blogger Pedro said...

Acho muito bem q a malta, lentamente ou não, comece a acordar e constatar q o reinado de Vieira tem mais espinhos do q rosas mas, neste caso, acho estão a bater pelas razões erradas.

Miccoli ganhava 60 mil cts por mês. Era o ordenado q ele auferia na Juventus. O Benfica pagava cerca de metade. Um site qqr dizer q o Miccoli ganha no Palermo 1 milhão por ano vale tanto como os sites q por cá dizem q o Simão ganhava 100 mil euros/mês. Simão admitiu q foi ganhar o dobro para Madrid do q ganhava do Benfica e esse dobro são 400 mil euros.

Um avançado como Miccoli q tinha cartel em Itália NUNCA ganharia apnas 1 milhão por ano. Sejamos honestos e admitamos isso.

Sim o Benfica teria 20 milhões de euros para gastar e podia os ter gasto nos ordenados de Miccoli e Simão. Mas e depois? O resto plantel? E moral para recusar aumentos a Luisão, Katsoranis, Petit, Manuel Fernandes, etc etc?

Ninguem no plantel se importa q Simão ou Miccoli ganhasse mais 10 ou 15 mil cts q eles...é o futebol...agora ganhar mais 30 ou 40 mil cts já é muita fruta...

 
At 12/16/2007 9:27 da manhã, Anonymous Indio Nelson said...

Pedro,mas quem é que podia acreditar que o Simão, só o melhor jogador da Liga, ganhava 100.000/mês?

"Ninguem no plantel se importa q Simão ou Miccoli ganhasse mais 10 ou 15 mil cts q eles...é o futebol...agora ganhar mais 30 ou 40 mil cts já é muita fruta..."

Uma equipa de futebol não "funciona" dessa forma, nem tem o Contrato Colectivo de Trablaho, senão existiam jogadores em greve todos os dias por essa Europa fora, onde existem casos muito mais dispares. Ninguem no Man United questiona o ordenado ultra-milionário do Ronaldo, nem no Inter questionam o do Figo por este jogar algumas partes de alguns jogos, nem no Milan o do Ronaldo...trata-se antes do mais de uma questão de liderança do próprio clube.Não é possivel pensar que antes de se fazer um contrato com algum jogador se tenha que perguntar aos outros se se incomodam com a folha salarial do novo colega, é a inversão total.E isso não funciona assim.

 

Enviar um comentário

<< Home