domingo, abril 19, 2009

Passeio

Vitória muito tranquila esta noite, no que foi um autêntico passeio do Benfica a Setúbal. A atitude, mantida quase constante durante os noventa minutos, terá ajudado a que, para variar, não tenhamos tido sobressaltos, e acabássemos com um resultado volumoso a nosso favor que, quando muito, peca por escasso.

O Benfica insistiu no mesmo onze da semana passada, jogando mais uma vez num 4-4-2 em que o Aimar fica encostado à esquerda, enquanto que o Reyes fica encarregue do lado oposto e o Rúben Amorim e o Carlos Martins jogam no meio.O início do jogo até deixava antever dificuldades para o Benfica. Pouca velocidade e ausência de pressão sobre os adversários eram os traços mais evidentes do nosso jogo, com a honrosa excepção do Reyes, que mesmo durante esse período inicial mostrou sempre vontade de jogar em velocidade e empurrar a equipa para a frente. Mas após os primeiros vinte minutos, o Benfica mudou. A pressão começou a ser feita mais à frente, e as jogadas a sair mais velozes, com vários jogadores envolvidos nos lances de ataque. Cedo isto resultou no primeiro golo, quando, após desmarcado na direita pelo Reyes, o Sídnei centrou para a entrada de cabeça do Nuno Gomes ao primeiro poste, colocando a bola cruzada sem hipóteses para o guarda-redes. Nem foi preciso esperar muito pelo segundo, já que este surgiu apenas dois minutos depois. Aproveitando os ressaltos de um livre apontado pelo Carlos Martins, o Cardozo ficou à vontade na área para fuzilar de pé direito, deixando assim o Benfica na confortável posição de ter dois golos de vantagem ainda antes da meia hora de jogo. Não é algo que não tenhamos visto antes esta época, mas desta vez o Benfica não abrandou após a vantagem, e pelo contrário, aproveitando a completa desorganização do Vitória após os dois golos sofridos de rajada, continuámos a pressionar, a rematar, e a criar oportunidades de golo. Quem quer que assistisse ao jogo nesta altura só poderia mesmo adivinhar uma goleada no final do mesmo, tamanha era a superioridade do Benfica em campo e a impotência do Setúbal para travá-la. Os jogadores do Setúbal iam-se acantonando cada vez mais junto da sua área, o que resultava numa grande liberdade para os nossos jogadores, em particular os do meio campo, trocarem a bola e criarem jogadas de perigo. A estatística no final desta primeira parte mostrava que o Benfica tinha conseguido rematar vinte vezes durante esse período, contra apenas três remates do adversário. Todos este remates e toda esta superioridade acabaram por render apenas mais um golo, curiosamente obtido num lance de contra-ataque, desenhado pelo Cardozo, Nuno Gomes e Reyes, com este último a desmarcar o paraguaio para mais uma vez, com toda a calma do mundo, ele marcar de forma aparentemente fácil.

Para a segunda parte surgiu um Benfica um pouco mais relaxado, ao passo que o Vitória parecia querer evitar a goleada que se ia prevendo. A superioridade do Benfica manteve-se, mas já sem rematar ou criar oportunidades de golo ao ritmo exibido na primeira parte. Para isto também terá contribuido a saída do Reyes ainda antes de cumpridos os primeiros quinze minutos de jogo. Mesmo num jogo em que o Benfica jogou a um ritmo bem mais elevado do que o habitual, o espanhol parece quase sempre jogar a uma velocidade superior à dos restantes jogadores. O Benfica continuou no entanto a mostrar capacidade e a criar ocasiões para ampliar o resultado (e pelo meio o Setúbal ainda conseguiu, pela primeira vez no encontro, criar um par de oportunidades e dar a oportunidade ao Quim de fazer alguma coisa), o que acabou por acontecer aos setenta minutos, através do Nuno Gomes, que aproveitou bem um centro atrasado do Di María. Até final, contei pelo menos mais boas oportunidades de golo para o Benfica, uma do David Luiz e duas do Cardozo, sendo que a última foi mesmo a fechar o jogo, com o remate do paraguaio a proporcionar a defesa da noite ao guarda-redes do Setúbal.

Depois de uma vitória confortável toda a equipa está de parabéns. Claro que os jogadores mais adiantados merecem destaque. Reyes e Aimar estiveram em bom plano, e os dois avançados, com dois golos cada, destacaram-se. E diga-se que qualquer um deles poderia ter acabado o jogo com mais golos, já que foram diversas as oportunidades que tiveram para marcar. Mais atrás, destaco também a exibição do Rúben Amorim que, a jogar no centro, tem a oportunidade de mostrar o valor que lhe reconhecemos.

A volumosa vitória não permitiu no entanto a aproximação aos dois da frente. Pode ser que, pelo menos, nos permita uma semana mais ou menos tranquila. Ficam agora a faltar apenas cinco jogos para o final, e nada mais nos resta que tentar ganhá-los. Depois se verá.

7 Comments:

At 4/20/2009 12:27 da tarde, Blogger Índio Ruço said...

Não vi o jogo, não sabia nem quis saber o resultado, cheguei a casa e por volta das 11 e tal liguei a tv, procurei pelos habituais canais noticiosos porque não estava para abrir a net, na RTP N estava a dar a Liga dos Ultimos , na Sic N (juro que só la fui em ultimo recurso...) o ribeirinho perorava sobre o PBento e a verdade desportiva e não sei que mais...vi logo que o Benfica tinha ganho e fui-me deitar. Só hoje de manhã soube que foi por 4-0.

Quem é que disse que um gajo tem que ver ou ouvir alguma coisa para estar bem informado? Para um benfiquista no news is good news.

 
At 4/20/2009 3:04 da tarde, Blogger Algarviu said...

Falta de fé, Índio, falta de fé!
Tivesses entrado em comunicação transcendental com o Mártir de Gaia e ficarias a saber o resultado!

 
At 4/21/2009 9:14 da manhã, Blogger Índio Ruço said...

Não é falta de fé caro Algarviu, é a previsibilidade de tudo isto, até um espirito dinâmico como o meu fica um pouco nauseado com tanto tédio.Será melancolia, coño?
É tudo tão previsivel que tenho a impressão que o cão do Pavlov seria cá um excelente quadro médio superior ou secretário de estado de qualquer Ministério.
A melhor coisa que aconteceu nestes ultimos anos foi mesmo a aparição do grande vate de Gaia.
Foi um dos unicos gajos que não fez exactamente o que estavam à espera que ele fizesse.
Que Manitu atraves desse grande espirito nos proteja da sensaboria, da rotina, e do tédio.
Queremos mais Martir de Gaia!!

 
At 4/24/2009 12:48 da tarde, Blogger Índio Ruço said...

Na edição do próximo mês a Playboy tem uma entrevista com o escocês Franco.A dada altura perguntam-lhe maliciosamente "e no amor Dr. Soares Franco, como é você no amor?"
Ele astuto responde:
- "Bem começo sempre com um VAT69 que eu considero o cunilungus perfeito"

Desconfio que o escocês Franco não passa dos preliminares...mas o que lixa mais um gajo é a previsibilidade disto tudo, fonix.

 
At 4/24/2009 11:55 da tarde, Blogger Harry Lime said...

Benfiquistas,

Eu não vos queria chatear o juizo mas montei um novo blog dedicado exclusivamente à minha obra fotografica (exclusivamente lo-fi, recuso-me a tirar fotografias com outra coisa que não seja a camara do telemovel).

Chama-se

http://photomaton72.blogspot.com/

Passem por lá...

 
At 4/25/2009 1:12 da tarde, Blogger Índio Ruço said...

Talvez a melhor canção de portuguesa de sempre,pelo menos para mim, pela letra, pela musica, pela soberba interpretação mas acima de tudo pelo significado.
Ser benfiquista tambem é isto, antes de todos e de ninguem tivemos a coragem de não desfilar com a saudação fascista, de sermos o unico clube com eleições democraticas. Quem acha e diz que o Benfica não tem ideologia engana-se ela esteve sempre patente desde o inicio, da sua fundação e, felizmente mantem-se ainda hoje na recusa da corrupção e do compadrio.

 
At 4/26/2009 6:59 da tarde, Blogger Harry Lime said...

Já viram isto:

http://www.videos.iol.pt/consola.php?projecto=27&mul_id=13131329&tipo_conteudo=1&tipo=2&referer=1

Isto é benfiquismo genuino :):):)

 

Enviar um comentário

<< Home